Imagem viral de eclipse solar total nos Estados Unidos não é real

Especialistas apontam que foto foi gerada com inteligência artificial; segundo astrônomo, postagem mostra sol próximo ao horizonte, o que não aconteceu no fenômeno do dia 8 de abril

PUBLICIDADE

Por Clarissa Pacheco

O que estão compartilhando: que imagem mostra a melhor foto do eclipse solar total ocorrido em 8 de abril de 2024.

PUBLICIDADE

O Estadão Verifica investigou e concluiu que: é falso. Especialistas consultados pela reportagem apontam que a imagem foi gerada com uso de inteligência artificial. Para que a imagem fosse real, o sol precisaria ter ficado perto do horizonte em sua totalidade durante o eclipse, o que não ocorreu.

Mesmo que a imagem tivesse sido feita com um telescópio, não haveria como manter o foco nos dois astros e na paisagem ao mesmo tempo. Para isso, seria necessário sobrepor duas imagens: uma do eclipse e outra da paisagem, incluindo a vegetação ao redor.

O Verifica também consultou uma ferramenta que afirma detectar uso de inteligência artificial em imagens, que apontou que a foto foi 100% gerada com uso de IA.

Procurado, o autor de um dos posts que viralizou no Brasil disse ter percebido comentários sobre a imagem ser feita com IA somente após a publicação.

Especialistas apontam que foto é artificial: segundo astrônomo, sol não ficou tão próximo do horizonte durante o fenômeno do dia 8 de abril de 2024. Foto: Reprodução/Threads Foto: Reprodução/Threads

Saiba mais: No último dia 8 de abril, um eclipse solar total pôde ser visto no México, Estados Unidos e Canadá. Rapidamente, imagens do fenômeno rodaram o mundo e algumas se tornaram virais, como a que está sendo investigada aqui, com mais de 12 mil interações na rede social Threads. A legenda diz que a imagem é “provavelmente, a melhor foto do eclipse solar total de 2024″.

Em algumas páginas dedicadas à astronomia no exterior, a imagem foi compartilhada como sendo uma espécie de “visão do eclipse solar a partir de inteligência artificial”; outras, publicaram a imagem como uma fotografia autêntica, mas sem indicar autoria ou metadados (informações sobre horário e localização), afirmando apenas se tratar de uma foto feita nos Estados Unidos e com o uso de um telescópio.

Publicidade

Foco não poderia estar em toda a imagem

O Verifica pediu que a fotojornalista Paula Fróes analisasse a imagem. Para ela, o efeito de luminosidade e movimento ao fundo do eclipse pode ser feito sem uso de inteligência artificial, mas a vegetação que aparece na imagem não seria visível, ou, pelo menos, não teria foco.

“É possível fazer fotos do eclipse assim, com essa luz saindo, fechando bem o diafragma [da câmera]. Mas, por conta da distância focal, não teria como ter esse foco pontual em primeiro plano”, disse.

Segundo Fróes esse resultado seria possível com a sobreposição de dois fotogramas, ou seja, com uma imagem do eclipse sobreposta a outra da paisagem. “Se o foco da imagem está no eclipse, estas plantas em primeiro plano estariam desfocadíssimas, não daria nem para identificá-las”, completa, indicando que a foto provavelmente foi feita, sim, com o uso de IA.

O Verifica submeteu ainda a imagem ao Hive AI Detector, uma ferramenta que afirma identificar o uso de inteligência artificial em fotografias. O resultado foi que a cena foi 100% gerada com o uso de IA.

Ferramenta Hive IA Detector aponta que imagem foi totalmente gerada por inteligência artificial. Foto: Reprodução Foto: Reprodução

Sol não esteve tão próximo do horizonte

O astrônomo Thiago Gonçalves, doutor em Astrofísica, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e diretor do Observatório do Valongo, no Rio, afirma que a imagem não é real.

“É uma imagem artificial. Em nenhum local o sol estava tão próximo do horizonte durante a totalidade”, disse.

Veja imagens do eclipse total de 8 de abril de 2024

Publicidade

Uma busca reversa de imagens (veja como usar a ferramenta) leva a outros resultados em que há um efeito parecido: uma luminosidade por trás do fenômeno com uma ideia de movimento. Fotos assim foram capturadas em outros eclipses pelo astrofotógrafo Sebastian Voltmer usando uma câmera fotográfica profissional e um telescópio refrator.

Os resultados das fotografias publicadas por ele, que é doutor em fotografia científica, e por outros profissionais da área não mostram o eclipse acontecendo tão próximo do horizonte.

Este conteúdo também foi verificado pela agência News Mobile, da Índia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.