PUBLICIDADE

Sistemas de celular para carro são criticados

Usar comandos de voz para ativar funções é tão inseguro quanto usar as mãos, diz estudo

Por Redação Link
Atualização:
 

Jerry Hirsch LOS ANGELES TIMES

PUBLICIDADE

Em muitos carros o ato de telefonar sem precisar usar as mãos pode provocar mais distração do que o ato de pegar o seu telefone, de acordo com um estudo da American Automobile Association (AAA) e da Universidade de Utah. Os aparelhos de telefone embutidos no painel do carro, controlados através de comandos de voz, são excessivamente complicados e propensos a erros, concluiu o estudo. O mesmo vale para as funções de voz para música e navegação.

Estudo similar concluiu também que o uso da Siri – assistente de voz do iPhone – quando se está dirigindo também desvia perigosamente a atenção. Dois participantes do estudo tiveram acidentes virtuais num simulador automotivo quando tentavam usar a Siri, reportaram os autores do estudo.

“Já sabemos que os motoristas podem não perceber sinais de parada, pedestres e outros carros quando usam tecnologias de voz”, afirmou Bob Darbelnet, diretor executivo da AAA. “Percebemos que falhas observadas nesses produtos, tidos como seguros, podem acidentalmente causar um nível maior de distração cognitiva.”

Os estudos mediram a distração cognitiva – ou seja, a carga de trabalho mental exigida para uma tarefa – em oposição à distração visual, que ocorre quando o motorista desvia os olhos da estrada, ou a distração física, quando procura seu celular ou penteia o cabelo. Os pesquisadores usaram veículos de teste especiais, monitores de ritmo cardíaco e outros equipamentos para medir a distração mental que os sistemas geraram.

Os sistemas foram classificados numa escala de cinco pontos, com o cinco representando aquele que mais gera distração.

O sistema MyLink da Chevrolet, que os pesquisadores testaram num Chevy Cruz Eco 2013, teve o pior resultado entre o seis sistemas testados. Ele chegou a gerar um nível de distração que alcançou 3,7 no protocolo de notas do estudo, comparado com a nota 2,45 no caso de um telefone celular de mão.

Publicidade

Desvios. Nem por isso o estudo recomenda o uso do celular de mão. “A principal tarefa é dirigir o carro. Coisas que desviam sua atenção o tornam um péssimo motorista”, disse o professor de psicologia da universidade de Utah David Strayer, que liderou o estudo.

As montadoras desconsideraram as conclusões, observando que a pesquisa não provou que a distração cognitiva leva a acidentes. Inversamente, atividades físicas, como pegar um telefone, escrever uma mensagem ou ler e-mails enquanto dirige levam à distração que provoca colisões.

Um estudo do Departamento de Segurança nas Estradas dos Estados Unidos divulgado no ano passado concluiu que a distração física e a visual triplicam o risco de acidentes.

PUBLICIDADE

Por isso a Chevrolet instalou um sistema de comando de voz e controles de direção em seus veículos, disse Annalisa Bluhm, porta-voz da GM. “Reconhecemos que as mãos na direção e os olhos na estrada são cruciais para conduzir um veículo com segurança”, afirmou ela.

Segundo a Toyota, o estudo não mostrou um elo entre a distração cognitiva e os acidentes com carros. “Os resultados, na verdade, informaram muito pouco sobre os benefícios relativos de sistemas embutidos no veículo frente aos sistema de mão; ou sobre a relação entre a carga cognitiva e os riscos de acidentes”, disse Mike Michels, porta-voz da Toyota. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.