Com Vision Pro, a Apple dá a última chance para o metaverso se popularizar

Novos óculos surgem como esperança para um segmento com dificuldades de furar a bolha

Foto do author Bruno Romani
Por Bruno Romani

Após anos de especulação e desenvolvimento, a Apple finalmente apresentou nesta segunda, 5, o Vision Pro, seus óculos de realidade virtual (RV) e realidade aumentada (RA). É um movimento que carrega peso não apenas para a companhia - que desde 2018, com o HomePod, não estreava uma nova categoria de hardware. O Vision Pro é também a última chance para que o metaverso se popularize como a próxima grande tendência tecnológica.

Durante a apresentação dos novos óculos, a Apple desviou da palavra metaverso - optou por usar a expressão “computação espacial”. O motivo é óbvio: a gigante não quis se curvar a um termo popularizado por uma rival, a Meta (ex-Facebook). Mas tanto Apple quanto a empresa fundada por Mark Zuckerberg parecem falar da mesma coisa: imersão em ambientes digitais e integração entre mundo real e online.

PUBLICIDADE

Seja qual for o termo, o metaverso ainda não aconteceu, com exceção de alguns nichos na internet, em lugares como os jogos Roblox, Fortnite e Second Life - e nenhum deles exige óculos específicos para visualização tridimensional. Não foi por falta de esforço. Em 2021, Zuckerberg mudou o nome da companhia que criou em 2004 para refletir o novo foco da gigante. A ideia era disponibilizar tanto hardware quanto a plataforma para tornar o metaverso parte da rotina dos 2 bilhões de usuários do Facebook.

Hoje os óculos da companhia, o Quest e o Quest Pro, dominam as vendas de óculos RV e RA - segundo a consultoria IDC, a Meta tem 80% do mercado, que tem ainda competidores como HoloLens (Microsoft), PSVR 2 (Sony) e Magic Leap. É uma liderança que representa pouco: além de ser um mercado bastante restrito, as vendas de óculos do tipo registraram no primeiro trimestre deste ano queda anual de 54,4%.

Pior: segundo o Wall Street Journal, metade dos usuários dos óculos Quest abandonam o aparelho com apenas seis meses de uso.

Embora Zuckerberg repita constantemente que o investimento em metaverso seja uma estratégia de longo prazo, ele vem queimando dinheiro da gigante. Em 2022, o Reality Labs, divisão da Meta responsável pelo metaverso, deu prejuízo de US$ 14 bilhões. No ano passado, investidores chegaram a pedir que Zuckerberg revisse a estratégia, mas o executivo comunicou que esperava perdas maiores para este ano.

Apple preferiu o termo computação espacial, mas Vision Pro surge como esperança para o metaverso  Foto: Jeff Chiu / AP

Com a onda de demissões nas empresas de tecnologia, que varreu o setor nos últimos seis meses, ficou claro que a paciência de investidores e companhias com o metaverso havia chegado ao fim. Em fevereiro, ao demitir 10 mil pessoas, a Microsoft eliminou duas divisões (Altspace VR e MRTK) que desenvolviam projetos de metaverso - foram eliminados 100 posições da divisão dedicada a aplicações industriais do metaverso, que havia sido criada em outubro do ano passado.

Publicidade

Em março, foi a vez da Disney fechar sua divisão de metaverso, após demitir 7 mil pessoas. Já os projetos do Google que indicavam equipamentos com potencial para uso para o metaverso sumiram. Os novos óculos de RA (o Google Glass de nova geração) mostrados em maio do ano passado nunca mais foram mencionados pela gigante. E o projeto Starline, que permitia videochamadas tridimensionais ultrarrealistas, permanece como um experimento na sede da companhia na Califórnia desde que foi anunciado em 2021.

O golpe mais duro na ideia de metaverso veio também em março. Na carta que justificava a nova rodada de 10 mil demissões da Meta, Zuckerberg disse que entrou na era da “eficiência”. E embora tenha dito que o metaverso permanecia central para o “futuro das conexões sociais”, ele revelou que se rendeu à febre da inteligência artificial (IA). “Nosso maior investimento será avançar a IA e incorporá-la em cada um de nossos produtos”, disse.

