PUBLICIDADE

Pablo Marçal diz que União Brasil quer sua ‘alma’ para apoiá-lo na eleição a prefeito de SP

Pré-candidato afirmou que partido está cobrando “muito caro” para fechar apoio; sigla foi procurada por meio da assessoria de imprensa, mas ainda não se manifestou

PUBLICIDADE

Foto do author Pedro Augusto Figueiredo
Atualização:

Pablo Marçal, pré-candidato a prefeito de São Paulo do PRTB, disse nesta quarta-feira, 10, que o União Brasil, partido presidido pelo vereador Milton Leite na capital paulista, está “cobrando caro” para apoiá-lo na eleição. “O que eles estão me pedindo é caro pra mim. É a minha alma e eu não quero entregar isso”, disse o influenciador durante sabatina promovida pelo site UOL e pelo jornal Folha de S. Paulo.

PUBLICIDADE

Ele indicou que quer crescer nas pesquisas de intenção de voto para fortalecer sua posição na negociação. Marçal disse ainda que seu candidato a presidente da República em 2026 é o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), mas que pode apoiar Ronaldo Caiado (União-GO) caso receba o apoio do União para a eleição de outubro e o ex-chefe do Executivo não consiga reverter sua inelegibilidade.

“O União provavelmente vai andar com a gente. Só não selou ainda porque está caro demais o pedido deles”, declarou Marçal.

Pablo Marçal (PRTB), anunciado como pré-candidato à prefeitura de São Paulo nas eleições de 2024 Foto: Enzo Beckham/Divulgação Blog Pablo Marçal

Milton Leite disse à Coluna do Estadão na semana passada que a relação com o atual prefeito “está uma m....” por causa da falta de espaço na Prefeitura e que a sigla está “a meio caminho do desembarque”. No final de semana, o vereador disse ao Estadão que não conhece Marçal nem suas propostas e não conversou com ele. O União Brasil foi procurado, mas ainda não respondeu se quer comentar as declarações do influenciador.

Marçal declarou ainda que vencerá a eleição no primeiro turno e que não usará recursos do Fundo Partidário pois há muitas pessoas querendo doar para sua campanha. Ele indicou que sua vice deve ser uma mulher, citando a médica Nise Yamaguchi (União), que defendeu cloroquina como tratamento para a Covid-19, e uma vereadora de São Paulo que ele não revelou o nome.

De acordo com a última pesquisa Datafolha, publicada em 5 de julho, Marçal tem 10% das intenções de voto. Ricardo Nunes (MDB), com 24%, e Guilherme Boulos, com 23%, lideram a disputa. O apresentador José Luiz Datena (PSDB) tem 11% e Tabata Amaral (PSB), 7%. A margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Na sabatina, o empresário disse ser contra a descriminalização da maconha, a equiparação do crime de aborto ao crime de homicídio, ao uso de câmeras nos uniformes de agentes de segurança e a cobrança de multas para quem doa comida à população de rua.

Publicidade

Por outro lado, afirmou ser favorável ao porte de armas e à privatização da Sabesp, mas defendeu que tarifa zero no transporte público continue apenas no domingo. “No geral não faz sentido”, declarou. Disse ainda que seu mentor é Jesus; depois, quando foi pedida uma referência da política brasileira, citou Rui Barbosa.

Influenciador defende Bolsonaro no caso das joias e coloca atuação da PF em xeque

Marçal, que busca os votos bolsonaristas, considera que a Polícia Federal age de forma política e defendeu Jair Bolsonaro (PL) do indiciamento no caso das joias sauditas. Segundo relatório da PF, o ex-presidente cometeu os crimes de associação criminosa, peculato e lavagem de dinheiro.

“Ele usa um relógio G-Shock, ele não gosta dessa presepada que o Lula gosta, de Patek Philippe”, afirmou. De acordo com a Polícia Federal, Bolsonaro atuou diretamente para desviar um relógio da marca citada por Marçal e vendê-lo nos EUA, entre outras joias. “Se ele não pode ficar com os presentes, eu duvido que ele vá ficar”, acrescentou.

