Apple é processada pelo governo dos EUA por monopólio do iPhone

Ação judicial encerra anos de análise regulatória do conjunto de dispositivos e serviços da empresa

PUBLICIDADE

Por David McCabe (The New York Times ) e Tripp Mickle (The New York Times )

O Departamento de Justiça dos EUA juntou-se a 16 estados e ao Distrito de Columbia para entrar com um processo antitruste contra a Apple na quinta-feira, 21, o desafio mais significativo do governo federal ao alcance e à influência da empresa que colocou o iPhone nas mãos de mais de um bilhão de pessoas.

Em um processo de 88 páginas, o governo argumentou que a Apple violou as leis antitruste com práticas destinadas a manter os clientes dependentes de seus iPhones e menos propensos a mudar para um dispositivo concorrente.

PUBLICIDADE

De acordo com a ação, a gigante da tecnologia impediu que outras empresas oferecessem aplicativos que competissem com os produtos da Apple, como sua carteira digital, o que poderia diminuir o valor do iPhone, disse o governo. As políticas da Apple prejudicam os consumidores e as empresas menores que concorrem com alguns dos serviços da Apple, na forma de “preços mais altos e menos inovação”, segundo o processo.

“Cada passo no curso da conduta da Apple construiu e reforçou o fosso em torno de seu monopólio de smartphones”, disse o governo no processo, que foi apresentado no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito de Nova Jersey.

A ação judicial encerra anos de análise regulatória do conjunto de dispositivos e serviços extremamente populares da Apple, que impulsionaram seu crescimento e se tornaram uma empresa pública de quase US$ 2,75 trilhões, que durante anos foi a mais valiosa do planeta. O objetivo é atingir diretamente o iPhone, o dispositivo mais popular e o negócio mais poderoso da Apple, e atacar a forma como a empresa transformou os bilhões de smartphones que vendeu desde 2007 na peça central de seu império.

Ao controlar rigidamente a experiência do usuário em iPhones e outros dispositivos, a Apple criou o que os críticos chamam de campo de jogo desigual, em que concede a seus próprios produtos e serviços acesso a recursos essenciais que nega aos rivais. Ao longo dos anos, a Apple limitou o acesso das empresas financeiras ao chip de pagamento do telefone e impediu que os rastreadores Bluetooth acessassem o recurso de serviço de localização. Também é mais fácil para os usuários conectarem os produtos da Apple, como relógios inteligentes e notebooks, ao iPhone do que aos produtos de outros fabricantes.

O objetivo do processo é atingir diretamente o iPhone, o dispositivo mais popular e o negócio mais poderoso da Apple  Foto: Jeff Chiu/AP Photo

A empresa afirma que isso torna seus iPhones mais seguros do que outros smartphones. Mas os desenvolvedores de aplicativos e fabricantes de dispositivos rivais dizem que a Apple usa seu poder para esmagar a concorrência.

Publicidade

“Essa ação judicial ameaça quem somos e os princípios que diferenciam os produtos da Apple em mercados extremamente competitivos”, disse uma porta-voz da Apple. “Se for bem-sucedida, ela prejudicará nossa capacidade de criar o tipo de tecnologia que as pessoas esperam da Apple - onde hardware, software e serviços se cruzam. Isso também abriria um precedente perigoso, dando poder ao governo para interferir fortemente no design da tecnologia das pessoas.”

A ação judicial pede que o tribunal impeça a Apple de se envolver nas práticas atuais, incluindo o bloqueio de aplicativos de streaming na nuvem, o enfraquecimento de mensagens nos sistemas operacionais de smartphones e a prevenção da criação de alternativas de carteiras digitais. Ela também pede que a Apple pague uma penalidade financeira não especificada.

Não está claro quais implicações o processo - que provavelmente se arrastará por anos antes de qualquer tipo de resolução - teria para os consumidores.

A Apple tem lutado efetivamente contra outros desafios antitruste. Em um processo sobre suas políticas da App Store que a Epic Games, fabricante do Fortnite, moveu em 2020, a Apple persuadiu o juiz de que os clientes poderiam facilmente alternar entre seu sistema operacional do iPhone e o sistema Android do Google. Ela apresentou dados que mostram que o motivo pelo qual poucos clientes trocam de telefone é sua fidelidade ao iPhone.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Ela também defendeu suas práticas comerciais no passado, dizendo que sua “abordagem sempre foi aumentar o bolo” e “criar mais oportunidades não apenas para nossos negócios, mas para artistas, criadores, empreendedores e todos os ‘loucos’ com uma grande ideia”.

Big techs na mira

Todos os gigantes da tecnologia moderna enfrentaram um grande desafio antitruste federal. O Departamento de Justiça também está conduzindo um processo contra o negócio de buscas do Google e outro com foco no domínio do Google sobre a tecnologia de publicidade. A Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês) entrou com uma ação judicial acusando a Meta, proprietária do Facebook, de impedir a concorrência quando comprou o Instagram e o WhatsApp, e outra acusando a Amazon de abusar de seu poder sobre o varejo on-line. A FTC também tentou, sem sucesso, impedir que a Microsoft adquirisse a Activision Blizzard, a editora de videogames.

