PUBLICIDADE

É falso que Vladimir Putin tenha apoiado atos golpistas em Brasília

Vídeo de outubro de 2022 sobre Guerra na Ucrânia recebeu legendas falsas; Kremlin, na verdade, condenou os ataques contra os Três Poderes

Por Clarissa Pacheco

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, não declarou apoio aos atos de terrorismo ocorridos em Brasília no dia 8 de janeiro. Postagens que somam mais de 25 mil compartilhamentos no Facebook em menos de 24 horas utilizaram o vídeo de um pronunciamento feito por Putin em 10 de outubro de 2022, durante uma reunião do Conselho de Segurança russo, e inseriram legendas falsas para afirmar que Putin parabenizou a “coragem” dos golpistas em protestar contra a “farsa” das eleições de 2022. Na verdade, o Kremlin condenou os ataques.

 Foto: Reprodução

PUBLICIDADE

As imagens que viralizaram no Facebook são de 10 de outubro do ano passado e foram feitas durante uma reunião do presidente russo com o Conselho de Segurança do país dois dias após a explosão da ponte da Crimeia. “Os dados de exames forenses e outros, bem como informações operacionais, indicam que a explosão organizada em 8 de outubro é um ato terrorista. Um ataque terrorista destinado a destruir a infraestrutura crítica civil da Rússia. Também é óbvio que os clientes, organizadores e perpetradores do ataque terrorista são serviços especiais ucranianos”, disse Putin, na ocasião.

O vídeo completo do pronunciamento de Putin está disponível no site da agência de notícias russa RIA Novosti, que noticiou a reunião do Conselho de Segurança e mostrou que, durante o encontro, Putin ameaçou a Ucrânia com “uma resposta dura, se os ataques continuassem”.

A fala se deu no contexto da Guerra da Ucrânia, iniciada após a Rússia invadir o país vizinho no dia 24 de fevereiro de 2022. Fica claro que a fala de Vladimir Putin no vídeo usado na peça de desinformação não trata do Brasil, já que, mesmo no idioma estrangeiro, é possível compreender que o chefe do Kremlin prenuncia o nome da Ucrânia – Ukraine – e de uma região que se tornou bastante conhecida durante os ataques, Donbas, na fronteira entre o extremo-leste da Ucrânia e o sudoeste da Rússia.

Além disso, o posicionamento da Rússia em relação aos atos golpistas do dia 8 de janeiro em Brasília foi pela condenação dos ataques, e não pelo apoio a eles. O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse à imprensa que a Rússia “apoia plenamente” o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “Condenamos firmemente as ações dos instigadores dos tumultos e apoiamos plenamente o presidente brasileiro Lula da Silva”, disse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.