PUBLICIDADE

Paulo Cesar Pereio, ícone do cinema brasileiro, morre aos 83 anos

Ator, com vasta carreira nas telas e palcos, era um dos residentes do Retiro dos Artistas

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O ator Paulo César Pereio morreu neste domingo, 12, aos 83 anos de idade. Stepan Nercessian, presidente do Retiro dos Artistas, onde Paulo Cesar vivia desde o ano de 2020, lamentou a perda no Instagram: “Adeus, Pereio. Te amo. Sempre”.

Paulo Cesar Pereio Foto: Silvana Garzaro

Paulo Cesar Pereio e o cinema

Nascido em Alegrete, no Rio Grande do Sul, em 1940, ele ficou conhecido por seu trabalho como ator, que desempenhou desde a juventude, tendo trabalhado em diversos papéis no cinema, televisão e teatro.

Versátil, viveu o protagonista de um drama político em O Bravo Guerreiro (1968), o caminhoneiro Tião Brasil Grande, em Iracema, Uma Transa Amazônica (1975), e contracenou com Sônia Braga em Eu Te Amo (1980), longa de Arnaldo Jabor, com quem trabalhou diversas vezes ao longo dos anos. “Ao me eleger para protagonizar o filme com Sônia, Jabor mostrou que me ama”, dizia, à época.

Paulo Cesar Pereio ao lado de Fernanda Torres em bastidores de teatro Foto: Tiago Queiroz/Estadão

PUBLICIDADE

Entre seus trabalhos, ainda há filmes como Bang Bang (1970), As Aventuras Formosas de um Padeiro (1975), A Lira do Delírio (1977), Chuvas de Verão (1978), Noite (1985), Harmada (2003) Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia (1974), Rio Babilônia (1983), Dias Melhores Virão (1989), Nossa Vida Não Cabe Num Opala (2008).

Ao longo da carreira, recebeu diversas indicações e prêmios no Festival de Cinema de Gramado, tendo sido o principal homenageado da edição de 2010, quando levou um Troféu Oscarito.

Paulo Cesar Pereio (de camisa laranja) durante ensaio de 'Hamlet', uma peça para adultos feita por crianças, em setembro de 2018, da qual participava, com direção de Elisa Ohtake Foto: Nilton Fukuda/Estadão

Paulo Cesar Pereio na TV

Na TV, esteve no elenco de novelas como Gabriela (1975), Roque Santeiro (1985), Anos Dourados (1986) O Salvador da Pátria (1989), A Viagem (1994), Duas Caras (2007), e séries como Anos Dourados (1986), Presença de Anita (2001) e Amazônia, de Galvez a Chico Mendes (2007). Um de seus trabalhos mais recentes se deu na novela Jesus (2018), na Record TV.

Publicidade

Em entrevista ao documentário Tá Rindo De Quê? (2019), sobre o humor nos tempos da ditadura, Pereio comentava: “A obra de arte que não corrompe não me interessa. Eu acho que a primeira função da arte é a corrupção.”

“Tem que corromper. Eu sou um corrupto ativo, não sou passivo. Corromper os outros é o que eu mais quero na vida. E digo isso como artista, e representante da arte mais saudável. A melhor [arte] que existe é a que corrompe”, explicava.

Paulo Cesar Pereio foi casado e teve filhos

Pereio foi casado com as atrizes Neila Tavares, durante a década de 1970, e Cissa Guimarães, com quem permaneceu até o ano de 1990. Com a primeira, teve uma filha, Lara. No relacionamento seguinte, teve Tomás e João Velho (também ator). Ele ainda se casaria com Suzana César de Andrade posteriormente, tendo seu quarto filho, Gabriel.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.