PUBLICIDADE

PF mira prefeitura de irmã de ministro de Lula por suspeita de desvios na saúde com uso de emendas

Luanna Rezende é prefeita de Vitorino Freire e já foi afastada do cargo no âmbito de outra investigação em 2023; ‘Estadão’ tenta contato com a prefeitura da cidade, mas ainda não obteve retorno

PUBLICIDADE

Foto do author Julia Camim
Por Julia Camim

A prefeitura de Vitorino Freire, no Maranhão, comandada por Luanna Rezende (União), irmã do ministro das Comunicações, Juscelino Filho, foi alvo de operação da Polícia Federal (PF) na manhã desta quinta-feira, 18, por supostos desvios de recursos públicos destinados à área da saúde. Segundo as investigações, uma organização criminosa agia para obter aumento dos repasses federais oriundos de emendas parlamentares.

PUBLICIDADE

A Operação Hygeia identificou que o grupo atuava inserindo dados falsos em sistemas do Ministério da Saúde. Apenas em 2021, foram registradas 800,5 mil consultas e o valor da produção ambulatorial chegou a R$ 1.057,00 per capita, sendo que a média nacional foi de R$ 164,77 no mesmo período. O Estadão tenta contato com a prefeitura da cidade, mas ainda não obteve retorno.

De acordo com uma auditoria realizada pela Controladoria Geral da União (CGU), a maior parte dos valores das emendas era destinada a um contrato fraudulento estabelecido por um empresário e um servidor da Secretaria Municipal da Saúde do município. O acordo dizia respeito ao fornecimento de mão de obra médica e a fraude, segundo a PF, tinha o objetivo de “promover a frustração do caráter competitivo de certame” e superfaturar os serviços.

Prefeitura de Vitorino Freire (MA) é investigada por contrato fraudulento de mão de obra médica. Foto: Kayo Sousa/Ministério das Comunicações

No âmbito da apuração da prática dos crimes de inserção de dados falsos em sistema de informação, fraude em licitação, superfaturamento contratual e peculato, a Justiça Federal determinou o bloqueio dos bens e valores dos investigados em até R$ 4,6 milhões. Ainda, suspendeu o exercício da função pública do servidor e o direito de participação de licitações do empresário. Agora, a PF dará prosseguimento à operação com base nos materiais apreendidos nesta etapa da investigação.

A prefeita do município, Luanna Rezende, foi alvo de outra operação da PF, em setembro ao ano passado, que investigava supostos desvios de verbas federais da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). À época, ela foi afastada do cargo, mas a decisão foi derrubada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.