Como uma startup francesa virou a principal esperança da Europa na corrida pela IA

Mistral está recebendo apoio de líderes europeus para competir com gigantes como OpenAI e Google

PUBLICIDADE

Por Liz Alderman (The New York Times) e Adam Satariano (The New York Times )

Arthur Mensch chegou para um discurso no mês passado em um amplo centro tecnológico em Paris usando jeans e carregando um capacete de bicicleta. Ele tinha uma aparência despretensiosa para uma pessoa com quem as autoridades europeias estão contando para ajudar a impulsionar a região em uma disputa de alto risco com os EUA e a China pelo domínio da inteligência artificial (IA).

PUBLICIDADE

Mensch é o executivo-chefe e fundador da Mistral, considerada por muitos como uma das mais promissoras concorrentes da OpenAI, dona do ChatGPT, e do Google. “Você se tornou o garoto-propaganda da IA na França”, disse-lhe Matt Clifford, um investidor britânico, no palco.

Muito interesses europeus dependem de Mensch, cuja empresa ganhou destaque apenas um ano depois que ele a fundou em Paris com dois amigos de faculdade. Enquanto a Europa se esforça para se firmar na revolução da IA, o governo francês destacou a Mistral como sua maior esperança na área - e fez lobby junto aos legisladores da União Europeia para ajudar a garantir o sucesso da empresa.

Muito está dependendo de Arthur Mensch, executivo-chefe da Mistral, uma startup de IA, cuja empresa ganhou destaque depois que ele a fundou no ano passado em Paris com dois amigos de faculdade Foto: Dmitry Kostyukov/The New York Times

A IA será incorporada rapidamente à economia global na próxima década, e legisladores e líderes empresariais da Europa temem que o crescimento e a competitividade sejam prejudicados se a região não acompanhar esse ritmo. Por trás de suas preocupações está a convicção de que a IA não deve ser dominada por gigantes da tecnologia, como a Microsoft e o Google, que podem determinar padrões globais em desacordo com a cultura e a política de outros países. O que está em jogo é a questão maior de quais modelos de inteligência artificial acabarão influenciando o mundo e como eles devem ser regulamentados.

“O problema de não haver representante europeu é que o roteiro da IA é definido pelos EUA”, diz Mensch, que há apenas 18 meses trabalhava como engenheiro no laboratório DeepMind do Google em Paris, criando modelos de IA. Seus cofundadores, Timothée Lacroix e Guillaume Lample, também na faixa dos 30 anos, ocupavam cargos semelhantes na Meta.

Em uma entrevista nos escritórios da Mistral, de frente para o Canal Saint-Martin, em Paris, Mensch disse que “não era seguro confiar” nos gigantes da tecnologia dos EUA para estabelecer regras básicas para uma nova e poderosa tecnologia que afetaria milhões de vidas.

“Não podemos ter uma dependência estratégica”, disse ele. “É por isso que queremos criar um campeão europeu.”

Publicidade

Briga com gigantes americanos

A Europa tem se esforçado para fomentar empresas de tecnologia importantes desde o boom da internet nos anos 2000. Enquanto os EUA criaram o Google, a Meta e a Amazon, e a China produziu o Alibaba, a Huawei e a ByteDance, proprietária do TikTok, a economia digital da Europa não deu resultado, de acordo com um relatório da Comissão de Inteligência Artificial da França. O comitê de 15 membros - que inclui o Mensch - alertou que a Europa estava atrasada em relação à IA, mas disse que tinha potencial para assumir a liderança.

A tecnologia de IA generativa da Mistral permite que empresas lancem chatbots, funções de pesquisa e outros produtos orientados por IA. Ela surpreendeu ao criar um modelo que rivaliza com a tecnologia desenvolvida pela OpenAI. Batizada com o nome de um vento forte na França, a Mistral ganhou terreno rapidamente ao desenvolver uma ferramenta de aprendizado de máquina mais flexível e econômica. Algumas grandes empresas europeias estão começando a usar sua tecnologia, incluindo a Renault e o BNP Paribas.

O governo francês está dando apoio total ao Mistral. O presidente Emmanuel Macron chamou a empresa de um exemplo de “gênio francês” e convidou o Mensch para jantar no palácio presidencial do Eliseu. Bruno Le Maire, ministro das finanças do país, elogia frequentemente a empresa, enquanto Cédric O, ex-ministro digital da França, é consultor da Mistral e possui ações da startup.

O apoio do governo francês é um sinal da crescente importância da IA. Os EUA, a França, a Grã-Bretanha, a China, a Arábia Saudita e muitos outros países estão tentando fortalecer suas capacidades domésticas, dando início a uma corrida armamentista tecnológica que está influenciando o comércio e a política externa, bem como as cadeias de suprimentos globais.

A Mistral, considerada uma promissora concorrente da OpenAI e do Google, está recebendo apoio de líderes europeus que querem proteger a cultura e a política da região Foto: Dmitry Kostyukov/The New York Times

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

A Mistral surgiu como a mais forte concorrente europeia na batalha global. No entanto, muitos questionam se a empresa conseguirá acompanhar os grandes concorrentes americanos e chineses e desenvolver um modelo de negócios sustentável. Além dos consideráveis desafios tecnológicos de criar uma empresa de IA bem-sucedida, o poder de computação necessário é incrivelmente caro (a França afirma que sua energia nuclear barata pode atender à demanda de energia).

