PUBLICIDADE

OpenAI não quer que você namore com ChatGPT; entenda

Chegada da GPT Store inundou chatbot de aplicações de namoro, mas OpenAI não quer que elas estejam disponíveis

Foto do author Bruna Arimathea
Por Bruna Arimathea

Poucos dias após a abertura da GPT Store, a OpenAI já teve que sinalizar para seus usuários uma nova regra: mesmo com os novos aplicativos, que podem transformar o ChatGPT em um chatbot altamente personalizado, a inteligência artificial não poderá  ser seu namorado ou sua namorada. Isso porque uma enxurrada de aplicativos de namoro com a IA surgiram na plataforma, levando a companhia de Sam Altman a derrubar várias aplicações do tipo.

PUBLICIDADE

De acordo com a empresa, diversas aplicações com finalidades “românticas” foram colocadas na loja para simular um app de namoro ou mesmo um perfil para relacionamento amoroso. Segundo o site americano Gizmodo, ainda no segundo dia de existência da loja, era possível encontrar GPTs sinalizados como “Korean Girlfriend,” “Virtual Sweetheart,” “Your girlfriend Scarlett,” “Your AI girlfriend, Tsu”, por exemplo.

Mas a política da GPT Store em relação a “namoros” com a IA não permite que “GPTs dedicados a promover o companheirismo romântico ou realizar atividades regulamentadas”. Os GPTs, como são chamados esses aplicativos, podem ser criados por qualquer usuário e disponibilizados na loja para que outras pessoas possam incorporar ao seu próprio chatbot.

FILE PHOTO: OpenAI and ChatGPT logos are seen in this illustration taken, February 3, 2023. REUTERS/Dado Ruvic/Illustration/File Photo Foto: REUTERS / REUTERS

Mas, de acordo com o Gizmodo, a tarefa da empresa pode não ser tão simples: mesmo com a “varredura” em busca dos apps, outros GPTs com nomes mais discretos ainda estão surgindo na loja. Depois do mutirão para excluir da loja os GPTs que traziam atividades românticas - e até sexuais - com a IA, a OpenAI não afirmou se deve colocar algum filtro ou aumentar o monitoramento de aplicações que tragam esse tipo de atividade.

GPT Store

A OpenAI lançou em 10 de janeiro a chamada GPT Store, uma lojinha de GPTs, uma espécie de aplicação que personaliza o robô. Esses GPTs poderão ser utilizados para customizar o uso da plataforma — eles podem fazer com que o chatbot seja uma agenda virtual, por exemplo, ou uma ferramenta especializada em finanças ou, ainda, um guia especializado em algum assunto específico. Também será possível criar um GPT apenas conversando com o chatbot e especificando o que o usuário deseja na aplicação.

A atualização é importante porque permite, pela primeira vez, que usuários que não possuem conhecimento de programação possam moldar o ChatGPT de acordo com suas necessidades, sem precisar contratar APIs ou serviços terceiros para isso. A expectativa da empresa é, também, que a facilidade de uso dessa ferramenta possa turbinar as assinaturas do chatbot.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.