PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

TCU arquiva pedido para suspender salário de Chiquinho Brazão na prisão

Ministros do Tribunal de Contas da União seguiram parecer da área técnica e rejeitaram representação do Ministério Público

Foto do author Rayssa Motta
Por Rayssa Motta

O Tribunal de Contas da União (TCU) arquivou o pedido do Ministério Público para suspender os salários do deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ) enquanto ele estiver preso.

Por unanimidade, os ministros concluíram que a representação não preencheu os “requisitos de admissibilidade”.

A decisão vai ao encontro do parecer da Secretaria-Geral de Controle Externo do TCU. A área técnica defendeu que cabe ao departamento pessoal da Câmara dos Deputados fazer o cálculo de eventuais descontos no salário de Chiquinho Brazão.

O deputado Chiquinho Brazão e seu irmão, o conselheiro do TCE do Rio, Domingos Brazão, foram presos suspeitos de mandar matar a vereadora Marielle Franco, assassinada em 2018. Foto: WILTON JUNIOR/ ESTADÃO

PUBLICIDADE

O deputado é suspeito de ser o mandante do assassinato da vereadora Marielle Franco e está preso preventivamente desde 24 de março, por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF).

Por ser deputado federal, a ordem de prisão precisou parecer pelo crivo do plenário da Câmara, que votou o caso na semana passada e manteve Chiquinho Brazão preso.

Publicidade

Ao acionar o TCU, o subprocurador Lucas Furtado defendeu que, uma vez preso, o deputado não tem condições de exercer o mandato e, por isso, deveria deixar de receber os salários e devolver eventuais valores pagos após sua prisão. “Entendo que resta prejudicado o exercício do cargo, devendo ser suspenso o pagamento da remuneração mensal do deputado federal.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.