PUBLICIDADE

Em um ano difícil em terra, os drones proporcionam à Ucrânia algum sucesso no mar

O uso de drones marítimos destaca um caminho para a Ucrânia em sua luta contra a Rússia que foi promovido pela Casa Branca e adotado pela liderança ucraniana

Atualização:

THE NEW YORK TIMES -Saltando sobre as águas agitadas, os drones marítimos ucranianos se espalharam e aceleraram em direção ao navio de guerra russo em uma tática de “enxame” que, segundo especialistas militares, provou ser letal e eficaz contra o que era uma potência naval dominante no Mar Negro.

PUBLICIDADE

Da segurança de uma sala a centenas de quilômetros de distância, os pilotos dos drones acionaram joysticks para acelerar, dirigir e girar as câmeras montadas no convés, mantendo o alvo à vista. Os marinheiros russos abriram fogo com metralhadoras pesadas.

Uma breve batalha marítima entre homens e drones ocorreu durante vários minutos, de acordo com um relato dos operadores de drones ucranianos. Um drone chegou tão perto de seu alvo, segundo eles, que quando as balas atingiram a ogiva de 500 libras que ele carregava, a explosão rompeu o casco do navio de patrulha russo Sergei Kotov.

Drones marítimos projetados e operados pelo serviço de inteligência militar ucraniano. Ucrânia diz que seus drones danificaram ou afundaram dezenas de navios russos Foto: Brendan Hoffman/The NY Times

“Quando atingimos o alvo, toda a equipe, é claro, ficou emocionada”, disse o operador do drone. O piloto pediu para ser identificado apenas por um apelido, Thirteen, enquanto descrevia a batalha no mar em 14 de setembro, uma das dezenas de combates desse tipo no ano passado, de acordo com os militares ucranianos, usando drones construídos pela Ucrânia.

Esses ataques têm sido um raro ponto positivo em um ano decepcionante para a Ucrânia, sem nenhum avanço na linha de frente em terra. “Estávamos gritando e parabenizando uns aos outros”, disse o piloto, descrevendo o clima entre os operadores de drones em setembro. (O Ministério da Defesa da Rússia disse na época que o Sergei Kotov havia frustrado um ataque de cinco drones marítimos).

O uso de drones marítimos destaca um caminho que a Ucrânia pretende seguir em sua luta contra a Rússia, promovido pela Casa Branca e adotado pela liderança ucraniana. A ideia é complementar o armamento fornecido pelos parceiros ocidentais com armamentos produzidos internamente pela Ucrânia, incluindo sistemas inovadores como a frota de drones marítimos.

No futuro próximo, a Ucrânia terá que depender muito da ajuda militar em uma guerra desigual contra a Rússia, um país muito mais populoso e inimigo com uma capacidade industrial muito maior. Grande parte dessa assistência está agora em dúvida, pois o Congresso dos EUA adiou a votação sobre a ajuda militar.

Publicidade

Um membro do serviço de inteligência militar da Ucrânia mostrando drones marítimos a jornalistas Foto: Brendan Hoffman /The NY Times

Centro de fabricação

Diante de tais obstáculos, o governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está promovendo joint ventures entre fabricantes de armas dos EUA e da Ucrânia. O presidente Volodimir Zelenski, da Ucrânia, promoveu o país como um “centro” para a fabricação de armas e testes em campos de batalha, reuniu-se com os executivos-chefes de empreiteiras militares dos EUA durante uma visita a Washington na semana passada.

Alguns militares dos EUA querem que a Ucrânia adote uma estratégia de “manter e construir”, concentrando-se em manter o território que possui agora e desenvolver a capacidade de produzir suas próprias armas até 2024.

Com uma ofensiva ucraniana paralisada e pouca chance de avançar em terra, o objetivo seria criar uma ameaça confiável o suficiente com drones e mísseis de longo alcance para que haja uma oportunidade de negociações significativas com a Rússia no final do próximo ano ou em 2025.

A Casa Branca disse em um comunicado após convocar uma conferência este mês sobre a indústria de defesa doméstica da Ucrânia que o objetivo era “promover uma base industrial de defesa ucraniana robusta e autossuficiente que capture a cultura inovadora da Ucrânia e forneça material para necessidades militares urgentes”. O Departamento de Estado enviaria um consultor ao Ministério da Defesa da Ucrânia para supervisionar a cooperação, segundo o comunicado.

A Ucrânia afirma que os seus drones marítimos foram utilizados em dezenas de ataques contra navios russos este ano com grande sucesso Foto: Brendan Hoffman/The NY Times

PUBLICIDADE

As imensas fábricas militares na Ucrânia já foram a pedra angular do setor militar soviético, construindo aeronaves e mísseis balísticos intercontinentais. Muitas caíram em obsolescência no final da Guerra Fria e quando a Ucrânia conquistou sua independência da União Soviética.

