PUBLICIDADE

Você adora mandar áudio, mas seus amigos gostam de recebê-los? Experts em etiqueta dão dicas

Inconvenientes e práticas, as mensagens de voz estão cada vez mais presentes na vida das pessoas; entenda quando e como usar e veja sugestões para não incomodar os outros além da conta com seus podcasts particulares

Por Carly Lewis

THE NEW YORK TIMES - Essa cena se tornou comum. Seu telefone apita, mas em vez de uma mensagem de texto, é um aviso de que alguém gravou só para você um podcast particular de qualquer duração imaginável, cujo assunto é desconhecido até que você aperte o play. Pode ser um pedaço suculento de fofoca, uma história repleta de reviravoltas ou um relato totalmente mundano de alguém que simplesmente não tinha as mãos livres para digitar.

É uma mensagem de voz - de certa forma, uma das formas mais controversas de comunicação moderna.

PUBLICIDADE

Mais íntimas do que um texto e menos urgentes do que uma ligação, as mensagens de áudio não estabelecem um limite máximo de tempo, ao contrário de outros serviços de mensagens de voz, que acabam cortando o remetente. Isso significa que os autores podem gravar e embarcar em uma jornada verbal desinibida, deixando os destinatários à sua mercê.

“Se eu tiver que ouvir uma mensagem por mais de um minuto, eu me distraio e paro de absorvê-la”, disse Iris Meines, 29 anos, oficial de políticas do Consulado da Holanda em Nova York. Se for menos de um minuto, eu penso: “Ok, eu consigo fazer isso. Seis ou sete é simplesmente terrível. Nem sei se conseguiria ouvir sete minutos seguidos de um amigo falando ao telefone.”

Mensagens de voz são uma das formas mais controversas de comunicação moderna. Foto: Yaroslav Astakhov - stock.adobe.com

Ela disse que geralmente faz anotações enquanto a gravação é reproduzida, para não esquecer os pontos a serem respondidos. (A Apple adicionou um recurso de transcrição para mensagens de áudio com uma atualização de seu sistema operacional no segundo semestre de 2023).

“Meus amigos sabem que eu não gosto de recebê-las”, disse Meines. “Eu pergunto a eles: ‘Por que você está fazendo isso comigo?’” Ela acha particularmente irritante quando consegue ouvir as pessoas mastigando enquanto gravam.

Para Meines, os áudios são um pouco inconvenientes - ela prefere falar ao telefone ou enviar mensagens de texto se não puder ver seus amigos cara a cara, disse. Mas, para outros, elas parecem beirar, se não um problema moral, pelo menos uma questão de etiqueta. Escrevendo na revista The Atlantic, Jacob Sweet argumentou recentemente que as mensagens de voz eram “indulgentes” e poderiam “incentivar o egoísmo”. Uma manchete do site The Spectator descreveu sua onipresença como uma “tirania”.

Publicidade

Elaine Swann, especialista em etiqueta que dá aulas para adultos e crianças, disse que as mensagens de áudio não devem ser usadas para monólogos longos, mas somente nos casos em que “o tom é necessário, mas uma conversa não” - um pedido de desculpas, por exemplo.

Enquanto os millennials ficaram conhecidos por evitar deixar mensagens no correio de voz, a geração Z tem a reputação de evitar totalmente as ligações telefônicas. Foto: Andrii Nekrasov - stock.adobe.com

“Exercite o autocontrole”, disse ela. “Não entre na vida de alguém com uma mensagem de voz prolixa”. Mensagens mais detalhadas, disse Swann, devem ser guardadas para uma ligação telefônica, quando ambas as partes podem se envolver ativamente.

Para os que têm aversão ao telefone, pode ser mais fácil falar do que fazer. Enquanto os millennials ficaram conhecidos por evitar deixar mensagens no correio de voz, a geração Z tem a reputação de evitar totalmente as ligações telefônicas. Em um estudo realizado em maio passado, pesquisadores australianos descobriram que 87% dos entrevistados com idades entre 18 e 26 anos preferiam lidar com diálogos desagradáveis por texto em vez de telefonar, e 49% disseram que as ligações os deixavam ansiosos.

Isso pode ajudar a explicar por que as gravações de voz - que foram introduzidas pela Apple há uma década, mas que só ganharam popularidade nos últimos anos - parecem ser especialmente populares entre a geração Z.

