PUBLICIDADE

Veja os aliados de Jair Bolsonaro que foram ao ato na Avenida Paulista neste domingo

Deputados estaduais, deputados federais, senadores e governadores estiveram presentes na Paulista; confira quem teve direito a falar no palanque e como foram os discursos

Foto do author Juliano  Galisi
Por Juliano Galisi

O ato em apoio a Jair Bolsonaro (PL) na Avenida Paulista neste domingo, 25, reuniu deputados estaduais, deputados federais, senadores e governadores aliados do ex-presidente. Do trio elétrico em uma das vias mais importantes da capital paulista, alguns deles discursaram para uma multidão de 600 mil pessoas, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP).

O ex-chefe do Executivo convocou a manifestação após se tornar alvo de investigação da Polícia Federal (PF) sobre a suposta participação dele em tentativa de golpe de Estado após as eleições de 2022.

Ato pró-Bolsonaro reuniu apoiadores do ex-presidente na Avenida Paulista neste domingo, 25 Foto: Tiago Queiroz/Estadão

PUBLICIDADE

Dezenas de parlamentares da oposição ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estiveram no ato. Quatro chefes de Executivos estaduais também estiveram na Avenida Paulista para manifestar apoio a Bolsonaro.

Autoridades estavam identificadas com uma pulseira verde, que garantia o acesso do convidado especial ao palanque principal e a outro auxiliar, em trios elétricos alugados pelo pastor Silas Malafaia, idealizador da manifestação. O direito de discursar, porém, foi restrito a sete pessoas, incluindo Bolsonaro.

Veja quem esteve presente no ato em apoio a Jair Bolsonaro.

Governadores e vices

  • Jorginho Mello (PL-SC);
  • Romeu Zema (Novo-MG);
  • Ronaldo Caiado (União Brasil-GO);
  • Tarcísio de Freitas (Republicanos–SP);
  • Celina Leão (PP-DF), vice-governadora;
  • Felício Ramuth (PSD-SP), vice-governador.

Senadores

  • Carlos Heinze (PP-RS);
  • Ciro Nogueira (PP-PI), ex-ministro-chefe da Casa Civil de Bolsonaro;
  • Cleitinho (Republicanos-MG);
  • Flávio Bolsonaro (PL-RJ);
  • Jorge Seif (PL-SC);
  • Magno Malta (PL-ES);
  • Marcos Pontes (PL-SP), ex-ministro de Ciência e Tecnologia de Bolsonaro;
  • Marcos Rogério (PL-RO);
  • Marcos do Val (Podemos-ES);
  • Rogério Marinho (PL-RN), ex-ministro do Desenvolvimento Regional de Bolsonaro.

Publicidade

Deputados federais

  • Alberto Fraga (PL-DF);
  • Alexandre Ramagem (PL-RJ), pré-candidato à prefeitura do Rio de Janeiro;
  • André Fernandes (PL-CE);
  • Carla Zambelli (PL-SP);
  • Carlos Jordy (PL-RJ), pré-candidato à prefeitura de Niterói;
  • Carlos Portinho (PL-RJ);
  • Caroline de Toni (PL-SC);
  • Delegado Eder Mauro (PL-PA);
  • Eduardo Pazuello (PL-RJ);
  • Gilvan da Federal (PL-ES);
  • Gustavo Gayer (PL-GO), pré-candidato à prefeitura de Goiânia;
  • Helio Lopes (PL-RJ);
  • Marcel van Hattem (Novo-RS);
  • Marco Feliciano (PL-SP);
  • Nikolas Ferreira (PL-MG);
  • Ricardo Salles (PL-SP), ex-ministro do Meio Ambiente de Bolsonaro;
  • Sargento Fahur (PSD-PR).

Deputados estaduais

  • Caporezzo (PL-MG), deputado estadual;
  • Delegada Sheila (PL-MG), deputada estadual;
  • Lucas Bove (PL-SP), deputado estadual;
  • Tomé Abduch (Republicanos-SP), deputado estadual.

