PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Opinião|O que mudou no imposto sobre heranças e doações

PUBLICIDADE

convidado

A Reforma Tributária estabeleceu modificações e a extinção, com efeitos pró futuro, de diversos tributos atualmente vigentes no sistema tributário brasileiro. A progressividade das alíquotas do imposto e a cobrança do imposto sobre doações e heranças no exterior são as principais mudanças trazidas pela Reforma (Emenda Constitucional nº 132), relacionadas ao Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD).

PUBLICIDADE

O texto aprovado estabelece a progressividade obrigatória das alíquotas do ITCMD com base no valor da doação ou da herança. Isso quer dizer que, com a nova redação constitucional, quanto maior o valor da transmissão, maior será a alíquota e, por sua vez, maior será o valor devido de imposto.

Essa mudança significativa implica a sujeição dos contribuintes ao percentual de alíquotas variáveis conforme o montante que será transmitido a título de doação ou herança, exigindo uma atenção especial para o planejamento patrimonial e sucessório.

Anteriormente, os Estados optavam pela cobrança do imposto por meio da aplicação de alíquotas fixas, progressivas ou mistas, respeitando o percentual máximo de 8% (alíquota fixada pelo Senado Federal).

Mas os Estados e o Distrito Federal, continuarão tendo autonomia para definir as alíquotas mínimas e máximas, através de legislação estadual a ser regulamentada.

Publicidade

O imposto será devido ao Estado onde era domiciliado o de cujus, e deixa claro que não haverá exigência do ITCMD em doações para instituições sem fins lucrativos de relevância pública e social, tais como entidades religiosas, organizações assistenciais e institutos científicos e tecnológicos.

Também será de competência dos Estados e Distrito Federal exigir o ITCMD sobre doações de bens e direitos realizadas por doadores residentes ou domiciliados no exterior, bem como sobre transmissões causa mortis de bens situados em outros países. Isso amplia a abrangência e exigência do ITCMD para situações internacionais, tornando essencial uma análise cuidadosa quando se trata de doação de ativos detidos no exterior.

Nesses casos, o imposto será devido da seguinte forma: ao Estado onde o donatário for domiciliado, ou ao Distrito Federal; ao Estado em que se encontrar o bem, em caso de o donatário residir no exterior, ou ao Distrito Federal e ao Estado onde era domiciliado o de cujus, ainda que os bens estejam situados no exterior, ou, se domiciliado ou residente no exterior, onde tiver domicílio o sucessor, ou ao Distrito Federal.

Há uma situação específica no Estado de São Paulo, onde existe a Lei Estadual nº 10.705/2000 - que prevê a cobrança do ITCMD sobre doações e sucessões no exterior - mas foi considerada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do Recurso Extraordinário nº 851.108 (Tema nº 825). Agora, com a nova legislação, é possível que o Estado de São Paulo, bem como os demais Estados e o Distrito Federal, instituam a cobrança do ITCMD sobre transmissão de bens no exterior independentemente de lei complementar.

E em 02/02/2024 foi apresentado à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) o Projeto de Lei nº 7/2024 (”PL nº 7/24″), que propõe instituir a progressividade da alíquota do ITCMD no local. Caso haja a aprovação do PL nº 7/24, a alíquota do imposto no Estado de São Paulo, que atualmente é de 4%, passará a ser progressiva, podendo variar de 2% a 8% de acordo com o valor dos bens transmitidos. Atualmente, o PL está sob análise na Assembleia Legislativa.

Publicidade

Embora as modificações constitucionais tenham sido promulgadas no final e 2023, sua plena eficácia depende da regulamentação por lei estadual específica a ser editada por cada um dos Estados e pelo Distrito Federal. Além disso, a edição e publicação das normas deverão respeitar a anterioridade anual e nonagesimal. Isto é, a progressividade das novas alíquotas somente poderá ser aplicada no ano subsequente à sua aprovação, e após o prazo mínimo de 90 dias para sua cobrança.

PUBLICIDADE

Com a aprovação das mudanças no ITCMD mencionadas acima, é esperado um aumento nas alíquotas deste imposto. Essa alteração pode ter um impacto significativo para aqueles que estão considerando iniciar planejamento sucessório em 2024.

O planejamento sucessório é um processo complexo que envolve a análise detalhada dos ativos e das circunstâncias familiares, além de considerar os aspectos legais e tributários envolvidos.

Para muitas pessoas, o momento de quando iniciar o planejamento sucessório pode ser uma questão. No entanto, diante das mudanças iminentes na tributação, o ano de 2024 pode representar uma oportunidade estratégica para tomar essa decisão.

A possibilidade de otimizar a estruturação do patrimônio, visando minimizar o impacto fiscal e proteger os interesses dos beneficiários, permite que as famílias tenham tempo para discutir e alinhar seus objetivos e valores, garantindo uma transição harmoniosa do patrimônio para as gerações futuras.

Publicidade

Convidado deste artigo

Foto do autor Ivana Ribeiro de Souza Marcon
Ivana Ribeiro de Souza Marconsaiba mais

Ivana Ribeiro de Souza Marcon
Sócia da área tributária do b/luz advogados
Conteúdo

As informações e opiniões formadas neste artigo são de responsabilidade única do autor.
Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Estadão.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.