PUBLICIDADE

‘Afrodescendente assim gosta de um batuque de um tambor’, diz Lula para jovem negra; veja vídeo

Lula disse que não sabia se mulher negra era ‘cantora’ ou ‘namorada de alguém’, mas destaca que jovem foi nomeada melhor aprendiz da Volkswagen e que vai representar o Brasil na Alemanha; Secom afirmou que presidente criticava perpetuação de estereótipos

Foto do author Juliano  Galisi
Por Juliano Galisi
Atualização:

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta sexta-feira, 2, que “afrodescendente gosta de um batuque de um tambor”. A declaração foi feita durante uma cerimônia na fábrica da Volkswagen, em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, em São Paulo.

PUBLICIDADE

No momento da fala, o presidente discursava sobre novos investimentos em educação e qualificação para a população jovem. Para exemplificar o tema, chamou ao seu lado uma jovem negra que acompanhava a solenidade do palco. Lula disse que, ao avistá-la inicialmente, não soube se a jovem era “cantora”, “namorada de alguém” ou mesmo “percussionista”, pois, segundo ele, “afrodescendente assim gosta de um batuque de um tambor”. Mas completou afirmando que ela não era nenhuma dessas coisas, e sim um destaque do evento: “a mais importante aprendiz dessa empresa”, disse Lula.

Procurada pelo Estadão para repercutir a declaração, a Secretaria de Comunicação Social afirmou que a fala de Lula “foi uma exemplificação do que são estereótipos para criticar sua perpetuação”. A reportagem também buscou contato com o Ministério da Igualdade Racial, mas não obteve retorno. O espaço segue à disposição.

Essa menina bonita que está aqui. Eu estava perguntando: o que faz essa moça sentada, que eu não ouvi ninguém falar o nome dela? Falei: ‘Ela é cantora, ela vai cantar’. Aí perguntei (e responderam): ‘Não, não vai ter música’. Então ela vai batucar alguma coisa. Porque uma afrodescendente assim gosta de um batuque de um tambor. Também não é. Aí eu falei: ‘Nossa, então ela é namorada de alguém”. Também não é. O que é essa moça? Essa moça foi premiada ano que vem como a mais importante aprendiz dessa empresa e ganhou um prêmio na Alemanha. É isso que nós queremos fazer para as pessoas nesse país

Luiz Inácio Lula da Silva, em evento no ABC paulista

De fato, Luiza Eduarda Leôncio, de 20 anos, não é cantora, nem estava na cerimônia por ser “namorada de alguém”. Ela é operadora especialista da Volkswagen e foi contemplada com o prêmio Apprentice Award 2023, uma honraria conferida ao melhor aprendiz da empresa.

A jovem estuda Engenharia de Instrumentação, Automação e Robótica na Universidade Federal do ABC (UFABC). Com o prêmio, Luiza foi contemplada com um intercâmbio cultural para a Alemanha e será a representante do Brasil em uma conferência da Volkswagen a ser realizada na cidade de Wolfsburg.

Após um interlúdio em que discursou sobre a nova bolsa para a permanência no ensino médio, Lula voltou a falar sobre a jovem e disse que, ao vê-la, questionou-se se ela queria namorar com ele. “Ela não quer, porque tem coisa melhor no mercado”, disse o presidente. “E ela não quer porque eu já tenho a Janja também”, acrescentou.

Em julho de 2023, Lula visitou Cabo Verde e, ao lado do presidente do País, expressou “profunda gratidão ao continente africano por tudo o que foi produzido durante 350 anos de escravidão” no Brasil. A declaração levou a um reforço na equipe que elabora os discursos do presidente e mobilizou o Ministério da Igualdade Racial, pasta comandada por Silvio Almeida, uma das maiores autoridades em estudos sobre racismo no País.

Publicidade

Almeida saiu em defesa do presidente. De acordo com o ministro, Lula quis afirmar que o Brasil tem uma dívida com a África. “O que o presidente Lula disse foi: ‘o Brasil tem uma dívida com África e ela tem que ser paga’. E por isso, o presidente tem insistido – e já falei com ele sobre isso – é que a agenda de direitos humanos com África envolve o chamado direito ao desenvolvimento”, argumentou o ministro à Coluna do Estadão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.