PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Coluna do Estadão

| Por Roseann Kennedy

Roseann Kennedy traz os bastidores da política e da economia, com Eduardo Gayer e Augusto Tenório

Câmara: PT fica sem principal comissão na Câmara e escolhe Orçamento de 2025 como prioridade

Comissão de Constituição e Justiça deve ficar com o PL, como prevê acordo firmado em 2023

Foto do author Augusto Tenório
Por Augusto Tenório
Atualização:

O PT aceitou que ficará sem a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara em 2024 e agora foca em assumir a relatoria do Orçamento de 2025, além das comissões de Saúde e de Integração Nacional e Desenvolvimento Regional. Como mostrou o Estadão, o partido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva aventou permanecer no comando da CCJ e chegou a articular com o Centrão colocar um aliado no colegiado, mas por fim deve prevalecer o acordo firmado no ano passado com o PL, que quer comandar a comissão.

No ano passado, PT e PL chegaram a um entendimento nas negociações das presidências das comissões: o petista Rui Falcão (SP) ficou com a presidência da CCJ, enquanto o bolsonarista Luiz Carlos Motta (SP) assumiu a relatoria do Orçamento de 2024. Por esse acordo, os papéis agora se invertem: o PL fica com a CCJ e o PT com o Orçamento.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).  Foto: WILTON JUNIOR/ ESTADÃO

PUBLICIDADE

A nova rodada de negociações pelas presidências e composições das comissões já começou e deve ser finalizada até o início de março, quando os novos titulares assumem.

Como adiantou a Coluna do Estadão, o PT também trabalha para colocar um aliado, mesmo que de outro partido, no comando da Comissão de Segurança Pública, para blindar o novo ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.