Lula confirma Ministério para Micro e Pequena Empresa, chave para entrada do Centrão no governo

Presidente poderá remanejar aliados com a criação de nova pasta; Republicanos e PP vão ganhar espaço na Esplanada

PUBLICIDADE

Foto do author Caio Spechoto
Por Caio Spechoto (Broadcast)
Atualização:

BRASÍLIA – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu nesta terça-feira, 29, pela primeira vez, criar o Ministério da Micro e Pequena Empresa. A nova pasta será chave na reforma ministerial negociada pelo petista para incluir o Centrão no governo.

PUBLICIDADE

“Estou propondo a criação do Ministério da Pequena e Média Empresa, das Cooperativas e dos Empreendedores Individuais, para que tenha um ministério específico para cuidar dessa gente que precisa de crédito e de oportunidade”, declarou Lula, durante o programa Conversa com o Presidente, produzido pela EBC. A produção é uma espécie de live de Lula, veiculada toda terça-feira de manhã.

A nova pasta não necessariamente interessará ao Centrão, mas possibilitará a Lula remanejar um aliado para o posto e abrir espaço em um ministério mais poderoso. Se for criado, será o 38º ministério do governo Lula.

Presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante live nesta terça-feira, 29 Foto: Reprodução/Canal Lula

Já está certo que André Fufuca (PP-MA) e Silvio Costa Filho (Republicanos-PE) serão ministros, mas falta definir quais pastas eles comandarão. O mais provável é que Costa Filho assuma Portos e Aeroportos no lugar de Márcio França. O PP quer colocar Fufuca no Ministério do Desenvolvimento Social.

As conversas sobre a entrada do Centrão no governo já se estendem há meses e passou por sucessivos adiamentos. Como mostrou a Coluna do Estadão, uma ala do PT defendia criação de mais um ministério para abrigar Centrão além da pasta para micro e pequena empresas.

Há a expectativa de Lula definir o caso ainda nesta semana, até quarta-feira. Na quinta, 31, ele viaja. É pouco provável que a reforma ministerial tenha algum anúncio caso o presidente não esteja em Brasília.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.