EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Jornalista e comentarista de economia

Opinião|Exuberância das contas externas

Apesar do problema fiscal ainda persistir, os resultados das contas externas, especialmente da balança comercial, confere uma tranquilidade extra para o desempenho da economia brasileira

PUBLICIDADE

Foto do author Celso Ming
Atualização:

Quando a saúde vai bem, ninguém nota. Alguém por acaso se preocupa com os pulmões se a respiração é boa? Assim, também, na economia.

PUBLICIDADE

As contas externas são o caso do momento. As grandes crises dos anos 1970 e 1980 impuseram grande impacto negativo no balanço de pagamentos. Não havia moeda estrangeira para honrar as contas lá fora, o País quebrou em dólares, foram as crises da dívida externa, um pandemônio.

Mas, agora, o balanço de pagamentos está uma beleza, os pulmões da economia funcionando, sobram dólares, as reservas correspondem a 16 meses de importação. Ao contrário do que acontece na Argentina, ninguém por aqui se preocupa com a dívida externa.

A balança comercial, na qual ficam registradas exportações e importações, teve um enorme superávit no ano passado, de US$ 80,5 bilhões, graças ao vigor das exportações que avançaram 1,2% no ano, para US$ 344 bilhões – as mais altas da história, e, em parte, ao recuo de 10,9% das importações. Foi excelente ano para as vendas externas de commodities (soja, milho, petróleo e minério de ferro). Por trás do sucesso está a enorme demanda por commodities brasileiras acionada pela China.

Publicidade

A conta de Serviços, em que são contabilizados transportes, aluguéis, seguros, viagens, tiveram um déficit de US$ 37,6 bilhões, recuo anual de 5,1%. A outra conta, Renda Primária (dividendos e juros), apresentou déficit de US$ 72,4 bilhões.

Ou seja, as Contas Correntes (que registram entrada e saída de dólares com mercadorias, serviços e rendas) foram negativas em US$ 28,6 bilhões, ou 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB), largamente compensadas pela entrada de capitais.

Nesse item, a maior decepção foi a da entrada líquida de investimentos estrangeiros. Os Investimentos Diretos no País somaram apenas US$ 61,9 bilhões, queda de 17% em relação a 2022, quando o total chegou a US$ 74,6 bilhões. No início de 2023, a expectativa era a de que seriam US$ 80 bilhões.

Em parte, essa frustração pode ser explicada pelo início do ciclo de redução dos juros e, portanto, da redução da diferença entre juros internos e externos, que desestimulou a entrada de capitais de curto prazo.

Segundo dados do Banco Central, entre os principais motivos para o recuo do déficit das transações corrente da balança de pagamento do País se deu pelo enorme superávit no ano passado, de US$ 80,5 bilhões, graças ao avanço das exportações, que atingiram US$ 344 bilhões – as mais altas da história.  Foto: Anderson Coelho/Estadão

Mas a exuberância das contas externas, especialmente da balança comercial, confere uma tranquilidade extra para o desempenho da economia.

Publicidade

Uma observação final: as crises das décadas de 1970 e 1980 se manifestaram mais duramente como escassez de moeda estrangeira (fuga de dólares), mas o problema de fundo era fiscal: incapacidade de pagar as contas públicas, preponderantemente em moeda estrangeira. Hoje, o problema fiscal continua aí, mas a maior parte do rombo está em moeda nacional.

Opinião por Celso Ming

Comentarista de Economia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.