EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Jornalista e comentarista de economia

Opinião|A reforma tributária e o depois

Aprovação do novo sistema tributário é sinal de que o País precisa avançar na pauta de reformas

PUBLICIDADE

Foto do author Celso Ming

No século 6º a.C., o aristocrata Sólon, considerado um dos sete sábios da Grécia antiga, foi convocado pelas elites de Atenas para elaborar uma constituição que revogaria a anterior feita por Dracon, tão rígida que legou para a posteridade o termo “draconiano”.

PUBLICIDADE

Uma vez que a nova lei foi inscrita em pedra e instalada na Ágora, a principal praça pública da cidade, Sólon partiu para uma viagem de dez anos. Decidiu se ausentar para não ser obrigado a explicar ou a revogar dispositivos da sua constituição. Que os próprios atenienses se aplicassem ao que foi estabelecido.

Esse episódio, narrado pelos historiadores Heródoto e Plutarco, lembra o que vai acontecer agora com o novo pedaço da reforma tributária promulgada nesta quarta-feira no Brasil. Leis ordinárias e complementares, mais lobbies para estender privilégios tributários e novos procedimentos destinados a aplicar a reforma deverão acontecer a partir de agora.

Essa reforma é a mais importante dos últimos 60 anos. Perdeu-se a conta de quantos anteprojetos foram elaborados e discutidos nas últimas três décadas. O resultado deverá ter enorme impacto, que se supõe altamente positivo para a economia e para o desenvolvimento do País.

Publicidade

Com base na aprovação da reforma, a agência de classificação de risco S&P elevou a nota de crédito do País. Além disso, estimativas apontam que, em alguns anos, o PIB crescerá mais de 3%, apenas em consequência da reforma.

Não é uma peça perfeita porque cada um tem a sua. Mas tende a modernizar as relações econômicas, especialmente pela enorme simplificação que deve revogar mais de 5 mil leis municipais, 27 estaduais e uma imensidade de decisões judiciais em todas as instâncias. Começam a ser dispensados complexos departamentos jurídicos das empresas destinados a administrar questões tributárias e, mais do que isso, se reduzem as incertezas jurídicas impostas pela barafunda atual. E será um sistema mais transparente, que eliminará impostos em cascata (impostos cumulativos).

Cinco impostos hoje cobrados pela União, Estados e municípios darão lugar ao IVA dual: a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) e o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), que poderão vir a ter alíquota-padrão de 27,5%.

As mudanças serão implementadas gradualmente, a partir de 2026. Até mesmo as alíquotas exatas dos novos impostos serão estabelecidas por ensaios, digamos assim, de modo a não caracterizar aumento da carga tributária. Uma das críticas que se podem fazer incide sobre o prazo excessivo para o período de transição, até 2033, para a plena vigência do novo sistema tributário.

E não é obra completa. Desde os anos 1980 o então senador José Serra advertia que a reforma tributária teria de ser fatiada, como salame. A ideia agora é prosseguir, com uma reforma do Imposto de Renda.

Publicidade

A pauta de reformas não se esgota. Deve entrar em foco a reforma administrativa. E tem a reforma política e, mais cedo ou mais tarde, nova rodada da reforma da Previdência Social.

Opinião por Celso Ming

Comentarista de Economia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.