PUBLICIDADE

Zélia Duncan revela por que Rita Lee rompeu amizade entre as duas: ‘Dói até hoje’

Cantora relembrou afastamento que nunca foi resolvido: ‘A vida se impõe’, disse

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A cantora Zélia Duncan, que assinou e gravou a canção Pagu com Rita Lee, revelou por que a amizade entre as duas chegou ao fim em 2006. Em entrevista para Tati Bernardi, no canal Universa, Duncan contou que tudo se deu devido à entrada dela nos Mutantes – lugar anteriormente ocupado por Rita.

Rita Lee e Zélia Duncan cantam 'Pagu' Foto: Reprodução/MTV

PUBLICIDADE

“Jamais desejei cantar nos Mutantes. Não sou louca. Olha a minha voz, olha a voz da Rita, uma grave, outra aguda”, contou. “Ele [Sérgio Dias] me convidou para cantar com a banda em Los Angeles, Nova York e São Francisco. Fiquei desesperada. Convidaram a Rita, ela não quis. E estavam procurando uma cantora”.

Zélia disse que, quando esse convite aconteceu, ela imediatamente ligou para Rita. “Peguei o telefone, ela atendeu. Eu disse: ‘Rita, recebi esse convite, mas quero saber como é para você. Porque se for estranho para você, realmente eu não vou’. Ela esperou uns três segundos e falou essas palavras: ‘Vai, você vai se divertir com os manos’”, relembrou.

“Eu até pensei: que legal ela falar assim, ‘com os manos’, porque eu sei que, com motivo e razão, ela teve uma mágoa com eles lá nos anos 70. Mas a Rita é a rainha do Brasil, do pop brasileiro. Ela abriu todos os caminhos, é uma luz na vida da gente. Tudo que ela fez, ela revolucionou. Tudo ela fez em altíssimo nível. E assim foi. Ela falou ‘vai’, e eu fui. Alguns meses depois, ela foi sumindo, sumindo, e sumiu de mim. Parou [de falar comigo]. Tentei [procurá-la], até um certo ponto, óbvio que respeitei”.

Na entrevista, Zélia reforçou que “realmente achava” que havia uma amizade entre ela e Rita. “Nós fizemos Pagu juntas, uma música que muito me orgulha. Cantei com a Rita várias vezes em shows dela, e para mim, era uma imensa honra. E a gente se falava, passamos um monte de coisas legais”, disse.

“Eu conheci a Rita quando gravei o Lá vou eu. Quando teve o Prêmio da Música Brasileira, ela era homenageada, e ela me chamou para cantar. Dali cantei em vários lugares com ela, em outras cidades. E a Rita foi o meu primeiro ídolo. Com 12 anos, pedi para a minha mãe o primeiro vinil, que era ‘Fruto Proibido’”.

Por fim, ela ressaltou que o afastamento “doeu e dói até hoje” – mas aconteceu com vários amigos da ex-Mutante. “Tem muitos amigos da Rita que perderam o contato com ela. Era dela, ela quis ficar mais com a família e com outros amigos, ela tem todo o direito”, disse.

Publicidade

“A vida se impõe, e eu vou prestar homenagem para a Rita até eu morrer. Curada essa dor na coisa mais aguda dela, o que fica é a menina de 12 anos que pediu para mãe o primeiro vinil, e esse vinil era Fruto Proibido. E ela vai ser sempre para mim o que ela sempre foi como artista e como mulher. Lamento imensamente, eu até queria fazer com ela a resposta para a Pagu. Ficam as músicas. Sou muito tranquila em relação ao que eu podia fazer. Acho que fui amiga dela até quando ela permitiu”, finalizou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.