PUBLICIDADE

Meta anuncia nova geração de chips de IA em corrida pelo domínio da tecnologia

Empresa investe em componentes proprietários para evitar dependência de tecnologia da gigante Nvidia

PUBLICIDADE

Foto do author Henrique Sampaio
Por Henrique Sampaio

A Meta apresentou nesta quarta, 10, sua nova geração de chips otimizados para processamento de inteligência artificial (IA). Esses componentes são projetados para impulsionar modelos de classificação e recomendação de anúncios nas plataformas Facebook e Instagram, prometendo um desempenho superior em comparação com a geração anterior.

No ano passado, a companhia já havia lançado a primeira versão do Meta Training and Inference Accelerator (MTIA), o primeiro acelerador de inferência de IA da Meta, otimizado para modelos de recomendação de aprendizagem profunda. Inferência é o processo que ocorre após o treinamento, quando um modelo de IA aplica seu conhecimento prévio para tirar conclusões a partir de novos dados.

FILE PHOTO: Meta's CEO Mark Zuckerberg testifies during the Senate Judiciary Committee hearing on online child sexual exploitation at the U.S. Capitol, in Washington, U.S., January 31, 2024. REUTERS/Nathan Howard/File Photo Foto: Nathan Howard/Reuters

PUBLICIDADE

A nova versão do MTIA duplica a largura de banda de computação e memória. A arquitetura do chip é focada em equilibrar computação, largura de banda e capacidade de memória para servir modelos de classificação e recomendação de forma mais eficiente.

O chip MTIA já está em uso nos data centers da Meta, atendendo modelos em produção. Os resultados iniciais indicam que o MTIA pode lidar com modelos de classificação e recomendação de complexidade variada, proporcionando maior eficiência em comparação às unidades de processamento gráfico (GPUs) comerciais.

O investimento em chips personalizados proprietários mostra que a companhia está buscando autossuficiência em uma indústria dependente de empresas terceiras, como a Nvidia, que despontou como a principal fornecedora de hardware para IA, apresentando um crescimento meteórico de suas ações e se tornando a 3ª empresa mais valiosa dos EUA.

Apesar dos investimentos em tecnologia própria, Mark Zuckerberg afirmou neste ano planos para comprar 350 mil chips H100 da Nvidia, uma GPU otimizada para o processamento de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.