PUBLICIDADE

Lula e 14 autoridades de 1º escalão do governo se mobilizam após ataque hacker a Janja

Primeira-dama teve conta no X invadida e hackers publicaram mensagens misóginas e ofensivas; 13 ministros e o delegado-geral da PF se mobilizaram em apoio a Janja

Foto do author Tácio Lorran
Por Tácio Lorran
Atualização:

BRASÍLIA – Quatorze autoridades do 1º escalão do governo federal, além do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), se manifestaram contra o ataque hacker sobre o perfil no X (antigo Twitter) da primeira-dama Rosângela da Silva. Na noite dessa segunda-feira, 11, hackers invadiram a conta de Janja e publicaram ofensas contra ela e ao presidente Lula. Em menos de 24 horas, a Polícia Federal (PF) foi acionada e realizou uma operação contra os invasores, a Advocacia-Geral da União (AGU) enviou uma notificação extrajudicial para o X e ministros saíram em solidariedade à primeira-dama, aproveitando para defender a regulação das redes sociais.

Nas postagens, os hackers intercalaram mensagens de cunho sexual com outras direcionadas ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, ao presidente Lula e a políticos em geral. Foram publicadas cerca de 30 mensagens, até que o perfil de Janja, que tem mais de 1,2 milhão de seguidores, foi bloqueado.

Entre postagens ofensivas, invasor disse que Lula e Janja não se importam com ele Foto: Divulgação

PUBLICIDADE

O diretor-geral da Polícia Federal, Andrei Rodrigues, afirmou logo na noite de segunda-feira a abertura de investigação para apurar o caso. Nessa terça-feira, 12, a corporação realizou quatro mandados de busca e apreensão em endereços ligados aos suspeitos em Minas Gerais. Os mandados foram expedidos pelo Supremo Tribunal Federal. Na ação, a PF apreendeu computadores e celulares. Os aparelhos vão passar por perícia nos próximos dias, e um dos objetivos é verificar se outras pessoas participaram do planejamento do ataque hacker.

Na noite dos ataques, a Advocacia-Geral da União (AGU) enviou uma notificação extrajudicial ao X cobrando uma “rápida solução” do caso. O órgão, comandado pelo ministro Jorge Messias, pediu que a plataforma congele a conta de Janja até o fim das investigações e preserve todos os registros e elementos digitais, como logs de acesso, endereços IP, mensagens diretas e quaisquer outras informações relevantes.

A primeira-dama Janja teve a conta no X (antigo Twitter) invadida na segunda-feira, 11 Foto: Wilton Junior/Estadão

A Secretaria de Comunicação Social (Secom) do governo federal também anunciou na segunda-feira que todas as medidas cabíveis estão sendo tomadas pelo governo. O chefe da Pasta, o ex-deputado federal Paulo Pimenta (PT), foi o ministro que mais comentou o caso. Foram cinco postagens, incluindo dois retuítes, contra o ataque hacker. “Canalhas criminosos hackearam o perfil da Janja. Serão identificados e responderão por mais esse crime. Os covardes que compartilham e comentam destilando seu ódio, preconceito e violência também serão identificados”, escreveu Pimenta no X.

Já o ministro dos Direitos Humanos, Silvio Almeida, aproveitou a situação para defender a regulação das plataformas digitais. “É espantosa, mas não surpreendente, a postura das redes sociais, particularmente da plataforma X (antigo Twitter), que falham miseravelmente em garantir a segurança do usuário. E o pior: ainda são lenientes e permissivas diante do discurso de ódio, da misoginia e da intolerância”, disparou Almeida.

Além de Rodrigues, Messias, Pimenta e Almeida, outros 10 ministros publicaram ou retuitaram mensagens em apoio a Janja. São eles: Anielle Franco (Igualdade Racial), Esther Dweck (Gestão e Inovação), Márcio França (Micro e Pequenas Empresas), Sônia Guajajara (Povos Indígenas), Marina Silva (Meio Ambiente), Márcio Macêdo (Secretaria-Geral), Paulo Teixeira (Desenvolvimento Agrário), Cida Gonçalves (Mulheres), André Fufuca (Esportes) e Alexandre Padilha (Relações Institucionais).

Publicidade

O presidente Lula publicou, por sua vez, uma mensagem às 12h53 dessa terça e cobrou o rigor da lei aos envolvidos. “As mulheres são as principais vítimas de crimes virtuais e não podemos tolerar mais episódios como esses contra as mulheres”, escreveu o petista, ao postar uma foto ao lado da esposa.

Entre os ministros que não se manifestaram está o atual chefe da Pasta da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino. Ele tem um histórico de embates nas redes sociais e uma forte atuação a favor da regulação das plataformas digitais, mas tem evitado conflitos uma vez que é sabatinado pelo Senado nesta quarta-feira, 13, para uma vaga no STF. Apesar do silêncio de Dino, seu secretário-executivo, Ricardo Cappelli, contudo, retuitou a mensagem de Lula em apoio a Janja.

Desde o início do terceiro mandato de Lula na Presidência, a primeira-dama tem poder de veto no governo e chega a interferir em áreas como economia, Defesa e publicidade. Janja tem dado a palavra final, por exemplo, em propagandas institucionais do governo. Senadores e deputados petistas dizem que a mulher do presidente se colocou como um poder entre o gabinete presidencial, a base aliada e ministros.

Em entrevista ao jornal O Globo, Janja afirmou que deseja ter um gabinete próprio no Palácio do Planalto. “Falam muito de eu não ter um gabinete, mas precisamos recolocar essa questão. Nos EUA, a primeira-dama tem. Tem também agenda, protagonismo, e ninguém questiona. Por que se questiona no Brasil? Vou continuar fazendo o que acho correto. Sei os limites. Eu quero saber das discussões, me informar, não quero ouvir de terceiros”, justificou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.