PUBLICIDADE

No entanto, as gerações mais velhas também podem se sentir angustiadas com o celular. Alana Jordan, 36 anos, atriz e apresentadora em Los Angeles, disse que viu os áudios como uma forma de controlar esse nervosismo. Ela ouve as mensagens antes de enviá-las e as grava novamente se quiser ajustar o tom. “Ter a capacidade de editar a si mesma alivia a ansiedade de ser mal interpretada”, disse ela.

Alguns especialistas dizem que pode haver pontos negativos em evitar esses desconfortos. Sherry Turkle, psicóloga do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, alertou sobre uma “fuga da vulnerabilidade” generalizada.

Segundo ela, os usuários de mensagens de voz “não precisam responder ao atrito do sentimento de outra pessoa” se houver um desacordo, por exemplo, ou uma pergunta inesperada.

Publicidade

Especialistas alertam que evitar falar ao telefone pode significar uma “fuga da vulnerabilidade”.  Foto: Semiglass - stock.adobe.com

“As mensagens de voz são essencialmente sem risco”, disse Turkle, que também é autora de Reclaiming Conversation: The Power of Talk in a Digital Age (”Recuperando a conversa: O poder de falar em uma era digital”, em tradução livre). “As pessoas estão perdendo a capacidade de ter conversas empáticas, que é como nos conectamos uns com os outros. Precisamos praticar isso. As pessoas estão muito preocupadas com a possibilidade de mostrar demais de si mesmas.”

Mas, em vez de achar que as mensagens de voz são impessoais ou fechadas, muitos de seus defensores - muitas vezes tão veementes quanto seus críticos - dizem que elas permitem um tipo especial de intimidade e vulnerabilidade.

Brittany Marshall, uma estudante de 27 anos que se mudou da Louisiana para Nova Jersey para estudar literatura afro-americana, disse que não era a maior fã das gravações de voz. “Tenho que parar o que estou fazendo e ouvi-las”, disse ela. “Depois, tenho que me lembrar de tudo para poder comentar na minha resposta.”

Mas ela as recebe de bom grado de um amigo íntimo que mora em sua cidade natal. A voz familiar é reconfortante, explicou ela, e o estilo expressivo de falar do amigo - graças à sua formação em teatro - a faz rir.

Gemalene Sunga, estudante de imunologia em Houston, disse que não gosta de ser bombardeada com uma série de áudios - seus amigos enviam “seis ou sete seguidos, todos com dois minutos de duração, no mínimo”, disse ela. “Mas gosto de ouvir a voz de meus amigos.”

Algumas pessoas consideram as mensagens de voz reconfortantes. Foto: fizkes - stock.adobe.com

Sunga, 31 anos, acrescentou que, em uma visão mais ampla, ela também aprecia as mensagens de voz como lembranças digitais. Embora o sistema operacional da Apple tenha como padrão excluir as mensagens após dois minutos, os destinatários têm a opção de salvá-las para sempre.

“Não quero ser mórbida, mas sou uma pessoa tão nostálgica que penso nessas coisas”, disse ela. “As mensagens de voz não são tangíveis, mas são sentimentais para mim.”

Publicidade

Tanto que, apesar do potencial de se tornarem irritantes, Sunga está tentando fazer com que seus amigos lhe enviem mensagens de voz com ainda mais frequência, enviando-as ela mesma. “Só faço isso com segurança com amigos específicos e analiso a situação”, disse ela. “Quero ter consideração.”

Como acontece com qualquer nova forma de tecnologia de comunicação, pode levar algum tempo até que todos estejam de acordo sobre as cortesias adequadas. “Com as mensagens de voz, ainda não há uma norma estabelecida, por isso as pessoas têm interpretações diferentes”, disse Melanie Green, presidente do departamento de comunicação da Universidade de Buffalo.

Há pesquisas que comprovam que as palavras ditas em voz alta são mais bem lembradas do que as lidas em silêncio e que falar consigo mesmo pode ser terapêutico. Em 2007, pesquisadores da UCLA descobriram que a rotulação de afetos - o processo de colocar sentimentos em palavras - pode ajudar as pessoas a gerenciar suas respostas a emoções negativas ao longo do tempo.

Portanto, as mensagens de voz divagantes, embora potencialmente incômodas para o receptor, podem ser uma prática saudável para o remetente.

“Não gosto delas quando tenho que ouvi-las”, disse Meines. “Mas adoro enviá-las.”

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.