PUBLICIDADE

Tesla faz acordo para encerrar processo de acidente que matou engenheiro da Apple

Valor do acordo não foi divulgado; Tesla ainda tem outros processos semelhantes para encarar no tribunal americano

Por Trisha Thadani (The Washington Post )

A Tesla fez um acordo em um processo de longa data sobre a morte de um ex-engenheiro da Apple em 2018, cujo veículo saiu de uma rodovia no norte da Califórnia causando um acidente, segundo documentos do tribunal. O acordo evitou um longo julgamento com o júri sobre o papel que a tecnologia de assistência ao motorista — chamado Autopilot — pode ter desempenhado no acidente.

PUBLICIDADE

Os detalhes do acordo não foram divulgados nos documentos do tribunal apresentados na segunda-feira, 9 - um dia antes do início da seleção do júri. O caso é um dos vários que irão a julgamento no próximo ano, que argumenta que a tecnologia Autopilot da Tesla supostamente contribuiu para um acidente fatal.

Esse parece ser um dos primeiros acordos da Tesla para um caso desse tipo, um momento notável para uma empresa cujo executivo-chefe, Elon Musk, prometeu, em 2022, não fazer nenhum acordo para o que considera um “caso injusto contra nós, mesmo que provavelmente percamos”

Documentos judiciais sugerem que Autopilot errou a leitura de faixas "desbotadas" na pista Foto: S. Engleman/NTSB

O acidente em questão aconteceu em março de 2018, quando um Tesla, utilizando a direção Autopilot, bateu em uma barreira de rodovia perto de Mountain View, Califórnia. Segundo documentos judiciais, o sistema do carro ficou confuso com o que os advogados da empresa descreveram como uma linha “desbotada e quase obliterada” na pista. Walter Huang, pai de dois filhos e engenheiro da Apple em seu trajeto matinal, estava supostamente jogando um jogo em seu telefone enquanto seu Tesla dirigia sozinho.

Os documentos arquivados no caso mostram que o veículo de Huang no Autopilot se desviou da linha da pista “desbotada” e começou a seguir uma mais clara à esquerda, o que o colocou no caminho de uma barreira de segurança da rodovia que separa a Rota 101 de uma saída para a Rota Estadual 85, enquanto dirigia a 71 mph.

Huang, de 38 anos, morreu. Uma investigação do National Transportation Safety Board (NTSB) citou posteriormente a falha da Tesla em limitar o uso do Autopilot em tais condições como um fator contribuinte. A empresa reconheceu ao NTSB que o Autopilot foi projetado para áreas com “marcações de faixa claras”.

Além de processar a Tesla, a família de Huang também processou o estado da Califórnia, alegando que o estado não fez a manutenção adequada das linhas da pista e também não consertou uma barreira de colisão já danificada “em tempo hábil”. Não está claro o efeito que esse acordo terá sobre essa ação judicial.

Publicidade

A Tesla e os representantes da família Huang não responderam imediatamente a um pedido de comentário.

Tesla recua

O acordo é uma reviravolta surpreendente no caso, contra o qual a Tesla vem lutando desde que a família de Huang entrou com a ação em abril de 2019. Em sua defesa contra esse processo, bem como para outros que serão julgados este ano, a Tesla argumenta que não foi responsabilizada porque avisa aos motoristas que eles estão, em última instância, no controle do veículo enquanto estão no Autopilot.

A Tesla disse que deixa “extremamente claro” que o motorista deve estar totalmente alerta e com as mãos no volante enquanto estiver usando o Autopilot. A empresa também afirma em seu manual do usuário que a tecnologia pode não funcionar como pretendido “quando não for capaz de determinar com precisão as marcações da pista” ou quando “a luz brilhante estiver interferindo na visão da câmera”. De acordo com os documentos do tribunal, as mãos de Huang não foram detectadas no volante segundos após o acidente.

Acidente com Tesla matou Walter Huang, de 38 anos, em 2018 Foto: Acervo Pessoal

Uma questão fundamental nesse caso era se esses avisos eram suficientes para isentar a empresa de qualquer responsabilidade quando ela sabe de uma falha, mas ainda coloca a responsabilidade no motorista para corrigir seus erros. A Tesla sabia há anos que as linhas de pista desbotadas poderiam ser um problema, de acordo com reclamações apresentadas à Administração Nacional de Segurança de Tráfego Rodoviário e depoimentos dos principais engenheiros da empresa e de investigadores federais.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Se a Tesla fosse até o fim com esse julgamento, sua tecnologia estaria sujeita a um intenso escrutínio em um momento em que Musk está promovendo agressivamente seus recursos de assistência ao motorista para o público. No mês passado, Musk reforçou sua tecnologia Full Self-Driving - o sistema de assistência ao motorista mais sofisticado da Tesla - exigindo que os funcionários instalem e mostrem aos clientes como usar a versão mais recente antes de concluir uma venda. Ele também disse em uma publicação no X na semana passada que pretende revelar um robotáxi em agosto, embora tenha prometido carros totalmente autônomos há anos.

Ed Walters, que leciona direito de veículos autônomos na Georgetown Law, disse que ficou surpreso com a decisão da Tesla de fazer um acordo, pois os fatos do acidente de Huang pareciam “favoráveis” à empresa. Como o caso de Huang se assemelha a várias outras ações judiciais agendadas para julgamento, muitos observadores estavam acompanhando de perto esse caso por seu potencial de estabelecer um precedente para procedimentos futuros.

Os resultados desses julgamentos são cruciais para o futuro da empresa e para Musk, que disse que a Tesla “vale basicamente zero” se não puder tornar seus carros autônomos. A tecnologia Autopilot da empresa foi associada a mais de 700 acidentes desde 2019 e a pelo menos 19 mortes, de acordo com uma análise do jornal americano Washington Post dos dados da Administração Nacional de Segurança de Tráfego Rodoviário.

Publicidade

Até agora, no entanto, a Tesla tem prevalecido nos tribunais: um júri considerou a empresa não responsável em um caso no ano passado sobre o suposto papel de sua tecnologia Autopilot em um acidente em 2019 no Condado de Riverside, Califórnia.

Dois outros casos que serão julgados no final deste ano ou no início do próximo envolvem motoristas que supostamente estavam distraídos no momento do acidente. As reclamações detalham como o erro humano e a tecnologia emergente podem colidir com resultados mortais, pois tanto o motorista quanto o carro no Autopilot não conseguiram reagir a um perigo em seu caminho. Os reclamantes alegam que o marketing da empresa engana os clientes, sugerindo que os carros são mais autônomos do que são na realidade.

Walters disse acreditar que os casos envolvendo distração do motorista seriam “facilmente vencidos” pela Tesla. Mas, no que diz respeito ao julgamento de Huang, ele disse que a Tesla provavelmente queria evitar as várias semanas de atenção potencialmente prejudicial que o caso poderia ter atraído.

“Você pode ganhar no tribunal, mas perder no julgamento da opinião pública”, disse ele.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.