Outras autoridades

  • Ricardo Nunes (MDB), prefeito de São Paulo e pré-candidato à reeleição;
  • Marina Helena (Novo), pré-candidata à Prefeitura de São Paulo;
  • Padre Kelmon (PRD), ex-presidenciável e pré-candidato à Prefeitura de São Paulo;
  • Arthur Virgílio, ex-senador e ex-prefeito de Manaus;
  • Deltan Dallagnol (Novo-PR), deputado cassado;
  • João Roma (PL-BA), ex-ministro da Cidadania de Bolsonaro;
  • Major Vitor Hugo (PL-GO), ex-deputado federal;
  • Marcelo Queiroga (PL-PB), ex-ministro da Saúde de Bolsonaro.

Quem discursou no ato

Além do ex-presidente, que foi o último a falar, discursaram no ato a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro, os deputados federais Gustavo Gayer (PL-GO) e Nikolas Ferreira (PL-MG), o senador Magno Malta (PL-ES), o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), e Malafaia.

PUBLICIDADE

O primeiro discurso foi de Michelle, em fala permeada por referências bíblicas. “Por um bom tempo fomos negligentes a ponto de falarmos que não poderia misturar política com religião, e o mal tomou o espaço. Chegou o momento da libertação”, disse a ex-primeira-dama e presidente do PL Mulher, braço feminino da legenda.

Em seguida, falaram ao público na Paulista Gustavo Gayer e Nikolas Ferreira, parlamentares do PL na Câmara. Gayer, que é pré-candidato a prefeito de Goiânia, enfatizou o número de presentes na Paulista. “Hoje, um recado está sendo dado, e o recado é: ‘Nós não vamos parar, nós não vamos desistir’”, disse.

Nikolas Ferreira discursou em seguida e conclamou um possível retorno de Jair Bolsonaro à Presidência, ainda que o ex-presidente esteja inelegível até 2031. ”Nossos filhos e os filhos dos nossos filhos verão um Brasil verde e amarelo”, afirmou.

Publicidade

Quem fechou a tríade de parlamentares do “núcleo duro” do bolsonarismo foi o senador Magno Malta. Pastor, ele fez um discurso com referências cristãs, assim como a ex-primeira-dama. “A diferença entre nós e eles é que o mar (Vermelho, referência bíblica) fica revolto a nós. A diferença é que Jesus está no nosso barco”, disse, na breve intervenção.

Tarcísio de Freitas, na sequência, fez elogios efusivos a Bolsonaro, seu padrinho político. “Bolsonaro não é mais um CPF, não é mais uma pessoa”, disse o governador de São Paulo, para quem o ex-presidente passa a representa um “movimento”.

O chefe do Executivo estadual discursou em nome dos outros governadores presentes: Ronaldo Caiado (União), de Goiás, Jorginho Mello (PL), de Santa Catarina, e Romeu Zema (Novo), de Minas Gerais.

O entorno político dele se envolveu diretamente no chamamento ao ato. Arthur Lima, secretário-chefe da Casa Civil de São Paulo, convocou manifestantes às ruas por meio das redes.

Bolsonaro é um 'movimento', disse Tarcísio de Freitas, governador de São Paulo Foto: Taba Benedicto/Estadão

A Silas Malafaia, que não possui cargo eletivo, coube o discurso mais inflamado. Com constantes ressalvas de que não discursava em ataque ao Supremo Tribunal Federal (STF), o pastor fez críticas contundentes à Corte.

Alexandre de Moraes disse que a extrema direita tem que ser combatida na América Latina. Como um ministro do STF tem lado?”, criticou o pastor, que também mirou Luís Roberto Barroso, presidente do Supremo. “Ministro Barroso disse: ‘Nós derrotamos o bolsonarismo’. Isso é uma vergonha. É uma afronta ao povo”, afirmou Malafaia ao público na Paulista.

Segundo o pastor, se Bolsonaro for preso, o “destruído” não será o ex-presidente. “Você vai sair de lá exaltado. Se eles te prenderem, não vai ser para a sua destruição, mas para a destruição deles. Você vai sair de lá exaltado.”

Publicidade

Em discurso que fechou o ato, Jair Bolsonaro negou liderar uma articulação golpista depois da derrota nas eleições. “Golpe é tanque na rua, é arma, é conspiração. Nada disso foi feito no Brasil. Por que continuam me acusando de golpe?”, disse. “Golpe usando a Constituição? Deixo claro que estado de sítio começa com presidente convocando conselho da República. Isso foi feito? Não.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.