PUBLICIDADE

Vídeo de homem xingando Klaus Schwab no Fórum Econômico Mundial é montagem

Damon Imani, criador do conteúdo, admitiu em suas redes sociais que a postagem era uma sátira

Por Giovana Frioli
Atualização:

O que estão compartilhando: vídeo mostra um novo participante do Fórum Econômico Mundial de 2024 em Davos dizendo “vai se f*der você e sua nova ordem mundial” para o presidente da organização, Klaus Schwab.

O Estadão checou e concluiu que: é uma sátira. Os xingamentos contra Klaus Schwab no Fórum Econômico Mundial de 2024 não aconteceram na realidade. Trata-se de um vídeo satírico feito por Damon Imani, um criador de conteúdo iraniano, que admitiu a montagem em seu perfil no X (antigo Twitter). O evento acontece em Davos, na Suíça, e reúne líderes e executivos durante cinco dias para discutir questões sobre economia, conflitos globais, crise climática e tecnologia.

Muitos usuários online republicaram o vídeo e questionam a veracidade do conteúdo. Foto: Reprodução

PUBLICIDADE

Saiba mais: É uma montagem o vídeo em que um suposto “novo participante” do Fórum Econômico Mundial de 2024 xinga o fundador da organização, Klaus Schwab, durante discurso no evento. O conteúdo é satírico e se tornou viral na internet com pessoas questionando se de fato as falas haviam acontecido.

O vídeo de 19 segundos foi produzido por Damon Imani, criador de conteúdo iraniano radicado na Dinamarca. No clipe, o homem grita palavrões e mostra imagens de Schwab e Viola Amherd, presidente da Suíça, que parecem sair envergonhados do palco. O vídeo também usa imagens do evento e do púlpito de discurso. O conteúdo foi compartilhado no X e desmentido por Imani, que defendeu o xingamento contra os líderes do Fórum de 2024.

“Agradeço que o Fórum Econômico Mundial me proporcione a oportunidade de estar neste palco e dizer: ‘f*da-se Klaus Schwab e f*da-se sua nova ordem mundial. Permaneceremos livres e você e todos os seus amigos globais, incluindo todos nesta sala, podem se f*der’.”, diz a peça satírica.

As imagens verdadeiras de Schwab e Viola Amherd usadas para criar o conteúdo foram transmitidas no canal oficial do Fórum em 16 de janeiro de 2024 e podem ser vistas a partir dos 27 minutos e 8 segundos abaixo.

Conteúdo dissemina teoria da conspiração sobre “nova ordem mundial”

Como publicou o Projeto Comprova, o Fórum Econômico Mundial é alvo de teorias da conspiração sobre a chamada “nova ordem mundial”. O termo tem origem em organizações de extrema-direita e defende que “globalistas de elite” irão controlar a população e implementar um governo totalitário único no mundo. Nos últimos anos, a teoria conspiratória se popularizou no Brasil e no mundo é utilizada também para espalhar discurso antivacina na internet.

Publicidade

A teoria de que o Fórum tem ligação com a “nova ordem mundial” passou a ser difundida com o chamado “The Great Reset”, tema da 50ª edição do evento em 2020, como mostra reportagem da Agência Pública. Na ocasião, foram discutidas a retomada da economia mundial, com a diminuição da desigualdade social e melhoria de diversos setores pós-pandemia. O termo passou a ser usado por conspiracionistas, citando Klaus Schwab como um dos líderes do suposto plano globalista.

Neste ano, o Fórum Econômico Mundial de Davos acontece a partir do dia 16 de janeiro com mais de 60 chefes de estado e também representantes do setor privado. O Brasil está sendo representado na conferência por Marina Silva, ministra do Meio Ambiente, Nísia Trindade, da Saúde, Alexandre Silveira, de Minas e Energia, Celso Amorim, assessor de Assuntos Internacionais, e Luís Roberto Barroso, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).

Como lidar com postagens do tipo: A postagem verificada possui alguns elementos que mostram que não aconteceu na realidade. É possível observar a marca d’água do criador do conteúdo no canto do vídeo e a falta de sincronização entre o discurso e os trechos em que aparecem Klaus Schwab e Viola Amherd. Em uma pesquisa pelo suposto palestrante, também conseguiríamos encontrar o próprio esclarecimento do autor sobre a sátira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.