PUBLICIDADE

É falso que general prometeu enviar 25 mil soldados a ato de apoio a Bolsonaro

Homem que fez a alegação diz que mentiu deliberadamente para mostrar que nem tudo o que circula nas redes sociais é verídico; alerta foi omitido de postagens no X que compartilharam o vídeo

Por Bernardo Costa

O que estão compartilhando: vídeo em que um homem diz que acabou de conversar com o general Oliver Stucker, do 20º Batalhão de Suprimentos do Estado de São Paulo, e que ele afirmou que promete colocar 25 mil soldados fardados na Avenida Paulista, no domingo, dia 25, em apoio a ato convocado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro.

O Estadão Verifica apurou e concluiu que: é falso. O general e o batalhão citados na postagem não existem. O Exército Brasileiro nega a veracidade das informações. No próprio vídeo, em sua versão na íntegra, o homem diz que as informações são falsas e alerta para o consumo passivo de informações que circulam nas redes sociais. Esse alerta acabou omitido em algumas repostagens no X e usuários acreditaram se tratar de uma alegação verdadeira.

Captura de tela da postagem verificada Foto: Reprodução/X

PUBLICIDADE

Saiba mais: O vídeo, na sua versão completa, mostra o próprio homem desmentindo o que havia dito nos minutos iniciais da gravação. “Pessoal, essa informação que acabei dar, é uma informação falsa”. Ele justifica sua atitude: “Por que eu fiz isso? Primeiro, não podemos acreditar em tudo que vemos na internet. Não podemos, nós de direita, ser tão inocentes assim. E segundo: várias pessoas cobram sobre apoio das Forças Armadas. Gente, esquece, isso é crime. Num processo democrático, não se envolve as Forças Armadas em nenhum momento. Nós seremos um País de direita através do voto.”

No entanto, a versão cortada do vídeo, sem o desmentido, circula na rede social X, em que teve mais de 18 mil visualizações e 300 compartilhamentos. Ainda assim, mesmo a versão completa confunde internautas que, aparentemente, não assistiram ao vídeo todo. Nas postagens com o vídeo na íntegra, no YouTube e no Instagram, há comentários do tipo: “Parabéns general”, “Senhores Militares Patriotas sigam o exemplo” e “Parabéns para o Exército de São Paulo”.

Além do desmentido no próprio vídeo, não consta em pesquisas na internet a existência do citado general no Exército Brasileiro. Não há também um 20º Batalhão de Suprimentos do Estado de São Paulo, como mostra relação de unidades militares em São Paulo no site do Exército (confira aqui). A foto utilizada na postagem, que seria do suposto general, mostra, na verdade, o argentino Major General Cesar Milani, ex-comandante do Exército da Argentina.

Procurado, o Exército brasileiro negou a veracidade das informações transmitidas na parte inicial do vídeo. “O fato em questão é inverídico. Manifestações dessa natureza nas redes sociais desinformam a sociedade brasileira e fazem uso indevido da imagem da Força em circunstâncias que não correspondem à realidade dos fatos”, diz a nota.

Ato em apoio a Bolsonaro

Na semana passada, um vídeo foi divulgado nas redes sociais com Bolsonaro convocando apoiadores para um ato no próximo dia 25, domingo, na Avenida Paulista, em São Paulo. No vídeo, o ex-presidente argumenta que quer se defender de acusações imputadas a ele nos últimos meses.

Publicidade

O chamamento para o ato surge em meio às investigações que levaram à Operação Tempus Veritatis, da Polícia Federal, que cumpriu mandados de prisão e de busca e apreensão contra pessoas do círculo mais próximo de Bolsonaro. Eles são acusados de formação de organização criminosa que teria cometido os crimes de tentativa de golpe de Estado e de abolição do Estado Democrático de Direito. Bolsonaro também foi alvo da operação e teve que entregar seu passaporte à Justiça.

A notícia do ato em apoio a Bolsonaro também gerou outra alegação falsa nas redes sociais. Postagens enganosas alegavam que torcidas organizadas de clubes de futebol teriam confirmado um protesto, no mesmo dia e local, em defesa da democracia e contra o ex-presidente. As mensagens enganosas foram desmentidas pelo Projeto Comprova.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.