As ações judiciais refletem uma pressão dos órgãos reguladores para aplicar um maior escrutínio às funções das empresas como guardiãs do comércio e das comunicações. Em 2019, sob o comando do presidente Donald Trump, as agências abriram inquéritos antitruste sobre Google, Meta, Amazon e Apple. O governo Biden colocou ainda mais energia por trás do esforço, nomeando críticos dos gigantes da tecnologia para liderar tanto o FTC quanto a divisão antitruste do Departamento de Justiça.

Publicidade

Na Europa, os órgãos reguladores recentemente puniram a Apple por impedir que os concorrentes de streaming de música se comunicassem com os usuários sobre promoções e opções de atualização de suas assinaturas, aplicando uma multa de 1,8 bilhão de euros. Os fabricantes de aplicativos também recorreram à Comissão Europeia, o braço executivo da União Europeia, para investigar as alegações de que a Apple está violando uma nova lei que exige a abertura de iPhones para lojas de aplicativos de terceiros.

O procurador-geral de Nova Jersey, Matthew Platkin, anunciou em uma coletiva de imprensa um amplo processo antitruste contra a Apple  Foto: Jose Luis Magana/AP Photo

Na Coreia do Sul e na Holanda, a empresa está enfrentando possíveis multas sobre as taxas que cobra dos desenvolvedores de aplicativos para usar processadores de pagamento alternativos. Outros países, incluindo a Grã-Bretanha, a Austrália e o Japão, estão considerando regras que reduziriam o controle da Apple sobre a economia de aplicativos.

O Departamento de Justiça, que iniciou sua investigação sobre a Apple em 2019, optou por criar um caso mais amplo e ambicioso do que qualquer outro órgão regulador apresentou contra a empresa. Em vez de se concentrar estritamente na App Store, como fizeram os órgãos reguladores europeus, ele se concentrou em todo o ecossistema de produtos e serviços da Apple.

A ação judicial apresentada na quinta-feira se concentra em um grupo de práticas que, segundo o governo, a Apple usou para reforçar seu domínio.

A empresa “prejudica” a capacidade dos usuários do iPhone de enviar mensagens aos proprietários de outros tipos de smartphones, como os que utilizam o sistema operacional Android, segundo o governo. Essa divisão - simbolizada pelas bolhas verdes que mostram as mensagens de um proprietário de Android - enviou um sinal de que outros smartphones eram de qualidade inferior ao iPhone, de acordo com o processo.

Da mesma forma, a Apple dificultou o funcionamento do iPhone com outros relógios inteligentes além de seu próprio Apple Watch, argumentou o governo. Quando um usuário de iPhone possui um Apple Watch, torna-se muito mais caro para ele abandonar o telefone.

O governo também disse que a Apple tentou manter seu monopólio ao não permitir que outras empresas criassem suas próprias carteiras digitais. A Apple Wallet é o único aplicativo no iPhone que pode usar o chip, conhecido como NFC, que permite que um telefone toque para pagar no caixa. Embora a Apple incentive os bancos e as empresas de cartão de crédito a permitir que seus produtos funcionem dentro da Apple Wallet, ela os impede de obter acesso ao chip e criar suas próprias carteiras como alternativas para os clientes.

Publicidade

O governo também disse que a Apple se recusa a permitir aplicativos de streaming de jogos que poderiam tornar o iPhone uma peça de hardware menos valiosa ou oferecer “superaplicativos” que permitem que os usuários realizem uma variedade de atividades em um único aplicativo.

A queixa do governo usa argumentos semelhantes às alegações feitas contra a Microsoft décadas atrás, em um processo que argumentava que a empresa estava vinculando seu navegador da web ao sistema operacional Windows, disse Colin Kass, advogado antitruste da Proskauer Rose. Ele acrescentou que a alegação mais convincente - e a que mais se aproxima do caso da Microsoft - é que a Apple poderia estar impedindo contratualmente que os rivais desenvolvessem aplicativos que funcionassem com outros provedores de aplicativos, como os “superaplicativos”.

Outros especialistas jurídicos observaram que as empresas têm permissão legal para favorecer seus próprios produtos e serviços, portanto, o governo terá que explicar por que isso é um problema para a Apple.

“Esse caso é sobre tecnologia”, disse Kass. “As leis antitruste podem forçar uma empresa a redesenhar seu produto para torná-lo mais compatível com os produtos da concorrência?”

A Apple se defendeu de outros desafios antitruste argumentando que suas políticas são fundamentais para tornar seus dispositivos privados e seguros. Em sua defesa contra a Epic Games, ela argumentou que restringir a distribuição de aplicativos permitiu que ela protegesse o iPhone contra malware e fraude. A prática beneficiou os clientes e tornou o iPhone mais atraente do que os dispositivos concorrentes com o sistema operacional Android.

O governo tentará demonstrar que o efeito das políticas da Apple foi prejudicar os consumidores, e não ajudá-los.

“A concorrência torna os dispositivos mais privados e mais seguros”, disse Jonathan Kanter, procurador-geral assistente da divisão antitruste do Departamento de Justiça. “Em muitos casos, a conduta da Apple tornou seu ecossistema menos privado e menos seguro.”

Publicidade

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.