Postagem com convite a ato bolsonarista não foi publicada por Elon Musk, e sim por conta paródia

Usuário que aparece na imagem não é o perfil oficial do bilionário no X; empresário não publicou ‘minha parte está feita, faça sua parte’

PUBLICIDADE

Por Gabriel Belic

O que estão compartilhando: que o bilionário Elon Musk, dono do X e da Tesla, publicou uma imagem de um ato de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) com a legenda “My part is done. Now do your part” (”Minha parte está feita. Agora faça a sua parte”).

O Estadão Verifica investigou e concluiu que: é falso. A conta que fez a postagem não pertence a Elon Musk. O usuário do empresário no X é apenas seu nome (@elonmusk). Já o perfil que aparece em publicações virais tem uma letra “o” antes do nome e um “br” ao final (@oelonmuskbr). A reportagem buscou a postagem atribuída a Musk em seu perfil no X, mas não obteve nenhum resultado.

Post com imagem de ato bolsonarista não foi publicado por Elon Musk, e sim por conta paródia Foto: Reprodução/Facebook

PUBLICIDADE

Saiba mais: postagens nas redes sociais compartilham o que seria uma postagem de Elon Musk, publicada no X, em apoio a bolsonaristas. No entanto, é possível ver que a conta responsável pela publicação não é o perfil oficial do empresário. Apesar disso, usuários parecem ter acreditado que foi mesmo o bilionário quem publicou o convite à manifestação bolsonarista. “ELON MUSK TEM AGORA DEVER DE TRAZER OS FATOS E DESTRUIR AS NARRATIVAS DA ESQUEDA MALTIDA NO BRASIL!! (sic)”, diz um dos comentários.

A postagem no X é de uma conta que utiliza o nome de Musk, mas não é o perfil oficial do empresário. O post tem uma fotografia da Esplanada dos Ministérios, em Brasília, na comemoração do bicentenário da Independência do Brasil, em 7 de setembro de 2022. “My part is done. Now do your part” (“Minha parte está feita. Agora faça a sua parte”), diz a legenda.

O usuário que aparece na imagem é @oelonmuskbr. Já o perfil oficial do empresário é apenas seu nome, @elonmusk. O Estadão Verifica procurou a postagem na conta de Musk, mas não obteve resultado. Após a viralização do conteúdo, o perfil falso mudou o nome da conta e sinalizou que trata-se de um perfil paródia.

Elon Musk comentou ato de Bolsonaro no Rio

Neste domingo, 21, após a manifestação de apoiadores de Bolsonaro em Copacabana, no Rio de Janeiro, Musk comentou o ato e voltou a criticar o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Na manifestação, o ex-presidente pediu aplausos para Musk.

No X, o empresário escreveu que “ele (Alexandre) é inimigo do povo e, portanto, da democracia”. Em outra postagem, em resposta a um usuário, ele disse desejar “o melhor para o povo do Brasil”.

Publicidade

Como lidar com postagens do tipo: é comum que contas falsas utilizem nome de personalidades para atribuir declarações a elas. Neste caso, confira se o usuário condiz com o perfil oficial da figura pública mencionada. Às vezes, contas paródias também costumam sinalizar que não se trata de um perfil oficial na descrição da página.

divider

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas: apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.