PUBLICIDADE

Centenária e moderninha: Academia Brasileira de Letras entra no TikTok

A ABL, que está completando 126 anos, estreia perfil na rede social famosa entre o público jovem e quer ensinar história de uma forma descontraída

Por Camila Pessôa
Atualização:

O “rolê da galera”, que inclui nomes como Machado de Assis, Olavo Bilac e Joaquim Nabuco, começou nas confeitarias do Rio de Janeiro do século 19, mas hoje habita um ambiente mais moderno e cheio de jovens: o TikTok. É resumidamente assim que a Academia Brasileira de Letras (ABL) vem contar a sua história, em vídeo de estreia na rede social. A entrada no TikTok nesta sexta, 22, é uma das comemorações do aniversário de 126 anos da ABL, comemorado na quinta, 20.

E não só houve abertura desse canal de comunicação, como também anúncio de uma parceria com a rede. O objetivo é amplificar os conteúdos, que vão incluir a divulgação de novidades e demonstração da importância da academia para a preservação da língua e literatura brasileiras.

PUBLICIDADE

“O TikTok pode aproximar a ABL de um público que ainda não a conhece, basicamente os jovens, criando conteúdos interessantes para este nicho. Ao mesmo tempo, pode provocar a ABL a criar novas linguagens e formas de comunicação” justificou o presidente da ABL, Merval Pereira, em nota.

A parceria com a plataforma, ligada a um maior investimento do TikTok em conteúdos voltados à educação, busca atingir um público que procura a rede não apenas para lazer, como explica Klécio Santos, CEO da Agência in.Pacto, uma das responsáveis pela comunicação digital da ABL, também em nota. “A hashtag #aprendanotiktok já conta com mais de 100 milhões de views. A ideia é que a ABL também se torne referência como um meio de cultura, de conhecimento e de estudo para as novas gerações”, destacou na nota.

Neste sábado, 22, pela manhã, o perfil da ABL no TikTok (@abletras) contava com 78 seguidores e 157 curtidas, com três vídeos publicados: um de apresentação, um com a história da academia e outro de explicação do que faz a academia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.