Zambelli é intimada pelo STF no plenário da Câmara e diz ser reação a pedido de impeachment de Lula

Carla Zambelli é ré por ter sido flagrada com arma em punho perseguindo o jornalista Luan Araújo às vésperas do 2º turno das eleições; deputada questiona intimação ter sido entregue depois de anunciar pedido de impeachment contra o presidente

Foto do author Rafaela  Ferreira
Por Rafaela Ferreira
Atualização:

BRASÍLIA – O Supremo Tribunal Federal (STF) intimou a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP), dentro do plenário da Câmara nesta quarta-feira, 21, a apresentar esclarecimentos na investigação sobre porte ilegal de arma de fogo e constrangimento. Em 2022, a parlamentar empunhou uma pistola enquanto perseguia um homem às vésperas do segundo turno das eleições. Ela tem dez dias para identificar a defesa.

Carla Zambelli, deputada federal pelo PL Foto: Wilton Junior/Estadão

PUBLICIDADE

Em vídeo publicado nas redes sociais, a deputada chamou a intimação de “presentinho do STF” e questionou se foi uma “coincidência” o documento ter sido entregue depois de ela anunciar o pedido impeachment contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O requerimento, articulado pela aliada do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), é baseado na comparação feita por Lula da ação de Israel na Faixa de Gaza ao Holocausto.

Segundo Zambelli, um oficial de Justiça tentou entregar a intimação para ela em outras duas oportunidades, em sua casa e no gabinete na Câmara, mas ela não estava presente.

“Achei estranho a veemência com que quiseram me intimar naquele dia, porque vindo em casa, depois na Câmara. A questão dela (oficial de Justiça) ter ido até o plenário foi eu que pedi para ela entrar, porque ela estava na porta. Agora, ir até a Câmara para ficar insistindo, um dia depois do impeachment, achei um pouco estranho”, disse a deputada.

A parlamentar virou ré em agosto de 2023 após ser flagrada em vídeo com arma em punho perseguindo o jornalista Luan Araújo, em outubro de 2022, nos Jardins, em São Paulo. A denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República (PGR) foi apresentada em janeiro de 2023.

O órgão pede a condenação de Zambelli, uma indenização de R$ 100 mil por danos morais coletivos e o cancelamento em definitivo do porte de arma de fogo. O placar da votação pela abertura da ação na Corte foi de nove a dois. O relator é o ministro Gilmar Mendes e o caso está em segredo de justiça.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.