PUBLICIDADE

Ibaneis Rocha, governador do DF, diz que tirou ‘soneca’ no 8 de janeiro

Em troca de mensagens com ex-senador, Ibaneis disse que dormiu depois receber mensagem tranquilizadora de Fernando de Souza Oliveira, número 2 da Secretaria de Segurança

Foto do author Isabella Alonso Panho
Por Isabella Alonso Panho

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), disse, em uma troca de mensagens com o empresário e ex-senador Luiz Estevão, que tirou uma “soneca” enquanto manifestantes golpistas invadiram e depredaram as sedes dos Três Poderes, em Brasília, no dia 8 de janeiro deste ano.

O governador recebeu às 14h23 uma mensagem de áudio do ex-secretário-executivo de Segurança Pública do Distrito Federal, Fernando de Souza Oliveira, dizendo que, ao meio-dia, “não havia nenhum informe de questão de agressividade” e que “tudo estava de forma ordeira e pacífica”. Minutos antes, os manifestantes radicais haviam rompido as barreiras de proteção dos prédios públicos.

Ibaneis Rocha ficou 65 dias afastado do cargo por ordem de Alexandre de Moraes Foto: WILTON JUNIOR

PUBLICIDADE

De acordo com a revista Veja, a troca de mensagens entre Ibaneis e Estevão ocorreu no final da tarde do dia 8 de janeiro. Os dois comentam o áudio enviado pelo número 2 de Secretaria de Segurança e o ex-senador diz que “o áudio é tão tranquilizador que, depois de ouvi-lo, dá para tirar uma soneca”. O governador responde: “Foi o que fiz”.

Depois disso, Ibaneis reclamou do serviço de inteligência da Polícia Federal (PF) e do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “Eles agora se colocam como vítima, como se não tivessem nenhuma responsabilidade.”

Extremistas invadiram e depredaram o prédio do Congresso Nacional em 8 de janeiro Foto: Eraldo Peres/AP

No mesmo dia das manifestações do 8 de janeiro, Ibaneis foi afastado do cargo por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Na época, o magistrado argumentou que havia “diversos e fortíssimos indícios apontam graves falhas na atuação dos órgãos de segurança pública do Distrito Federal, pelos quais é o responsável direto o governador”.

O celular do governador foi entregue à Polícia Federal para perícia. É desse relatório que constam as mensagens enviadas a Estevão. Ibaneis ficou 65 dias afastado e recuperou o cargo no dia 16 de março. Moraes autorizou o retorno.

O relatório final da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de Janeiro, apresentado pela senadora Eliziane Gama (PSD-MA) e a aprovado pelo colegiado, não pede o indiciamento do emedebista, mas afirma que ele agiu com “extrema negligência”. O texto afirma que ele não agiu com dolo.

Publicidade

Ibaneis é um dos indiciados na CPMI do 8 de janeiro, relatada pela senadora Eliziane Gama (dir.) Foto: WILTON JUNIOR

“Ibaneis Rocha, portanto, tinha pleno conhecimento do risco de atos violentos. Ignorou a situação preocupante que se desvelava no Distrito Federal, mormente com a chegada de inúmeros indivíduos em caravanas, com claro intuito de realizar atos violentos na capital federal”, disse Eliziane Gama no relatório.

O governador está incluído no inquérito do STF, que apura a responsabilidade de agentes públicos no 8 de janeiro. O processo é sigiloso e também está sob relatoria de Moraes. Ibaneis não foi denunciado até o momento. As primeiras denúncias e condenações são dos manifestantes que invadiram as sedes dos Três Poderes. Eles têm sido condenados a penas de até 17 anos de prisão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.