PUBLICIDADE

Boato espalha montagem para inventar ordem de favorecimento a Lula em reportagem

Imagem de manchete jornalística em portal de notícias foi editada; ferramenta de arquivamento de páginas na internet não mostra suposto subtítulo com viés em prol do presidente

Por Bernardo Costa
Atualização:

O que estão compartilhando: captura de tela de uma manchete publicada no portal de notícias g1. No campo do subtítulo, há uma mensagem com as instruções: “Incluir subtítulo favorável ao presidente; remover frases do presidente que possam prejudicar a sua imagem; acrescentar viés pró-Lula e contra o Moro”.

O Estadão Verifica apurou e concluiu que: é falso. Não há registro de que a notícia tenha sido publicada com o subtítulo mencionado no boato. A ferramenta de arquivamento de páginas Wayback Machine salvou a notícia original uma hora após sua publicação, e o subtítulo era “Presidente afirmou ainda que sua prisão na Operação Lava Jato ocorreu em razão de ‘uma das maiores mentiras do país’, e que a história vai provar sua posição”. Não houve alteração no subtítulo desde então, o que sugere que a imagem mostrada no conteúdo analisado foi editada. Procurado, o site g1 afirmou que o print manipula uma notícia que nunca teve esse subtítulo.

Captura de tela da postagem verificada Foto: Reprodução/Instagram

PUBLICIDADE

Saiba mais: A captura de tela manipula reportagem do G1 com o título “Lula diz que, se pudesse, faria um decreto proibindo mentir no Brasil: ‘A gente não pode viver subordinado a mentiras’”. Ela foi publicada em 12 de abril de 2024.

Na imagem utilizada na postagem analisada, o título permanece o mesmo, mas o subtítulo é substituído por outro, que é falso. A montagem não se sustenta quando a página é analisada pela ferramenta Wayback Machine. Por meio dela, é possível ver versões anteriores de uma página da internet. A partir de uma comparação entre a versão atual e as mais antigas, constata-se se houve mudanças.

Quando o link da matéria do g1 é inserido na Wayback Machine, aparece a informação de que a página foi gravada seis vezes. As páginas da web podem ser gravadas no campo “Save Page Now”, no canto direito da home da ferramenta.

Resultado da análise das páginas gravadas

A primeira gravação aparece datada no dia 13, no dia seguinte à publicação da matéria, que aconteceu às 20h54 do dia 12. Ao posicionarmos o cursor sobre a data, é informado o horário da gravação: 01:06:30 e, acima, o fuso horário GMT, que significa Greenwich Mean Time (imagem abaixo). Para transpô-lo para o Horário de Brasília, é necessário diminuir três horas. Portanto, a primeira gravação da matéria foi feita às 22:06:30 do dia 12, pouco mais de uma hora após a publicação.

Reprodução da ferramenta Wayback Machine com as gravações da matéria do G1. Destaque em vermelho para o horário da gravação do dia 13 e para o fuso horário. Foto: Repro

A gravação é exibida quando se clica no horário. Ela mostra que, no momento em que foi feita, o subtítulo da matéria era o mesmo que se vê atualmente. Já a montagem com o subtítulo falso mostra a informação “atualizado há um dia”. Ou seja, a captura de tela para a realização da montagem foi feita posteriormente à primeira gravação da página, que já mostrava o subtítulo original. Sendo assim, conclui-se que houve manipulação.

Publicidade

Procurado pelo Estadão Verifica, o g1 afirmou que o print manipula uma matéria publicada pelo site, “que nunca teve esse subtítulo”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.