Como uma foto adulterada de Kate Middleton desencadeou uma crise na mídia internacional

As celebridades desejam parecer perfeitas, o jornalismo aspira a contar a verdade; esses dois padrões entraram em conflito com o lançamento de uma foto que pode ter exacerbado uma crise de relações públicas na realeza

PUBLICIDADE

Por Maura Judkis (The Washington Post), Janay Kingsbery (The Washington Post), Herb Scribner (The Washington Post) e Karla Adam (The Washington Post)

Paul Clarke, um fotógrafo veterano, estava remando no Rio Tâmisa sob a chuva no domingo quando seu telefone começou a piscar.

PUBLICIDADE

A família real acabara de lançar uma foto de Kate Middleton, Princesa de Gales, e seus três filhos — oficialmente, uma publicação em homenagem ao Dia das Mães no Reinos Unido, mas que também chegou em meio a especulações frenéticas sobre a ausência marcante da futura rainha do olhar público desde a cirurgia abdominal em janeiro.

Clarke é um especialista na arte de editar e retocar fotos, e os amigos queriam a opinião dele sobre a imagem. Ele rapidamente notou algumas, hum — inconsistências.

Jornais britânicos destacam a imagem editada de Kate Middleton com os filhos Foto: Alastair Grant/AP

O que estava acontecendo com a mão da Princesa Charlotte, que parecia distorcida pela manga de sua blusa? Por que os dedos de sua mãe estavam tão borrados contra o tricô nítido do suéter do Príncipe Louis? Seriam aqueles reflexos profissionais nos olhos da família, em uma foto supostamente tirada pelo Príncipe William? A foto, Clarke observou em uma postagem nas redes sociais que rapidamente se tornou viral, continha “numerosas ... manipulações facilmente visíveis”.

Ele acrescentou: “O que eles estavam pensando?”

Dentro de horas, os principais serviços de notícias que haviam circulado as fotos do palácio — empresas como Getty Images, Agence France-Presse e Associated Press — estavam pedindo aos clientes para pararem de usá-las devido a preocupações de que a imagem tivesse sido alterada em violação de seus padrões éticos. E na segunda-feira, Kate pediu desculpas: “Como muitos fotógrafos amadores”, explicou em um comunicado oficial, ela tinha “feito experimentos com edição”.

O incidente destacou um crescente conflito entre dois tipos padrões na mídia. De um lado, as expectativas cada vez maiores de perfeição das celebridades — rostos lisos e coxas livres de celulite, melhor alcançados com um pouco de Photoshop. Do outro, certos ideais de transparência e integridade jornalística que estão cada vez mais sob ataque à medida que deepfakes de inteligência artificial e gritos de “notícias falsas” se infiltraram na cultura.

Publicidade

Também levantou questões sobre se um esforço de relações públicas desajeitado do Palácio de Kensington para lidar com a ansiedade crescente e teorias conspiratórias selvagens sobre Kate — cuja última aparição pública foi no Natal — só havia exacerbado a situação.

Novamente: “O que eles estavam pensando?”, ecoou Sally Bedell Smith, biógrafa real. “Se, como se especula, a foto foi manipulada de uma forma bastante significativa, então isso cria um problema de credibilidade bastante grande.”

Mas Clarke, que não vê conspiração (apenas “ineptidão”), acha que a questão da credibilidade está equivocada. Por que a família real não poderia querer retocar uma imagem? “Todos nós queremos fotos de nossos filhos sorrindo.”

A questão, disse ele, é se os veículos de comunicação foram rápidos demais em passá-la para o público — muito dispostos, em outras palavras, a apresentar uma imagem excessivamente bonita como notícia.

PUBLICIDADE

A ética jornalística exige que imagens publicadas em veículos de notícias retratem a realidade, livres de manipulação pós-produção como Photoshop ou outros softwares de edição. Os editores também devem garantir a veracidade de fotos tiradas em circunstâncias incertas. Imagens da guerra na Ucrânia, por exemplo, têm sido analisadas pixel por pixel em busca de evidências de desinformação potencial.

E denunciar imagens criadas por inteligência artificial sem rótulos apropriados se tornou uma indústria virtual na mídia.

Mas no mundo VIP que os reais habitam, o Photoshop não é apenas aceito — é esperado.

Publicidade

Revistas de moda e publicações focadas em celebridades não seguem os mesmos padrões dos veículos de notícias quando se trata de fotos, frequentemente retocando os sujeitos de suas sessões de capa e perfis, em prol de vender um estilo de vida aspiracional.

Em 1989, a TV Guide colocou a cabeça de Oprah Winfrey no corpo mais esbelto da atriz Ann-Margret. A revista Complex reduziu a cintura e os quadris de Kim Kardashian em uma imagem de 2009.

Aviso da agência The Associated Press sobre a retirada da imagem de Kate Middleton Foto: The Associated Press

A Vogue “suavizou uma linha aqui e raspou uma linha no meu pescoço”, lembrou Lena Dunham a Bill Simmons da Grantland, sobre sua sessão de capa de 2014, embora tenha acrescentado que se sentiu “completamente respeitada”. (Quando a Jezebel mais tarde publicou as imagens não retocadas, “Ficou nojento”, disse ela.)

Algumas celebridades criticaram as revistas por manipular demais as fotos: em 2003, Kate Winslet disse à BBC que uma sessão de fotos para a capa da British GQ “diminuiu o tamanho das minhas pernas em cerca de um terço”.

Hoje, porém, nossos telefones e computadores colocaram tecnologia semelhante ao alcance do usuário médio do Facebook que só quer uma foto de perfil mais lisonjeira. Este é o delito humano muito humano ao qual a princesa confessou — e um insider do palácio atribuiu a isso como “um erro inocente e ingênuo” que o público logo perdoará.

