PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Opinião|Como a engenharia pode agir na prevenção de desastres climáticos

convidados

Em 2023, um novo recorde foi atingido relacionado à quantidade de eventos extremos. Além de ser registrado como o ano mais quente desde 1850, foram mapeados, pelo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), 1.161 desastres em todo o País como enchentes, deslizamentos e secas, atingindo mais de 5 milhões de brasileiros e com um prejuízo econômico de R$50,5 bilhões. Considerando esses dados, as mudanças climáticas deixaram de ser uma previsão de longo prazo e se tornaram uma realidade efetiva. Agora, o desafio é agir tanto preventivamente para evitar que o número destes eventos cresça nos próximos anos, como enfrentar as condições climáticas atuais.

PUBLICIDADE

Mas será que é possível antecipar cenários? Quando os problemas ambientais e socioeconômicos tornam-se recorrentes, precisamos nos adaptar. Por isso, o primeiro passo é planejar antecipadamente possíveis novos casos, e a engenharia bem aplicada é uma aliada fundamental para gerar previsões mais assertivas relacionadas às constantes e diferentes mudanças de clima em todas as regiões do Brasil. Este foi um dos pontos abordados durante o 5º Encontro Paulista de Engenharia Ambiental (EPEA) realizado pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de São Paulo (Crea-SP), no dia 31 de janeiro, que possibilitou o debate sobre ações da área tecnológica em meio aos desastres climáticos.

É um trabalho complexo que deve ser feito com multidisciplinaridade e ações a longo prazo, tanto no poder público como em empresas privadas. A cultura do imediatismo dificulta que os dois setores adotem uma abordagem preventiva, preferindo lidar com os riscos à medida que se materializam. Não seria melhor agir com planos de precaução, usando as novas tecnologias a favor de evitar a transformação da ameaça em uma certeza? Neste caso, entramos na pauta ESG, sigla em inglês para as práticas ambientais, sociais e de governança. Essas técnicas são importantes para garantir que os aspectos trabalhados pela área tecnológica em prevenção e mitigação dos eventos extremos, sejam estabelecidos de forma que garanta continuidade, independente de gestões e governos, trazendo mais uma ação da engenharia à tona: o monitoramento.

O gerenciamento e controle de riscos é capaz de impedir o acontecimento de novas tragédias, e a tecnologia pode e deve ser usada no mapeamento de dados e complexidade de previsões para traduzi-los em diretrizes governamentais. Sensoriamento remoto capaz de monitorar as mudanças ambientais e urbanas, satélites para localizar pontos de atenção, drones que conseguem adentrar em lugares de risco e modelos climáticos mais precisos, são algumas das ferramentas utilizadas hoje, além da possibilidade de usar algoritmos de inteligência artificial em pontos de interesse. É preciso ficar atento aos modelos de monitoramento que funcionam em países desenvolvidos para os adaptar às variações de clima existentes no Brasil.

O primeiro passo para seguir essa estratégia de planejamento nos setores público e privado é reconhecer o impacto que o clima tem em todo o ecossistema e nos sistemas sociais. As constantes mudanças atingem a fauna, a flora, e podem influenciar na disseminação de doenças e consequentes pandemias. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que 99% da população respira um ar que excede os limites de má qualidade recomendados, o que é um agravante à saúde. E a pesquisa continua indicando que grande parte dos mamíferos deverão ser forçados a deixar seus ambientes naturais em busca de climas mais amenos até 2070, aumentando o risco de transmissão viral entre as diferentes espécies, e o Brasil é um dos países de risco por conta do tamanho da sua biodiversidade. Por isso, priorizar o trabalho preventivo junto à incorporação de tecnologias inovadoras influencia não só na mudança cultural, como no fortalecimento do trabalho generalizado e especializado da área tecnológica em favor do enfrentamento às emergências climáticas.

Publicidade

Convidados deste artigo

Foto do autor Onara Lima
Onara Limasaiba mais
Foto do autor Felipe Dias
Felipe Diassaiba mais
Foto do autor Heline Laura de Sousa Martins
Heline Laura de Sousa Martinssaiba mais

Onara Lima
Engenheira ambiental, especialista em Sustentabilidade ESG
Conteúdo

As informações e opiniões formadas neste artigo são de responsabilidade única do autor.
Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Estadão.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.