PUBLICIDADE

Lewandowski recebe cargo de ministro das mãos de Dino e dá posse à nova equipe

Novo ministro da Justiça nomeou seis mulheres para o segundo escalão da pasta, que é composto por 18 cargos; veja quem são

Foto do author Weslley Galzo
Por Weslley Galzo

BRASÍLIA – O ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, recebeu o cargo nesta quinta-feira, 1º, das mãos do antecessor, o senador e futuro ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Flávio Dino. O novo titular da pasta foi empossado mais cedo nesta quinta em cerimônia no Palácio do Planalto. A transmissão de cargo no Palácio da Justiça segue um rito protocolar, mas contou com discursos dos dois e o anúncio oficial da nova equipe que vai compor a pasta.

“Estou recebendo o bastão de Vossa Excelência, estamos no mesmo time, fazemos parte do mesmo governo e continuarei as políticas da sua excelente equipe. Não estamos fazendo uma transição. Estamos fazendo uma continuidade”, afirmou Lewandowski.

O ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, abraça o antecessor, Flávio Dino, no Palácio do Planalto Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

PUBLICIDADE

Dino atuará até o dia 7 de fevereiro como senador, cargo para o qual foi eleito em 2022. O ex-ministro vai apresentar cinco projetos de lei neste período. No dia 22 do mesmo mês, está marcada a sua posse no STF, quando deverá romper os laços com o governo Lula e a política.

Lewandowski afirmou que a nova equipe da Justiça deverá ter em mente que são “servidores do povo brasileiro” e que a missão do órgão está descrita na Constituição. O ministro manteve seis secretários nomeados pelo antecessor no segundo escalão da pasta, além de assessores especiais e diretores de entidades que foram mantidos nos cargos.

O ministro da Justiça promoveu a advogada Sheila Carvalho do cargo de assessora especial para secretária de Acesso à Justiça e remanejou Marivaldo Pereira dessa área para o cargo de adjunto da Secretaria Executiva, que ficará sob o comando de Manoel Carlos de Almeida. Outros nomes, como Mário Sarrubbo na Secretaria de Segurança Pública, já haviam sido anunciados.

A despeito da campanha mobilizada pela primeira-dama Rosângela Silva, a Janja, para que a representação feminina aumentasse no Ministério da Justiça, Lewandowski nomeou apenas seis mulheres. O segundo escalão da pasta é composto por 18 cargos, entre secretários, assessores especiais, chefe de gabinete e diretores-gerais das Polícias Federal e Rodoviária Federal.

Confira a nova equipe do Ministério da Justiça

  • Ana Maria Neves - Chefe de Gabinete
  • Manoel Carlos de Almeida Neto - Secretário-Executivo
  • Marivaldo Pereira - Secretário-Executivo Adjunto
  • Jean Uema - Secretário Nacional de Justiça
  • Mario Sarrubbo - Secretário Nacional de Segurança Pública
  • Wadih Damous - Secretário Nacional do Consumidor
  • André Garcia - Secretário Nacional de Políticas Penais
  • Marta Rodrigues de Assis Machado - Secretária Nacional de Política sobre Drogas e Gestão de Ativos
  • Elias Vaz - Secretaria Nacional de Assuntos Legislativos
  • Sheila de Carvalho - Secretária de Acesso à Justiça
  • Estela Aranha - Secretária de Direitos Digitais
  • Andrei Augusto Passos Rodrigues - Diretor-Geral da Polícia Federal
  • Antônio Fernando Oliveira - Diretor-Geral da Polícia Rodoviária Federal

Publicidade

Assessores Especiais:

  • Tamires Sampaio (Coord. Programa Nacional de Segurança Pública)
  • Elizeu Soares Lopes (Coord. Participação Social e Diversidade)
  • Lilian Manoela Melo
  • Marcelo Pimentel de Oliveira
  • Marco Antônio Riechelmann
O novo ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, ao lado do antecessor Flávio Dino Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Dino diz ter traços em comum com Lewandowski

Na cerimônia, Dino disse compartilhar “traços em comum” com Lewandowski. O ex-ministro fez uma série de elogios às credenciais do sucessor e disse que ambos compartilham do “patriotismo autêntico”, que foi descrito por ele como a defesa da soberania dos mais pobres. O agora senador e futuro membro do STF ainda afirmou que o Ministério da Justiça faz a defesa da democracia.

“Sé há democracia quando há justiça social. Só há democracia quando há oportunidade para todos”, disse Dino. “Só se tem serviço social com Estado forte e serviço público forte”, defendeu o senador que vestirá a toga de ministro do STF.

PUBLICIDADE

Mais cedo na solenidade de posse realizada no Palácio do Planalto, Lewandowski afirmou que a segurança pública será a prioridade da sua gestão e que pretende “aprofundar as alianças com Estados e municípios” na área.

“O combate à criminalidade e à violência, para ter êxito, precisa ir além de uma permanente e enérgica repressão policial”, disse Lewandowski. “É preciso superar a fragmentação federativa e estabelecer um esforço nacional conjunto para neutralizar as lideranças das organizações criminosas e confiscar seus ativos, porque elas não podem sobreviver sem recursos para custear seus soldados e suas operações”, destacou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.