Justiça de SP manda a júri popular 14 PMs da Rota acusados de executar suspeitos em 2015

Réus respondem em liberdade à acusação de homicídio doloso e fraude processual; data de julgamento ainda será marcada

Por Leonardo Zvarick
Atualização:

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) decidiu levar a júri popular 14 policiais militares das Rondas Ostensivas Tobias Aguiar (Rota), acusados de executarem a tiros dois suspeitos na zona norte da capital em 2015.

A decisão é de 8 de abril de 2024. A data do júri, porém, ainda não foi marcada. O processo está em fase de recursos e segue em sigilo.

As Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) são a tropa de elite da Polícia Militar Foto: Dênis Bonelli/SSP

PUBLICIDADE

Os réus respondem em liberdade à acusação de homicídio doloso (quando há intenção de matar) e fraude processual, já que teriam forjado troca de tiros com os suspeitos mortos, segundo denúncia do Ministério Público Estadual (MP-SP).

As vítimas Hebert Lúcio Rodrigues Pessoa e Weberson dos Santos Oliveira foram mortas com 16 disparos em agosto de 2015. Na época, os policiais alegaram que houve perseguição e troca de tiros com os suspeitos. A investigação, no entanto, mostrou uma série de inconsistências na versão dos PMs.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.