PUBLICIDADE

Cachorro de Biden mordeu pelo menos 24 agentes secretos do governo americano, diz relatório

Em um episódio, uma área da Casa Branca precisou ser isolada por 20 minutos para limpeza do sangue de funcionário atacado; pastor alemão deixou a Casa Branca em outubro

Por Pedro Baker

THE NEW YORK TIMES — O Serviço Secreto dos Estados Unidos teve que “ajustar as táticas operacionais” para proteger o presidente Joe Biden porque o cachorro da família do presidente mordia os agentes, incluindo um que precisou de seis pontos e outro cujo sangue se espalhou pelo chão da Casa Branca, de acordo com e-mails internos divulgados na quarta-feira, 21.

PUBLICIDADE

O Serviço Secreto registrou pelo menos 24 episódios de mordidas entre outubro de 2022 e julho de 2023 envolvendo Commander, um pastor alemão que se tornou o terror da Casa Branca, de Camp David e das casas do presidente em Delaware. Cerca de metade dos episódios exigiu atenção médica, segundo os documentos. O Commander deixou a Casa Branca em outubro e foi levado para um local não revelado.

“As recentes mordidas de cães nos desafiaram a ajustar nossas táticas operacionais quando o Commander estiver presente — por favor, dê bastante espaço”, escreveu à equipe um agente especial assistente encarregado da Divisão de Proteção Presidencial. “Continuaremos mantendo” uma pessoa protegida cujo codinome estava oculto no documento, mas era claramente o Biden “à nossa vista, mas devemos ser criativos para garantir a nossa segurança pessoal”. O agente relatou que buscavam “uma solução melhor em breve”.

Commander, um pastor alemão da família de Biden, na Casa Branca, em fotografia tirada em maio de 2023. Cão não mora mais na residência oficial, após sequência de ataques contra agentes. Foto: Doug Mills/The New York Times

Os documentos foram divulgados em resposta a um pedido da Lei de Liberdade de Informação de John Greenewald, um pesquisador de longa data baseado na Califórnia, especializado em desenterrar segredos governamentais sobre tudo, desde UFOS até atividades militares e da CIA, e publicados em seu site, chamado The Black Vault. O Serviço Secreto confirmou que os documentos eram autênticos.

Os 24 incidentes registados nos documentos ultrapassam os 10 que haviam sido relatados em julho de 2023. E ainda abrangem apenas alguns dos episódios, uma vez que tratam apenas da equipe do Serviço Secreto, sem incluir, por exemplo, funcionários residenciais ou militares da Marinha que servem a família do presidente em Camp David.

Camisa rasgada, pontos e perda de sangue

As 273 páginas de e-mails e documentos lançam nova luz sobre um período que gerou grande estresse dentro da Casa Branca antes de Commander, então com 2 anos, ser retirado da mansão. Um cão presidencial anterior, Major, foi retirado da Casa Branca dois anos antes por motivos parecidos.

O lote de e-mails não apenas documentou vários episódios com detalhes às vezes gráficos, mas também capturou o trauma e a preocupação entre agentes e oficiais do Serviço Secreto, que compartilharam técnicas sobre as melhores maneiras de evitar ferimentos. Funcionários do Serviço Secreto foram mordidos no pulso, antebraço, cotovelo, cintura, peito, coxa e ombro. Um foi salvo de ferimentos por sua bolsa de munição. Entre os documentos, havia a foto de uma camisa rasgada por uma mordida.

Publicidade

“Fiquei em choque com o incidente”, escreveu um agente especial, que foi atacado enquanto segurava a porta aberta para o presidente em 2 de outubro de 2022, no momento em que Biden levava o Commander para o gramado da Casa Branca. O cachorro agarrou o braço esquerdo do agente e ficou sob as patas traseiras. “Ele tem literalmente a minha altura”, escreveu o agente. Felizmente, o médico que o atendeu não encontrou nenhum ferimento. “Depois disso, fiquei preocupado com a possibilidade de ele sair da residência ou sair sem coleira, para a segurança dos outros e a minha.”

Outro agente não teve tanta sorte. Em 15 de junho de 2023, o Commander correu em direção ao agente e o atacou, causando uma “mordida profunda” no braço esquerdo que exigiu pontos. “As excursões pela ala leste foram interrompidas por aproximadamente 20 minutos devido ao sangue do incidente estar no chão da área dos Livreiros”, um salão da Casa Branca, relatou um documento.

Um mês depois, outro agente entrando no quintal da casa do presidente em Rehoboth Beach, não percebeu que o cachorro estava lá e sem coleira. O cachorro o mordeu, “causando uma ferida grave e profunda”, e o agente “começou a perder uma quantidade significativa de sangue”, detalhou uma mensagem. O agente “manteve a calma e saiu da área em busca de ajuda”.

O agente levou seis pontos na mão esquerda. Alguns dias depois, um supervisor escreveu ao agente: “estou feliz que não tenha sido seu braço lançador!” acrescentando, em tom de brincadeira, que os colegas do agente haviam “preparado um pequeno pacote de cuidados” para ele, incluindo Advil, creme antibiótico, spray de pimenta, focinheira e alguns biscoitos para cachorro “por motivos de segurança”.

PUBLICIDADE

Os incidentes ocorreram principalmente na Casa Branca, mas também em Camp David, nas casas do presidente em Delaware e na sua casa de férias em Nantucket.

‘Coração partido’

“O presidente e a primeira-dama preocupam-se profundamente com a segurança daqueles que trabalham na Casa Branca e daqueles que os protegem todos os dias”, disse Elizabeth Alexander, diretora de comunicações de Jill Biden. “Apesar do treinamento adicional dos cães, do uso de coleiras, do trabalho com veterinários e da consulta a especialistas em comportamento animal, o ambiente da Casa Branca simplesmente provou ser demais para o Commander. Desde o outono, ele mora com outros membros da família.”

Um funcionário da Casa Branca que falou sob condição de anonimato disse que o presidente e a primeira-dama estavam “de coração partido” com o que aconteceu, pediram desculpas aos que foram mordidos e até levaram flores para alguns deles.

Publicidade

“O Serviço Secreto dos EUA leva muito a sério a segurança e o bem-estar dos nossos funcionários e tem procurado a melhor forma de operar num ambiente que inclui animais de estimação em muitas administrações presidenciais”, disse Anthony Guglielmi, chefe de comunicações da agência.

Ele acrescentou: “Embora o pessoal do Serviço Secreto não cuide dos animais de estimação da primeira família, trabalhamos continuamente com todas as entidades aplicáveis, a fim de minimizar quaisquer impactos adversos dos animais de estimação da família”.

Guglielmi não deu detalhes sobre como as “táticas operacionais” tiveram que ser ajustadas enquanto o Commander estava na mansão, mas por e-mail um agente aconselhou colegas sobre o que fazer se fosse atacado. “Ficar em pé e gritar o nome dele e ‘pare’ é sua melhor aposta para não ser mordido”, escreveu o agente após um episódio em Camp David. “Depois que gritei com ele e o encarei, ele se virou e começou a cheirar um arbusto (também conhecido como me respeitando como o alfa que sou).”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.