Ainda assim, os fabricantes de armas nacionais forneceram cerca de 20% das necessidades do exército ucraniano desde a invasão da Rússia em fevereiro de 2022, de acordo com Serhi Hrabski, analista militar que foi coronel do exército.

A Ucrânia fabrica veículos blindados e tanques, um obuseiro autopropelido, projéteis de artilharia e mísseis antitanque guiados a laser. Seu maior potencial, no entanto, é visto nos testes de batalha de sistemas inovadores que podem superar os equipamentos militares mais antigos, segundo especialistas militares.

Publicidade

Os drones marítimos explosivos, uma nova classe de armas navais, foram utilizados pela primeira vez em combate na defesa contra o ataque da Rússia à Ucrânia. Kiev opera dois programas de fabricação, um sob a agência de inteligência militar e o outro administrado pela agência de inteligência doméstica.

O painel de controle para drones marítimos projetado e operado pelo serviço de inteligência militar da Ucrânia Foto: Brendan Hoffman/The NYT

Os militares ucranianos disponibilizaram um piloto para uma entrevista neste mês e permitiram a visualização de uma oficina de drones e de um local de armazenamento, com a exigência de que sua localização não fosse divulgada. A intenção, segundo a agência de inteligência militar, era demonstrar a autossuficiência ucraniana, mesmo enquanto o Congresso dos EUA considera a possibilidade de fornecer mais ajuda militar à Ucrânia.

Ataques

No ano desde que zarparam no Mar Negro, os drones danificaram e afundaram dezenas de navios russos, de acordo com a Marinha ucraniana, e desempenharam um papel importante, juntamente com os mísseis fornecidos pelo Ocidente, ao forçar a Rússia a transferir navios do porto de Sevastopol, o porto de origem de uma das quatro frotas navais de Moscou. Os drones ajudaram a liberar um canal de navegação para a exportação de grãos, uma mercadoria essencial para a economia da Ucrânia. Além disso, fizeram com que os porta-mísseis russos fossem lançados mais longe do litoral ucraniano, alertando as forças de defesa aérea sobre os ataques. A Ucrânia não divulga o tamanho de sua frota de drones.

“Ninguém tem a experiência de usar drones marítimos como nós temos”, disse Thirteen, o piloto do drone, que apareceu para a entrevista usando uma máscara de esqui, por motivos de segurança. “Não há instrutores, nem livros didáticos. Estamos escrevendo esses livros agora.”

Em um armazém escuro, dezenas de lanchas pintadas de cinza e preto, tornando-as mais difíceis de serem vistas no mar e à noite, repousavam sobre carrinhos em vários estágios de montagem.

Algumas eram equipadas apenas com câmeras, para reconhecimento, outras construídas com mecanismos para lançar minas no caminho dos navios russos. A maioria era equipada com gatilhos em seus narizes - três pequenas bolas de borracha sobre molas - para detonar altos explosivos.

Por meio de conexões via satélite, os pilotos na sala de guerra usam consoles para dirigir os drones, que são projetados para atacar em enxames de seis ou mais, aumentando as chances de penetrar nas defesas, como metralhadoras montadas no convés, em direção aos cascos dos navios russos.

Publicidade

O último ataque bem-sucedido de drones marítimos da agência de inteligência de defesa foi em 10 de novembro, quando um enxame atingiu dois navios de desembarque russos atracados em uma baía da Crimeia, afundando ambos, segundo disseram os operadores do programa em entrevistas.

A Rússia respondeu com interferência eletrônica e colocando barreiras nas bocas dos portos, montando metralhadoras em seus navios de guerra e navegando fora do alcance dos drones. “A cada nova operação, estamos aprendendo e eles estão aprendendo”, disse Thirteen.

Os estudiosos da guerra naval dizem que os modelos ucranianos demonstraram como as forças armadas menores podem defender as águas costeiras com drones.

Alguns drones marítimos foram equipados apenas com câmeras, para reconhecimento e outros foram construídos com mecanismos para lançar minas no caminho dos navios russos Foto: Brendan Hoffman/The NY Times

Os drones não substituirão os grandes navios de superfície tão cedo, de acordo com Sidharth Kaushal, pesquisador e especialista em poder marítimo do Royal United Services Institute, em Londres.

Mas “a capacidade de assediar e danificar significativamente navios com preços desproporcionais é um retorno impressionante sobre o investimento”, disse Kaushal em uma entrevista por telefone.

Os drones marítimos ucranianos, disse Thirteen, o piloto que ajudou a incapacitar o Sergey Kotov, limparam uma faixa de cerca de 200 milhas da costa ucraniana. “É possível fazer com que eles recuem”, disse ele. “O reinado da Rússia no Mar Negro acabou”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.