Mark Zuckerberg apostou alto no metaverso, mas precisou recuar após perdas  Foto: Facebook/Reprodução

Apple traz esperança para o metaverso

A tradição da Apple em entrar em mercados ainda nichados e colocá-los em outro patamar está na mente de muitos especialistas e fãs da marca. Vale lembrar que tocador de MP3, smartphone, tablet e relógio inteligente já existiam antes da marca da maçã. Mas foi depois de iPod, iPhone, iPad e Apple Watch que a bolha foi furada.

PUBLICIDADE

“Em todos esses casos, a Apple trouxe uma interface nova e novos casos de uso para esses mercados. Agora, ela deve trazer novos conceitos de uso para a tecnologia”, afirma Eduardo Pellanda, professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Na apresentação do Vision Pro, a companhia não mostrou nada que já não tenha sido exibido em vídeos sobre RV e RA: videochamadas, apps se sobrepondo a elementos reais e capacidade para jogar e consumir vídeo em ambientes imersivos. Mas já foi possível notar alguns elementos diferentes, como a simplificação da interface, que dispensa controles físicos nas mãos para a interação com objetos digitais.

Apresentação do Vision Pro mostrou apps bidimensionais que apenas reprisam telas de dispositivos Foto: Apple/Reprodução

“Acredito que o metaverso ia acontecer apesar da Meta. Porém, a capacidade da Apple em integrar hardware e software pode expandir o uso. É sempre importante levar em consideração a capacidade da Apple em hardware, já que isso é tão importante para o metaverso”, diz Renato Franzin, professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP).

Outro ponto que pesa a favor da Apple é o tamanho de sua base de usuários. “O Vision Pro muda o jogo já que a Apple, com a sua base de 2 bilhões de usuários de iOS, agora tem um produto para o metaverso”, afirma para a reportagem Dan Ives, analista da consultoria americana WedBush Securities. Claro, ter uma base grande de usuários não significa sucesso - quem tinha conta no Facebook, Instagram e WhatsApp não correu imediatamente para o metaverso da Meta. Porém, segundo Ives, essa transferência pode ocorrer caso a Apple entregue um dispositivo tão revolucionário quanto o iPhone.

Publicidade

Preço e apps são obstáculos

Existem, porém, alguns obstáculos para que o Vision Pro carregue o metaverso para um novo momento. O primeiro é o mais óbvio: o preço. Os óculos custarão a partir de US$ 3,5 mil nos EUA, faixa de preço acima de produtos do tipo. A versão mais sofisticada dos óculos da Meta custam US$ 1 mil no mercado americano.

Ives, por exemplo, estima que no primeiro ano as vendas globais deverão ser de apenas 150 mil unidades. No segundo ano, e com preços mais baixos, o analista estima que serão vendidas 1 milhão de unidades. Apenas no quarto trimestre de 2022, a gigante enviou para o varejo 72,3 milhões de unidades do iPhone.

Acredito que o metaverso ia acontecer apesar da Meta. Porém, a capacidade da Apple em integrar hardware e software pode expandir o uso. É sempre importante levar em consideração a capacidade da Apple em hardware

Renato Franzin, professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP)

Outro desafio é ter aplicativos feitos por desenvolvedores independentes, o que costuma gerar casos de uso e negócios inéditos. No iPhone, serviços como Uber, iFood, Waze e Instagram não existiriam caso o celular não estivesse aberto para soluções originadas externamente. Na apresentação do Vision Pro, a Apple mostrou apenas alguns apps feitos pela companhia, além de afirmar que todos os apps para iPad serão compatíveis - o que significa apenas uma reprodução “no ar” daquilo que já é exibido na tela do tablet.

Embora importantes, não são situações inéditas para a Apple. Quando o primeiro iPhone foi lançado, o preço de US$ 600 deixou muita gente assustada - virou um clássico do mundo tecnológico o vídeo que mostra o então CEO da Microsoft, Steve Ballmer, fazendo piada com o preço do celular e dizendo que isso impediria a adoção ampla do aparelho.

Já a falta de apps foi enfrentada - e superada - por cada uma das categorias que a gigante entrou. Assim, se repetir o desempenho, a Apple pode mesmo ter dado início a uma nova onda de hardware e serviços. Ives, da WedBush, parece estar ainda mais otimista.

“A Meta e o Google foram apenas um aperitivo neste front. A Apple será o prato principal”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.