PUBLICIDADE

Último jardim vertical do Minhocão é danificado em incêndio; veja vídeo

Fogo foi extinto e não há feridos; painel verde foi criado há oito anos e é único remanescente do antigo corredor verde do elevado do centro de São Paulo

Foto do author Priscila Mengue
Por Priscila Mengue e Tiago Queiroz

O último jardim vertical restante do corredor verde do Minhocão foi atingido por um incêndio nesta quinta-feira, 24, no centro da cidade de São Paulo. O fogo foi extinto e não há registros de feridos.

PUBLICIDADE

O painel artístico está na fachada lateral do Edifício Santa Cruz há oito anos, implantado durante uma parceria que envolveu artistas e a Prefeitura. Ao todo, sete prédios do Elevado Presidente João Goulart chegaram a receber intervenções verdes.

O Estadão apurou que o fogo começou quando três pessoas trabalhavam na recuperação da estrutura do jardim vertical. Ainda não há informações sobre a causa do incêndio. Duas viaturas do Corpo de Bombeiros foram enviadas ao local, com a extinção do fogo pela tarde.

Jardim vertical pegou fogo nesta quinta-feira, 24, nas imediações do Minhocão Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Ao menos outros dois incêndios chamaram a atenção na cidade nas últimas 24 horas, em meio a uma onda de calor recorde. O Parque do Carmo teve parte da vegetação atingida por horas desde a noite de quarta-feira, 23, na zona leste. Outro incêndio atingiu duas torres de resfriamento do Instituto do Coração (InCor), no centro expandido. Não há registro de feridos.

No jardim vertical, a vegetação da fachada lateral estava seca há cerca de um mês, após um problema na bomba de irrigação. Segundo a síndica do prédio, Dinah Moreira Allen, o condomínio vai aguardar uma perícia e ainda decidirá o que fará com o jardim. Ela afirmou que o fogo não impactou no edifício e que os moradores dos apartamentos sequer perceberam o que ocorria.

A empena verde do edifício passou por um restauro recente, com o apoio de um patrocinador privado. O Santa Cruz é o condomínio que mais se posicionou favoravelmente à manutenção da fachada verde ao longo dos anos, destacando benefícios citados por moradores, como a melhoria no bem-estar, o aumento na presença de aves e a redução da temperatura e da poluição sonora em parte dos apartamentos.

Em 2022, quando procurada pela Prefeitura sobre uma eventual remoção após o fim do termo de cooperação, a síndica levou a questão a uma reunião com os condôminos, na qual se decidiu pela busca de um possível patrocinador. Uma moradora conseguiu o apoio de uma marca de cerveja, para o conserto da bomba de irrigação, a recuperação do jardim e a manutenção por dois anos.

Publicidade

Jardim fica em prédio na Rua Sebastião Pereira Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Como o Estadão contou, a Prefeitura gastou quase R$ 2 milhões para a retirada das demais seis intervenções verdes desde 2020, após o encerramento dos termos de cooperação com os condomínios. A remoção marcou o fracasso de um projeto que estimava chegar a 40 intervenções, mas que enfrentou problemas e foi enfraquecido nas últimas gestões municipais.

O Minhocão chegou a ter sete jardins verticais, com 3,5 mil m² de área verde e design elaborado por artistas visuais, instalados entre 2015 e 2016. O corredor verde foi criado com R$ 4 milhões, em valores não corrigidos.

Quatro jardins foram retirados em 2020, por mais de R$ 1 milhão, após parte dos condomínios entrar na Justiça e reclamar da falta de apoio público para as despesas de manutenção, água e energia. Os demais tiveram a remoção definida pela gestão Ricardo Nunes (MDB) em 2022, por R$ 657,2 mil.

Imagem de como era a aparência do jardim vertical atingido pelo fogo Foto: Google Street View/Reprodução
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.