PUBLICIDADE

Conheça Rope Daddy, o ‘cachorro mais caro do mundo’

Avaliado em R$ 604 mil, o Bulldog Francês tem uma dieta que inclui iogurte grego e uma seleção exclusiva de suplementos

Por Larissa Godoy

Rope Daddy se destaca no mundo canino, não apenas por suas características físicas únicas, mas também pelo seu valor extraordinário. Este bulldog francês não é um pet comum. Com um valor estimado em 95 mil libras esterlinas (cerca de R$ 608,6 mil), ele entra na categoria de “o cão mais valioso do mundo”. As informação são do The Sun.

Rope Daddy, o cachorro mais caro do mundo Foto: @leanbullz_julian via Instagram

Julian Montoya, o tutor de Rope Daddy, desembolsa 275 libras esterlinas por mês (aproximadamente R$ 1.761) apenas em sua dieta, que inclui itens de luxo como iogurte grego e uma seleção exclusiva de suplementos. Esses cuidados especiais fazem de Rope Daddy um verdadeiro ícone entre os bulldogs franceses, destacando-se não só pelo aspecto físico mas também pelo estilo de vida sofisticado que leva.

PUBLICIDADE

O interesse de Julian Montoya, o proprietário, em exibir o estilo de vida luxuoso de Rope Daddy é evidente nas redes sociais, onde o cão tem mais de 7.000 seguidores. A dieta do cão é composta por carne crua, vegetais e uma porção diária de iogurte grego, além de uma rigorosa seleção de vitaminas e suplementos para manter sua saúde em dia.

Apesar do charme, a criação seletiva de cães como Rope Daddy suscita preocupações. Especialistas apontam para problemas de saúde resultantes da conformação física extrema, e organizações como a Royal Society for the Prevention of Cruelty to Animals (RSPCA) criticam a falta de diversidade genética em raças puras, que pode levar a doenças hereditárias.

Doenças respiratórias devido à estrutura facial curta, infecções de pele nas dobras cutâneas e displasia de quadril são alguns dos problemas de saúde comuns em bulldogs franceses, destacando as implicações éticas da criação seletiva visando a estética.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.