Alok lança ‘O Futuro É Ancestral’, disco com representantes de oito etnias indígenas; ouça

Álbum foi lançado nesta sexta-feira, 19, para celebrar o Dia Internacional dos Povos Indígenas; ‘Antes do Brasil da coroa, existiu o Brasil do cocar’, declama Célia Xakriabá em faixa-manifesto

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O DJ e produtor Alok lançou nesta sexta-feira, 19, seu primeiro álbum de estúdio, intitulado O Futuro é Ancestral. O trabalho, que chega ao mundo no Dia Internacional dos Povos Indígenas, promove o encontro entre música eletrônica, pop e cantos entoados por representantes de oito etnias.

“Nossa colaboração com Alok permitiu gravar e atualizar nossa música, garantindo sua passagem entre gerações para os povos indígenas e também não indígenas”, fala Rasu Yawanawa, um dos artistas que integra o trabalho.

Alok nas gravações de 'O Futuro É Ancestral' Foto: Reprodução/@alok via Instagram

Segundo a equipe do artista, os royalties do álbum serão revertidos aos músicos indígenas.

O álbum conta com a participação da Deputada Federal Célia Xakriabá. “Nós estamos sendo sufocadas pelo Congresso Nacional / antes do Brasil da coroa, existe o Brasil do cocar / o futuro é ancestral”, entoa a ativista na música Manifesto O Futuro É Ancestral.

O projeto envolveu mais de 50 músicos para dar voz e corpo às oito faixas. Estão presentes músicos das etnias Huni Kuin, Yawanawa, Kariri Xocó, Guarani Mbyá, Xakriabá, Guarani-Kaiowá, Kaingang e Guarani Nhandewa e uma nona faixa Remix, resultado da coprodução entre Alok e Maz para a música Sina Vaishu.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.