‘Vou abrir fogo contra uma escola primária’, postou atirador do Texas antes do ataque

Foto: Allison Dinner/ AFP

Salvador Rolando matou 19 crianças e dois adultos ao abrir fogo em uma escola infantil em Uvalde, no Texas

Por Redação
Atualização:

Cerca de 30 minutos antes de abrir fogo contra uma sala de aula da quarta série de uma escola primária em Uvalde, no Texas, o atirador Salvador Rolando publicou uma mensagem no Facebook dizendo que atacaria o colégio, informou nesta quarta-feira, 25, o governador do Texas Greg Abbott.

No mesmo aplicativo, o atirador, que, segundo conhecidos era alvo de bullying e apresentava um comportamento cada vez mais agressivo, também avisou que atiraria contra sua avó, que foi ferida com um tiro no rosto no mesmo dia do ataque.

A Meta, empresa controladora do Facebook, afirmou em nota que a publicação ocorreu no sistema de mensagens da plataforma, e não no feed de notícias, e por isso as mensagens só foram descobertas depois do ataque.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Armas semiautomáticas

Ele usou um fuzil AR-15 comprado poucos dias depois de seu aniversário de 18 anos para matar as crianças e os dois professores. Autoridades locais não descobriram ainda os motivos de Rolando, mas começaram a divulgar os detalhes do ataque, o pior contra uma escola infantil desde o massacre de Sandy Hook, em Connecticut, em 2012.

Após as publicações no Facebook, Orlando atirou na avó e pegou um carro em alta velocidade rumo à escola. Ali, ele trocou tiros com policiais e invadiu a escola. Dentro da sala de aula, Rolando foi contido pelos professores em uma das salas, a da quarta série. Outros alunos, todos crianças, conseguiram escapar de salas vizinhas pela janela.

Policial escolta família de alunos da escola primária de Uvalde, no Texas, após ataque que matou 21 pessoas
Policial escolta família de alunos da escola primária de Uvalde, no Texas, após ataque que matou 21 pessoas Foto: AP Photo/Jae C. Hong

Antes de abrir fogo contra a escola, Rolando deu sinais a companheiros de trabalho de que tinha um comportamento problemático.

Jocelyn Rodriguez, de 19 anos, colega de Rolando no restaurante Wendy, descreve o atirador como dono de um temperamento ruim, que irritava as pessoas. Ele tinha uma tendência a brigar com colegas de trabalho que eram maiores do que ele, disse ela. Rolando ainda costumava falar sobre o quanto ele desprezava sua mãe e avó, a quem ele disse a ela que não o deixava fumar maconha ou fazer o que ele queria.

No início deste mês, ele começou a brigar com colegas de trabalho novamente e se gabando de deixar o emprego, dizendo que não precisava mais do dinheiro, disse Rodriguez. Ele disse a ela e a outros que ia “agir” em grande estilo e todos ouviriam sobre isso, disse ela.

“Ele queria causar problemas”, afirmou. “Ele queria causar destruição.”

Bullying e problemas familiares

No ensino fundamental e médio, Rolando foi intimidado por gaguejar e falar muito, disseram amigos e familiares.

Stephen Garcia, que se considerava o melhor amigo de Ramos na oitava série, disse que Ramos não teve vida fácil na escola. “Ele sofria muito bullying, como muitas pessoas sofrem bullying”, disse Garcia. “Nas mídias sociais, nos jogos, em tudo.”

A prima de Rolando, Mia, disse que viu os alunos zombando de seu problema de fala quando frequentavam o ensino médio juntos. Ele se livrou disso na hora, disse Mia, e depois reclamou com a avó que não queria voltar para a escola.

“Ele não era uma pessoa muito social depois de sofrer bullying por causa da gagueira”, disse Mia, que falou sob a condição de que seu sobrenome não fosse usado porque sua família não quer ser associada ao massacre. “Acho que ele simplesmente não se sentia mais confortável na escola.”

Há cerca de um ano, Rolando postou nas redes sociais fotos de fuzis automáticos. Quatro dias atrás, ele postou imagens de dois rifles que ele chamava de “fotos da minha arma”. Uma pessoa informada sobre as primeiras descobertas da investigação, que falou sob condição de anonimato porque não estava autorizada a discutir o caso, disse que Ramos comprou a arma usada no ataque imediatamente após seu aniversário de 18 anos, em meados de maio.

Dois meses atrás, ele postou uma história no Instagram em que gritou com sua mãe, que ele disse estar tentando expulsá-lo de casa, disse Nadia Reyes, uma colega de escola.

“Ele postou vídeos em seu Instagram onde os policiais estavam lá e ele xingava sua mãe e dizia que ela queria expulsá-lo”, disse Reyes. “Ele gritava e falava com a mãe de forma muito agressiva.”

Ruben Flores, de 41 anos, disse que morava ao lado da família na Hood Street e tentou ser uma espécie de figura paterna para Ramos, que teve “uma vida bastante difícil com a mãe”.

Mulher chora ao deixar centro cívico de Uvalde, no Texas, onde um atirador matou 21 pessoas, 19 delas crianças
Mulher chora ao deixar centro cívico de Uvalde, no Texas, onde um atirador matou 21 pessoas, 19 delas crianças 

Ele e a esposa, Becky Flores, convidavam Ramos para churrascos em sua casa e para festas do pijama com o filho, alguns anos mais novo. Ramos atendia pelo apelido de “pelon”, em espanhol para careca, porque seu cabelo costumava ser cortado muito curto quando era mais jovem, disse Flores.

À medida que envelhecia, os problemas em casa se tornavam mais agudos e mais aparentes para os vizinhos, disse Flores. Ele descreveu ter visto a polícia na casa e testemunhado brigas entre Ramos e sua mãe.

Várias pessoas familiarizadas com a família, incluindo Flores, disseram que a mãe de Ramos usava drogas, o que contribuiu para a agitação na casa. A mãe de Ramos não foi encontrada para comentar. / NYT E WPOST





Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade