PUBLICIDADE

Postagem engana ao sugerir que Lula vai lotear terras da Amazônia para Macron

Ao lado do colega francês, presidente falou em explorar em conjunto com outros países biodiversidade da floresta; petista destaca que isso não significa abrir mão da soberania do País

Por Bernardo Costa
Atualização:

O que estão compartilhando: vídeo em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva diz, em encontro presidente da França, Emmanuel Macron, que quer compartilhar com o mundo a exploração e a pesquisa da biodiversidade brasileira. A postagem insere na tela a frase: “É isso? Lula vai lotear terras do Amazonas para Macron?”.

O Estadão Verifica apurou e concluiu que: é enganoso. Ao sugerir que Lula estaria “loteando” a Amazônia para estrangeiros, a postagem distorce declaração do presidente sobre proposta de exploração conjunta com outros países da biodiversidade da floresta. A iniciativa vem sendo defendida por Lula desde a campanha à Presidência. Ao mencioná-la, o presidente costuma destacar que isso não significa que o País vai abrir mão da soberania nacional na Amazônia.

Captura de tela da postagem verificada Foto: Reprodução/Facebook

PUBLICIDADE

Saiba mais: O vídeo investigado exibe declarações de Lula e do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Ele diz: “O senhor Macron queria que eu, ele, ao lado do Raoni, viesse a anunciar decisões para nossa questão ambiental. Dei-lhe um rotundo ‘não’”. Neste momento, lê-se no vídeo: “Veja a diferença. Bolsonaro coloca Macron em seu devido lugar: ‘Não tem autoridade para discutir desmatamento’”. Ao longo de todo o vídeo, a seguinte frase aparece na parte superior: “estou pensando em comprar um lote de terra na Amazônia pra mim. Agora nesse governo está fácil, né?”.

A declaração de Lula utilizada no vídeo foi feita no dia 26 de março, em solenidade na Ilha do Combu, em Belém, no Pará. Na ocasião, Macron entregou a Ordem Nacional da Legião de Honra, a mais alta honraria do governo da França, ao líder indígena cacique Raoni Mekuktire. Durante solenidade, Lula declarou: “Nós não queremos transformar a Amazônia num santuário da humanidade. O que nós queremos é compartilhar com o mundo a exploração e a pesquisa da nossa riqueza de biodiversidade, das nossas riquezas aqui, mas que os indígenas possam participar de tudo que for usufruído da terra que eles moram”.

A declaração é semelhante a outras que Lula vem fazendo desde a campanha à Presidência da República, em 2022. Em diversas ocasiões, Lula afirmou que a proposta de preservação e exploração conjunta com outros países da biodiversidade da Amazônia não implica em abrir mão da soberania nacional sobre o território. Veja exemplos abaixo.

2022: encontro com deputados europeus

Em agosto de 2022, durante reunião com deputados europeus, Lula disse, ainda como candidato: “A gente não quer transformar a Amazônia em santuário da humanidade, mas explorar o que a biodiversidade possa oferecer”.

No evento, Lula defendeu que da biodiversidade da Amazônia se possa extrair riqueza suficiente para sustentar quase 30 milhões de brasileiros que moram na região. E afirmou: “O Brasil pretende construir parcerias com outros países para que a gente possa dizer, embora o Brasil seja dono do território da Amazônia, a Amazônia é de interesse de sobrevivência da humanidade e, portanto, todos têm responsabilidade para ajudar a cuidar da Amazônia”, declarou.

Publicidade

2023: entrevista à EBC e a jornalistas em Bruxelas

Ao programa “A Voz do Brasil”, da EBC, Lula declarou novamente, em abril de 2023, que não quer manter a Amazônia como um santuário da humanidade, mas sim explorar da forma mais inteligente possível o que nela pode ser transformado em riqueza para o País. Lula manifestou que quer atrair a participação do mundo inteiro para a preservação, estudo e exploração consciente da biodiversidade da floresta. “Embora o Brasil seja dono soberano do território da Amazônia, nós temos que abrir a Amazônia para a ciência do mundo inteiro ajudar a pesquisar”, disse o presidente.

Três meses depois, em Bruxelas, na Bélgica, onde participou de encontro da União Europeia (UE) e da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), Lula reiterou “que a Amazônia é um território soberano do Brasil”. E, mais uma vez, repetiu os planos para a exploração conjunta da floresta: “O Brasil não quer transformar Amazônia no santuário da humanidade. Nós queremos transformar num centro de desenvolvimento, queremos compartilhar a exploração científica com o mundo que quer participar. Porque nós achamos que é possível extrair do ecossistema da Amazônia e da riqueza da biodiversidade.”

2024: declaração após sair de encontro com Joe Biden

Um mês antes do encontro com Macron no Brasil, Lula declarou a jornalistas, após sair de encontro com o presidente norte-americano, Joe Biden, na Casa Branca, que o Brasil tem soberania sobre o território da Amazônia e não quer abrir mão disso. Mas que quer “compartilhar com a ciência do mundo inteiro um estudo profundo sobre a necessidade da manutenção da Amazônia”, e que se possa “extrair da riqueza da biodiversidade da Amazônia algo que possa significar a melhoria da qualidade de vida das pessoas que moram lá”.

Bolsonaro: ampliação de áreas de proteção dificulta progresso do País

O vídeo com a fala de Bolsonaro que consta na postagem verificada se refere a um café da manhã do ex-presidente com cerca de 130 deputados e senadores da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), em julho de 2019. Na ocasião, Bolsonaro disse que líderes estrangeiros influenciavam, no passado, a demarcação de terras indígenas e quilombolas no Brasil e a ampliação de áreas de preservação ambiental, o que, de acordo com o ex-presidente, dificultava o progresso do País.

PUBLICIDADE

No evento, Bolsonaro fez menção a encontro com líderes europeus, em especial Macron e Angela Merkel, ex-chanceler da Alemanha, na reunião da cúpula do G20, em Osaka, no Japão. Os trechos abaixo, ditos por Bolsonaro, são os que constam na postagem verificada:

- “Achavam que estavam tratando com governos anteriores, que após reuniões com essa, vinham para cá e demarcavam dezenas de áreas indígenas, demarcavam quilombolas, ampliavam áreas de proteção, ou seja, dificultavam cada vez mais o nosso progresso aqui no Brasil”.

- “O senhor Macron queria que eu, ele, ao lado do Raoni, viesse a anunciar decisões para a nossa questão ambiental. Dei-lhe um rotundo ‘não’. Não reconheço o Raoni como autoridade aqui no Brasil. Ele é um cidadão, como outro qualquer que nós devemos respeito e consideração. Mas, estar ao meu lado para tomar decisão pelo nosso Brasil, ele não é autoridade”.

Publicidade

- “Convidei, inclusive, ele e Angela Merkel a sobrevoar a Amazônia. Se encontrassem, num espaço, entre Boa Vista e Manaus, um quilômetro quadrado de desmatamento, eu concordaria com eles. Como sobrevoei a Europa por duas vezes, eu também lhes disse que não encontrei um quilômetro quadrado de floresta naquela região”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.