PUBLICIDADE

Braga Netto compartilha convite a ato de Bolsonaro no Rio; ambos são investigados pela PF

General é apontado como articulador da trama golpista que planejava impedir a posse do presidente Lula após as eleições de 2022; se comparecer ao ato, Braga Netto não poderá se aproximar de Bolsonaro

Foto do author Julia Camim
Por Julia Camim
Atualização:

O general Walter Braga Netto, investigado pela Polícia Federal no âmbito da Operação Tempus Veritatis, que apura a tentativa de golpe de Estado após as eleições de 2022, compartilhou, nesta terça-feira, 16, um vídeo de convite ao ato convocado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) no Rio de Janeiro. O general não se manifestou sobre as investigações e ficou em silêncio durante depoimento à PF.

Braga Netto compartilha convocação ao ato de Bolsonaro no Rio de Janeiro. Foto: Reprodução/Instagram @braganetto_gen

Em perfil no Instagram, o ex-ministro da Casa Civil e candidato a vice na chapa de Bolsonaro adicionou aos stories (publicação com duração de até 24 horas) o vídeo feito pelo próprio ex-presidente. Nele, Bolsonaro diz que o ato, marcado para o próximo domingo, 21, em Copacabana, dará “continuidade” ao ato do dia 25 de fevereiro ocorrido na Avenida Paulista, em São Paulo.

PUBLICIDADE

De acordo com o ex-chefe do Executivo, será “um encontro pacífico, onde estaremos lutando pelo nosso Estado Democrático de Direito, pela liberdade de expressão, ou seja, pela democracia”. Ele ainda confirma a presença do pastor Silas Malafaia no ato e diz que o evento “é pelo Brasil, é para o nosso bem”. O governador Cláudio Castro (PL) e o deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ) também devem comparecer ao evento.

Braga Netto, que compartilhou o vídeo sem adicionar comentários, está proibido de manter contato com outros alvos da operação deflagrada em fevereiro, como Augusto Heleno, Anderson Torres, Valdemar Costa Neto, Paulo Sérgio Nogueira e Almir Garnier Santos. Por isso, caso compareça ao ato, deverá manter distância do ex-presidente.

As investigações apontam o general como um articulador da organização criminosa que ensaiou um golpe de Estado para impedir a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Segundo as apurações, ele teria liderado uma campanha que pressionava oficiais das Forças Armadas que rejeitaram o plano golpista.

Em mensagens de dezembro de 2022 obtidas pela PF, o ex-ministro diz que a “culpa pelo que está acontecendo e acontecerá é do general Freire Gomes”. Ele ainda chamou o comandante do Exército de “cagão” e orientou a “oferecer a cabeça dele”. Braga Netto também classificou Baptista Júnior como “traidor da pátria” e disse para “infernizar a vida dele e da família”.

A PF também apura se o general tentou captar oficiais das Forças Especiais do Exército, os chamados “Kids Pretos”, para a trama golpista. Segundo o inquérito, ele organizou uma reunião no apartamento dele, em Brasília, em novembro de 2022, para discutir o financiamento de hotel, alimentação e material para manifestantes bolsonaristas, incluindo militares.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.