PUBLICIDADE

UE mira Google, Apple e Meta em novo processo de investigação contra monopólio

Investigações sinalizam a intenção do bloco de aplicar com rigor as novas e abrangentes regras de concorrência que entraram em vigor neste mês

Por Tripp Mickle (The New York Times ) e Adam Satariano (The New York Times )

A Alphabet, dona do Google, a Apple e a Meta foram informadas pelos órgãos reguladores da União Europeia na segunda-feira, 25, que estavam sendo investigadas por uma série de possíveis violações da nova lei de concorrência da região.

As investigações são as primeiras que os reguladores anunciaram desde que a Lei dos Mercados Digitais entrou em vigor, em 7 de março, e sinalizam a intenção do bloco de aplicar com rigor as amplas regras de concorrência. A lei exige que o Google, a Apple, a Meta e outros gigantes da tecnologia abram suas plataformas para que os rivais menores possam ter mais acesso a seus usuários, o que pode afetar as lojas de aplicativos, os serviços de mensagens, a pesquisa na internet, as redes sociais e as compras online.

PUBLICIDADE

As investigações em Bruxelas se somam ao escrutínio regulatório que as maiores empresas de tecnologia estão enfrentando globalmente. Na semana passada, em Washington, o Departamento de Justiça americano processou a Apple por violar as leis antitruste com práticas que tinham como objetivo manter os clientes dependentes de seus iPhones e menos propensos a mudar para um dispositivo concorrente. O Google e a Amazon também estão enfrentando processos federais antitruste.

As investigações da União Europeia se concentram no fato de a Apple e a Alphabet, a empresa controladora do Google, estarem favorecendo injustamente suas próprias lojas de aplicativos para afastar os rivais, especialmente as restrições que limitam a forma como os desenvolvedores de aplicativos podem se comunicar com os clientes sobre vendas e outras ofertas. O Google também está sendo investigado sobre a exibição de resultados de pesquisa na Europa, enquanto a Meta será questionada sobre um novo serviço de assinatura sem anúncios e o uso de dados para a venda de publicidade.

As investigações da UE se concentram no fato de a Apple eo Google estarem favorecendo injustamente suas próprias lojas de aplicativos  Foto: Virginia Mayo/AP Photo

A Comissão Europeia, o braço executivo da União Europeia, pode multar as empresas em até 10% de sua receita global, que, para cada uma delas, chega a centenas de bilhões de dólares por ano. A comissão tem 12 meses para concluir suas investigações.

As empresas já haviam anunciado uma série de mudanças em seus produtos, serviços e práticas comerciais para tentar cumprir a Lei dos Mercados Digitais. Mas, ao anunciar as investigações na segunda-feira, os reguladores disseram que suas mudanças não foram suficientemente abrangentes.

“Certas medidas de conformidade não atingem seus objetivos e ficam aquém das expectativas”, disse Margrethe Vestager, vice-presidente executiva da Comissão Europeia, que anunciou as investigações em uma coletiva de imprensa em Bruxelas. A conformidade com a lei, disse ela, “é algo que levamos muito a sério”.

Publicidade

As investigações intensificam uma campanha de anos dos órgãos reguladores europeus para afrouxar o controle das maiores empresas de tecnologia sobre a economia digital. Este mês, Vestager anunciou uma multa de 1,85 bilhão de euros (US$ 2 bilhões) contra a Apple por práticas comerciais desleais relacionadas à App Store. O Google e a Meta também foram alvo de investigações da UE.

A Lei dos Mercados Digitais, aprovada pela primeira vez em 2022, tinha como objetivo dar aos reguladores europeus mais autoridade para forçar os gigantes da tecnologia a mudar suas práticas comerciais sem o processo demorado de entrar com ações judiciais antitruste tradicionais, que podem levar anos para serem resolvidas. Um aspecto importante da lei é que as empresas não podem favorecer seus próprios serviços em detrimento de produtos similares oferecidos por rivais.

Como parte das investigações, a Alphabet, a Apple e a Meta agora serão obrigadas a divulgar mais informações aos órgãos reguladores sobre suas práticas comerciais. As empresas afirmaram ter feito mudanças para cumprir as novas regras.

Entre as mudanças, a Apple anunciou em janeiro que os desenvolvedores teriam novas maneiras de alcançar clientes na União Europeia, incluindo a permissão para que lojas de aplicativos externas estejam disponíveis em iPhones e iPads pela primeira vez. O Google também fez alterações em seus produtos, incluindo a forma como exibe resultados de pesquisa para voos, hotéis e serviços de compras.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

A Meta criou um novo serviço de assinatura que permite que os usuários da União Europeia paguem 13 euros por mês se quiserem usar o Facebook e o Instagram sem anúncios. Os órgãos reguladores disseram que a política basicamente força os usuários a pagar uma taxa ou concordar que seus dados pessoais sejam usados para direcionar publicidade.

“A comissão está preocupada com o fato de que a escolha binária imposta pelo modelo ‘pagar ou consentir’ da Meta pode não oferecer uma alternativa real no caso de os usuários não consentirem”, disse a comissão em um comunicado.

Um porta-voz da Meta disse que a empresa “continuará a se envolver de forma construtiva com a comissão”. A Apple disse que “demonstrou flexibilidade e capacidade de resposta à Comissão Europeia e aos desenvolvedores, ouvindo e incorporando seus comentários”. Oliver Bethell, diretor de concorrência do Google, disse que a empresa “continuará a defender nossa abordagem nos próximos meses”.

Publicidade

Muitos no setor de tecnologia se perguntaram com que agressividade os órgãos reguladores da UE aplicariam a nova lei de concorrência. Em Bruxelas, as empresas de tecnologia têm participado de workshops sobre como as regras serão aplicadas. Ao mesmo tempo, muitos desenvolvedores de aplicativos, concorrentes e grupos de consumidores reclamaram aos órgãos reguladores que as mudanças feitas pelas empresas até agora eram insuficientes.

“A abertura de investigações hoje sobre a Meta, Google e Apple é um sinal claro de que a comissão está empenhada em fazer cumprir a Lei dos Mercados Digitais”, disse Monique Goyens, diretora geral da Organização Europeia de Consumidores, um grupo em Bruxelas que tem criticado o setor de tecnologia.

Na segunda-feira, os órgãos reguladores também disseram que estavam reunindo informações sobre a conformidade da Amazon com a Lei de Mercados Digitais. Os reguladores disseram que a empresa poderia estar favorecendo seus próprios produtos de marca em sua loja online, violando a lei.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.