A OpenAI levantou US$ 13 bilhões, e a Anthropic, outra empresa de São Francisco, arrecadou mais de US$ 7,3 bilhões. Até o momento, a Mistral arrecadou cerca de 500 milhões de euros, ou US$ 540 milhões, e obtém “vários milhões” em receita recorrente, disse Mensch. Mas, em um sinal da promessa da Mistral, a Microsoft adquiriu uma pequena participação em fevereiro, e a Salesforce e a fabricante de chips Nvidia apoiaram a startup.

“Essa pode ser uma das melhores oportunidades que temos na Europa”, disse Jeannette zu Fürstenberg, diretora administrativa da General Catalyst e sócia fundadora da La Famiglia, duas empresas de capital de risco que investiram na Mistral. “Basicamente, você tem uma tecnologia muito potente que desbloqueará valor.”

Publicidade

Lobby que promove o medo

A Mistral defende a ideia de que o software de IA deve ser de código aberto, o que significa que os códigos de programação devem estar disponíveis para que qualquer pessoa possa copiá-los, ajustá-los ou reutilizá-los. Os defensores dizem que permitir que outros pesquisadores vejam o código tornará os sistemas mais seguros e estimulará o crescimento econômico, acelerando seu uso entre empresas e governos para aplicações como contabilidade, atendimento ao cliente e pesquisas em bancos de dados.

A OpenAI e a Anthropic, por outro lado, estão mantendo suas plataformas fechadas. Eles argumentam que o código aberto é perigoso, pois pode ser cooptado para fins maliciosos, como a disseminação de desinformação ou até mesmo a criação de armas destrutivas com IA

Mensch descartou essas preocupações como sendo a narrativa de “um lobby que promove o medo”, que inclui o Google, a Microsoft e a Amazon, que, segundo ele, estão tentando consolidar seu domínio ao persuadir os legisladores a promulgar regras que esmaguem os rivais.

O maior risco da IA, acrescentou o Mensch, é que ela estimulará uma revolução no local de trabalho, eliminando alguns empregos e criando outros novos que exigirão retreinamento. “Ela está chegando mais rápido do que as revoluções anteriores”, disse ele, “não em 10 anos, mas em dois”.

Mensch, que cresceu em uma família de cientistas, disse que ficou fascinado por computadores desde muito jovem, aprendendo a programar aos 11 anos. Ele jogou videogames avidamente até os 15 anos, quando decidiu que poderia “fazer coisas melhores com meu tempo”. Depois de se formar em duas universidades francesas de elite, a École Polytechnique e a École Normale Supérieure, ele se tornou um pesquisador acadêmico em 2020 no prestigiado Centro Nacional de Pesquisa Científica da França. Mas logo se transferiu para a DeepMind, startup de IA adquirida pelo Google, para aprender sobre o setor e se tornar um empreendedor.

Um membro da plateia codifica enquanto Arthur Mensch, executivo-chefe e fundador da Mistral, uma startup francesa de inteligência artificial, fala durante sua palestra aberta na Station F, em Paris, em 25 de março de 2024 Foto: Dmitry Kostyukov/The New York Times

Quando o ChatGPT entrou em cena em 2022, Mensch se uniu a seus amigos da universidade, que decidiram que poderiam fazer o mesmo ou melhor na França. No arejado espaço de trabalho da empresa, um grupo de cientistas e programadores batem atentamente nos teclados, codificando e alimentando o texto digital retirado da internet - bem como resmas de literatura francesa do século 19, que não está mais sujeita à lei de direitos autorais - no grande modelo de idioma da empresa.

Mensch disse que se sentia desconfortável com o fascínio “muito religioso” do Vale do Silício pelo conceito de inteligência artificial geral (AGI, na sigla em inglês), o ponto em que, segundo líderes tecnológicos como Elon Musk e Sam Altman, os computadores ultrapassarão a capacidade cognitiva dos seres humanos, com consequências potencialmente terríveis.

Publicidade

“Toda a retórica da AGI tem a ver com a criação de Deus”, disse ele. “Eu não acredito em Deus. Sou um ateu convicto. Portanto, não acredito em AGI”

Uma ameaça mais iminente, segundo ele, é a representada pelas gigantes americanas da IA para as culturas de todo o mundo.

“Esses modelos estão produzindo conteúdo e moldando nossa compreensão cultural do mundo”, diz Mensch. “E, como se vê, os valores da França e os valores dos EUA diferem de maneiras sutis, mas importantes.”

Com sua crescente influência, Mensch intensificou seus apelos por uma regulamentação mais leve, alertando que as restrições prejudicarão a inovação. No último outono, a França fez um lobby bem-sucedido em Bruxelas para limitar a regulamentação de sistemas de IA de código aberto na nova Lei de Inteligência Artificial da União Europeia, uma vitória que ajuda a Mistral a manter um ritmo de desenvolvimento rápido.

“Se a Mistral se tornar uma grande potência técnica”, disse O, ex-ministro digital que liderou o esforço de lobby, “será benéfico para toda a Europa”.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.