A defesa do ex-presidente argumenta que todos os presentes recebidos seguiram protocolo rigoroso de tratamento e catalogação pelo Gabinete Adjunto de Documentação Histórica da Presidência da República.

PUBLICIDADE

Pablo Marçal também se considera perseguido. Ele é investigado pela Polícia Federal pelos supostos crimes de falsidade ideológica eleitoral, apropriação indébita eleitoral e lavagem de dinheiro na eleição de 2022. Ele sugeriu, sem provas, que há um “rolê” da imprensa contra ele.

“Eu acredito em Deus. Todo mundo é corrompível”, respondeu, ao ser questionado se acreditava no trabalho da Polícia Federal.

Mesmo sem o apoio de Jair Bolsonaro (PL), que se aliou a Nunes, Marçal compareceu aos dois dias da Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC Brasil), em Balneário Camboriú (SC), no final de semana — ele não foi convidado pela organização da conferência e disse ter pago o ingresso como os demais espectadores.

Publicidade

O influenciador afirmou que continua amigo do ex-presidente e que estava no evento porque era conservador. Normalmente, ele diz que não é nem de esquerda nem de direita, mas sim “governalista”, termo cunhado por ele próprio que significa que a pessoa deve cuidar dela primeiro antes dos outros.

Ele voltou a criticar o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, por retirar a candidatura do deputado federal Ricardo Salles (PL) para apoiar Ricardo Nunes. O acordo, contudo, também foi aceito por Bolsonaro, que indicou o coronel da reserva Mello de Araújo como vice na chapa.

“O eleitor do Bolsonaro é um eleitor que pensa. Os bolsonaristas estão me mandando mensagem elogiando minhas entrevistas”, disse Marçal, demonstrando esperança que conseguirá votos nesta fatia do eleitorado.

Marçal volta a responsabilizar Tabata por suicídio do pai

O pré-candidato do PRTB voltou a criticar a deputada Tabata Amaral (PSB). Embora tenha voltado atrás na declaração de que ela não poderia ser prefeita porque não tem filhos e não é casada, ele afirmou que a parlamentar lhe imputou um crime falso ao chamá-lo de “estelionatário”.

Marçal foi condenado 2010 pela participação em uma quadrilha que roubava dinheiro de bancos por meio de golpes na internet. Ele nunca cumpriu pena porque o crime prescreveu. “Essa quadrilha eu nem sei quem é. Eu consertava computador pra um cara e um dia tomei um processo de 13 anos”, declarou, classificando a condenação como “injusta”.

O empresário, porém, reafirmou que considera Tabata responsável pelo suicídio do pai. Na última quinta-feira, 4, Marçal insinuou que a morte foi em decorrência da parlamentar ter ido estudar em Harvard. Porém, a deputada ainda estava no Brasil naquele momento.

“Se ela estava aqui ainda e ele morreu, é pior ainda para ela. O meu pai sofreu disso por 30 anos e a gente não largou ele. Toda família é responsável pelos seus”, disse Marçal na sabatina. O pai de Tabata, segundo ela própria, era bipolar, mas nunca foi diagnosticado, e se tornou alcoólatra e usuário de crack ao longo da vida.

“É uma falta de caráter absurda, é perverso, é nojento mesmo”, disse Tabata em vídeo publicado nas redes sociais, como resposta na semana passada. Ela afirma ter chegado a desistir de ir estudar em nos EUA, mas foi incentivada pela família e professores. “Com 18 anos, eu estava num país estranho e estudava o dia inteiro e trabalhava à noite com um babá pra mandar dinheiro pra minha mãe. Pablo Marçal, com essa mesma idade, fazia parte de uma quadrilha de roubo de banco”, declarou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.