PUBLICIDADE

Tribunal de Contas do Rio nomeia substituto de Domingos Brazão, suspeito de mandar matar Marielle

Conselheiro é apontado como um dos mandantes do assassinato da vereadora do Rio. Deputado federal Chiquinho Brazão e delegado Rivaldo Barbosa também foram presos; os três negam participação no crime

Foto do author Julia Camim
Por Julia Camim

O Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) convocou nesta quarta-feira, 27, Christiano Lacerda Ghuerren como conselheiro substituto para atuar no lugar de Domingos Brazão por tempo indeterminado. Brazão está preso preventivamente pela suspeita de ter mandado assassinar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, em março de 2018.

O conselheiro substituto tomou posse em 2018 e atua quando algum conselheiro precisa se ausentar, normalmente em caso de férias ou licença. É a segunda vez que Domingos Brazão será substituído no cargo. Em 2017, na Operação Quinto do Ouro, desdobramento Operação Lava Jato, ele foi detido por suspeita de corrupção e fraude. Na época, mais quatro conselheiros do TCE-RJ também foram presos após delações de acusados de lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Domingos Brazão é preso por suposto envolvimento na morte da vereadora Marielle Franco Foto: Wilton Júnior/Estadão

Solto após uma semana, o conselheiro ficou afastado de suas funções por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas continuou recebendo salário. Ele apenas retornou ao cargo em maio de 2023, quando o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Kassio Nunes Marques alegou que não havia mais motivos para o afastamento.

PUBLICIDADE

No último domingo, 24, a Operação Murder Inc., deflagrada por Polícia Federal (PF), Procuradoria-Geral da República (PGR) e Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), prendeu Domingos, o irmão dele, deputado federal Chiquinho Brazão (sem partido-RJ), e o delegado Rivaldo Barbosa, que era o chefe da Polícia Civil do Rio no dia em que Marielle foi executada. Os três são acusados de serem os “autores intelectuais” do assassinato.

A operação foi deflagrada dias depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) homologar a delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, apontado como o executor do crime. Também são apurados supostos crimes de organização criminosa e obstrução de justiça. Os três suspeitos negam participação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.