“Ela admitiu”, disse Dickie Arbiter, ex-porta-voz da Rainha Elizabeth II, o que, segundo ele, foi “mais do que as agências de fotos fizeram. Foi um erro genuíno que foi perpetuado por agências de fotos que não verificaram. Elas divulgaram a foto e só a retiraram horas depois.”

A AP publicou uma explicação detalhada para sua ordem de “exclusão de foto”, dizendo que suas regras proíbem imagens alteradas ou manipuladas digitalmente além de edições menores de fotos, como corte ou ajuste de cor — nada que alterasse a cena original da foto.

Publicidade

“Mudanças na densidade, contraste, cor e níveis de saturação que alteram substancialmente a cena original não são aceitáveis”, disse a AP. “Fundos não devem ser desfocados digitalmente ou eliminados por queimar ou tonificação agressiva.” A AP também não permite a remoção de “olhos vermelhos”.

Da mesma forma, a Reuters disse que seu “Manual de Jornalismo” permite apenas o uso limitado do Photoshop. “Usamos apenas uma pequena parte de sua capacidade potencial para formatar nossas imagens, cortar e dimensioná-las e equilibrar o tom e a cor”, disse o serviço de notícias.

Susan Keith, professora de jornalismo e estudos de mídia na Universidade Rutgers, aplaudiu esses padrões.

“Entendo o impulso neste momento, quando somos bombardeados com desinformação e informações erradas, de tentar garantir que o público saiba o que está vendo”, disse ela. “Isso está no cerne do que essas agências de notícias estão fazendo.”

Ao retirar as fotos reais de circulação, Keith acrescentou, os serviços de notícias enviaram ao Palácio de Kensington uma mensagem séria sobre seu compromisso com a transparência e a precisão.

É raro a AP retirar uma foto, embora a agência não hesite quando a credibilidade de uma imagem é questionada. Em 2011, ela retirou uma foto quando os editores descobriram que o fotógrafo havia manipulado a imagem para cobrir sua própria sombra. Em um memorando aos funcionários, o diretor de fotografia Santiago Lyon chamou o incidente de “deliberado e enganoso”, segundo o Poynter.

Foto postada pelo Palácio de Kensington foi retirada do ar por diversas agências de notícias após sinais de manipulação; Kate confirmou que a foto foi editada e pediu desculpas Foto: Reprodução X/@KensingtonRoyal

Em um exemplo mais grave, uma investigação de 2017 pela BBC Brasil revelou que o suposto fotógrafo de guerra “Eduardo Martins” — um nome falso, como se descobriu — estava roubando, manipulando e passando imagens de conflitos no Iraque, Síria e Gaza há anos para organizações de mídia estabelecidas ao redor do mundo. Antes que a notícia do golpe surgisse, as fotos foram publicadas no Wall Street Journal, Vice e BBC, entre outros, e Martins havia ganhado uma reputação crescente na comunidade internacional de fotojornalismo, juntamente com mais de 100.000 seguidores no Instagram.

Publicidade

Em uma análise mais detalhada das fotos falsas, o fotógrafo de São Paulo Ignácio Aronovich descobriu que Martins havia invertido algumas das imagens que roubou para torná-las mais difíceis de rastrear online, relatou o Guardian. Outra imagem mostrava Martins segurando uma câmera que parecia estar sem um botão do obturador. Em um comunicado ao Guardian, a Getty Images disse que havia removido todas as fotos creditadas a Martins.

Mas em um momento em que grande parte da indústria jornalística enfrenta cortes orçamentários acentuados, muitas redações não têm mais os recursos e a equipe para pegar cada infração, disse Keith.

“Provavelmente é bom que haja muitos detetives da internet fazendo esse trabalho por si mesmos”, acrescentou ela.

Ainda assim, isso não era uma zona de guerra. Era uma foto de algumas crianças e sua mãe. O que tornou a falsificação ridícula e — para qualquer pessoa que já tenha tentado fazer três crianças ficarem paradas e sorrindo ao mesmo tempo — meio simpática.

O padrão de perfeição das celebridades é ainda mais elevado para os da realeza, que são esperados não apenas para parecer atraentes, mas para projetar todas as aspirações e ideais de uma nação inteira.

A princesa conseguiu famosamente parecer impecável para uma sessão de fotos no hospital com o próximo herdeiro do trono, o Príncipe George, apenas algumas horas depois de dar à luz a ele. Não há dúvida de que qualquer foto de Kate parecendo menos do que imaculada após sua cirurgia abdominal neste inverno teria gerado tanta especulação e fofoca quanto a completa ausência de imagens.

“Talvez haja um impacto acumulado sobre ela ter que atender a esse padrão irrealista”, disse Bedell Smith. “É um momento para eles reexaminarem como se retratam em um mundo que está se tornando muito confuso com imagens.”

Publicidade

O sogro de Kate parece estar dando passos nessa direção. Embora o Rei Charles III tenha ficado em grande parte fora do olhar público durante seu tratamento contínuo contra o câncer, a conta real no Instagram compartilhou imagens do rei tendo conversas pelo Zoom com líderes estrangeiros e cumprimentando embaixadores a portas fechadas. Em um vídeo de montagem, ele é visto lendo cartas de “melhoras”.

Bedell Smith disse que o Palácio de Kensington poderia ter feito mais para tranquilizar o público sobre a saúde de Kate ao lançar a foto original da princesa e seus filhos — em toda sua glória não editada.

“É um bom momento para perceberem que não precisam ser perfeitos”, disse ela. “Está tudo bem parecer um pouco desleixado ao redor das imagens, como todos nós fazemos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.