China: Banqueiro desaparecido havia quase um ano renuncia a cargo de CEO após investigação

China Renaissance afirma que o banqueiro renunciou por ‘razões de saúde e para dedicar mais tempo aos seus assuntos familiares’; quando Bao desapareceu, empresa disse que ele estava cooperando com uma investigação realizada pelas autoridades na China

PUBLICIDADE

Por Claire Fu
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - Depois de desaparecer há quase um ano como parte de uma investigação das autoridades chinesas, o proeminente banqueiro de investimentos Bao Fan renunciou ao cargo de presidente e CEO da China Renaissance Holdings, informou a empresa na última sexta-feira, 2.

PUBLICIDADE

Bao, um banqueiro de negociações para os gigantes chineses da internet Alibaba e Tencent, desapareceu em fevereiro do ano passado. A China Renaissance inicialmente disse que tinha perdido contato com Bao, antes de declarar mais tarde que ele estava cooperando com uma investigação realizada pelas autoridades na China.

O desaparecimento de Bao sinalizou uma escalada na repressão de Pequim à elite empresarial como parte de uma campanha anticorrupção. Isso alimentou preocupações sobre até que ponto as autoridades chinesas iriam para controlar poderosos atores da economia doméstica, ao mesmo tempo em que ampliam o seu controle sobre o seu sistema regulatório financeiro.

Em um documento apresentado à Bolsa de Valores de Hong Kong, a China Renaissance disse que Bao estava deixando o cargo por “razões de saúde e para dedicar mais tempo aos seus assuntos familiares”. A empresa não explicou a natureza da investigação sob a qual Bao estava.

Bao Fan, em foto de 2014; após desaparecer em 2023, a China Renaissance afirmou no dia 2 de fevereiro que ele renunciou aos cargos de presidente e CEO.  Foto: Adam Dean/The New York Times

Ser chamado “para tomar chá”

Além de renunciar ao cargo de CEO, a empresa disse que Bao também renunciou ao conselho de administração da empresa.

“O Sr. Bao confirmou que não tem qualquer discordância com o conselho e não há nenhum outro assunto relacionado com a sua renúncia que deva ser levado ao conhecimento dos acionistas da empresa”, disse a China Renaissance.

Bao era um banqueiro bem relacionado no Morgan Stanley e no Credit Suisse antes de fundar, em 2004, a China Renaissance, que investiu em muitas das empresas de tecnologia mais bem-sucedidas do país e as ajudou a abrir o capital em Hong Kong e Nova Iorque

Publicidade

Xie Yijing, que atuou como CEO interino durante a ausência de Bao, foi nomeado presidente e designado chefe permanente da China Renaissance, de acordo com o documento.

Antes do desaparecimento de Bao, Cong Lin, outro executivo da China Renaissance, foi detido em 2022 pelas autoridades como parte de uma investigação sobre as suas negociações antes de ingressar na empresa.

A China tem tido como alvo empresas financeiras como parte do seu esforço para controlar empresas e executivos em nome do fortalecimento da segurança nacional. No último ano, as autoridades chinesas visaram e realizaram operações em várias empresas de consultoria com vínculos estrangeiros. Em novembro, o Ministério da Segurança do Estado da China afirmou ser um “guardião firme da segurança financeira”.

No dia 30 de janeiro, em um artigo na página do WeChat do ministério, intitulado “Dez xícaras de chá” – uma referência ao fato de ser chamado “para tomar chá” como um eufemismo para ser questionado – a agência expôs 10 ações que levantariam suspeitas sob a lei de contraespionagem da China.

Uma revisão da lei no ano passado ampliou a definição do que constitui espionagem, alimentando preocupações de que trabalhadores de empresas estrangeiras pudessem ser detidos por participarem de atividades de negócios normais, como coletar informações sobre setores e concorrentes.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.