PUBLICIDADE

Vision Pro: Apple ‘enterra’ metaverso com sua própria palavra da moda, a computação espacial

Meta e Mark Zuckerberg podem estar prestes a perder batalha pelo nome do que deve ser o futuro da internet

Foto do author Guilherme Guerra
Por Guilherme Guerra

Metaverso, palavra notabilizada por Mark Zuckerberg para definir o futuro da internet nas próximas décadas, virou coisa do passado. Agora, empresas de tecnologia e startups dedicam-se a um novo termo: computação espacial.

PUBLICIDADE

O conceito foi apresentado pela Apple em junho do ano passado, quando a companhia revelou os óculos Vision Pro. Nesta sexta-feira, 2, o aparelho enfim chega às lojas dos Estados Unidos, com preços que partem de US$ 3,5 mil (equivalente a R$ 17,5 mil) e vão a até US$ 4,5 mil (R$ 22,5 mil), e a promessa de abrir uma nova área de inovação no mundo.

Pouco afeita a modismos do mercado de tecnologia, a empresa fundada por Steve Jobs em 1976 não adotou a palavra “metaverso” para definir seu novo dispositivo. Mas o conceito está de alguma forma ligado ao que a marca chama computação espacial: quando elementos do mundo real misturam-se com aspectos virtuais, como avatares, gêmeos virtuais e jogos imersivos em espaços físicos.

“O Vision Pro permite que os usuários interajam com o conteúdo digital de uma forma que pareça que ele está fisicamente presente em seu espaço”, diz a Apple no comunicado de divulgação do produto. A interface tridimensional exibida no aparelho recebe comandos por voz, gestos das mãos e de movimento dos olhos, graças à mais de uma dúzia de sensores embutidos nos óculos. “Basta olhar para um elemento, tocar com os dedos para selecionar e usar o teclado virtual ou o ditado para digitar.”

Vision Pro, da Apple, foi revelado em junho de 2023 e chega às lojas em janeiro de 2024, por US$ 3,5 mil nos Estados Unidos Foto: Jeff Chiu/AP - 5/6/2023

Esse conceito é bastante similar ao que o mercado de tecnologia chama de realidade mista, na qual a realidade virtual (RV) e realidade aumentada (RA) são alavancadas por um aparelho capaz de performar essas atividades de imersão num ambiente digital ou de interação com o mundo real — como o Vision Pro. Não à toa, essas três ideias são os pilares do metaverso.

“Computação espacial é a maior parte do que chamamos de metaverso”, explica Daniel Franulovic, líder de metaverso para a América Latina na Accenture. Segundo ele, o conceito apresentado pela Apple é técnico: trata-se de uma nova maneira de apresentar conteúdos e de programar aplicativos imersivos tridimensionais. “Já o metaverso é o futuro da internet.”

Computação espacial é a maior parte do que chamamos de metaverso

Daniel Franulovic, consultor na Accenture

Em 2021, quando Zuckerberg anunciou o foco no metaverso, o fundador do Facebook vislumbrava um mundo de hologramas, reuniões virtuais dinâmicas e redes sociais interativas, muito além das páginas bidimensionais vistas hoje na web. Para isso, a Meta lançou uma família de dispositivos especializados para operar esse sistema, como os óculos Quest 3, vendido nos Estados Unidos por US$ 500.

Publicidade

De forma similar, mas com preço muito mais alto, a Apple aposta que os óculos Vision Pro vão permitir novos tipos de interação em termos de computação, como filmes e séries com telas infinitas, videochamadas dinâmicas, navegação multitarefas, fotos tridimensionais e outros usos. Leia mais aqui.

Vision Pro, da Apple, permite trabalhos multitarefas, com várias janelas em diversos aplicativos Foto: Divulgação/Apple

Na prática, porém, tanto a Apple quanto a Meta estão jogando a mesma partida, o que explica a confusão entre metaverso e computação espacial. Ambos dispositivos das duas empresas permitem rodar centenas de jogos, transmitir filmes e séries de televisão, alavancam produtividade no mundo do trabalho e podem ser úteis em exercícios. “Os óculos de realidade virtual da Meta são, sim, de computação espacial”, aponta Franulovic.

Briga de nomenclaturas

A Apple e a Meta agora brigam não só pelo mercado de realidade mista, mas também pela chance de cunhar um termo novo que defina toda a indústria: computação espacial ou metaverso.

PUBLICIDADE

A companhia do iPhone já deixou claras suas intenções. Em outubro de 2022, o executivo Greg Joswiak, chefe de marketing da empresa, afirmou que metaverso é uma palavra “que nunca vou usar”, segundo entrevista ao jornal Wall Street Journal. Já o CEO Tim Cook afirmou no mesmo mês, em entrevista ao jornal holandês Bright, que não sabe “se uma pessoa comum sabe dizer o que é o metaverso”.

Além disso, nas diretrizes dadas a desenvolvedores de aplicativos sobre o Vision Pro, a companhia americana recomenda que os apps não utilizem as palavras “realidade virtual” nem “realidade aumentada” na descrição de seus serviços e atividades. Ou seja, a Apple está tentando fazer “pegar” a palavra computação espacial, e não os sinônimos que vinham sendo usados até então.

Se a Apple conseguir transformar a computação espacial em algo massificado, esse vai ser o fim da palavra metaverso

Júnior Borneli, CEO da StartSe

Para o executivo Júnior Borneli, presidente executivo e fundador da escola de empreendedorismo digital StartSe, o metaverso se tornou uma palavra “associada a uma empresa” — a Meta. “Tornou-se algo utópico. E remete a algo que não funcionou”, explica. “Por isso, nenhuma empresa vai se arriscar a dizer que criou algo para o metaverso.”

Franulovic aponta que o metaverso passa hoje por um problema: a velocidade da tecnologia (que exige capacidade enorme de processamento de informações e gráfica, o que ainda não é viabilizado em dispositivos no mercado) versus a expectativa das pessoas, que entraram na proposta de futuro da internet anunciada por Zuckerberg no meio da pandemia de covid-19. “Houve um hype exagerado em cima do metaverso”, aponta ele.

Publicidade

Vision Pro, da Apple, permite ampliar telas em tamanhos em qualquer escala Foto: Divulgação/Apple

Por isso, o sucesso do Vision Pro, e do conceito de computação espacial, pode ser a pá de cal no metaverso — ao menos a nomenclatura, já que o conceito deve continuar vigorando. “Eu não apostaria contra a Apple”, diz o especialista da Accenture, citando sucessos como o Mac, iPod e iPhone no currículo da marca.

“Se a Apple conseguir transformar a computação espacial em algo massificado, esse vai ser o fim da palavra metaverso”, prevê Borneli, da StartSe.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.