Vídeo mostra incêndio florestal no Chile, e não ataque iraniano a base militar de Israel

Publicação diz que filmagem mostra o impacto de mísseis do Irã em base aérea israelense, mas imagens são de fogo em cidade chilena

PUBLICIDADE

Por Giovana Frioli

O que estão compartilhando: vídeo mostra ataque do Irã com mísseis e drones contra a base aérea de Negev, em Israel.

O Estadão Verifica checou e concluiu que: é enganoso porque a gravação foi feita durante um incêndio na cidade de Viña del Mar, no Chile. O conteúdo circula desde 3 de fevereiro, quando houve toque de recolher no local e pelo menos 112 pessoas morreram em decorrência do fogo em florestas chilenas. A base aérea de Nevatim, no deserto de Negev, em Israel, foi atacada pelo Irã neste sábado, 13, e sofreu apenas danos leves, segundo militares israelenses.

Vídeo mostra incêndio florestal no Chile, e não ataque iraniano à base militar de Israel Foto: Foto

Saiba mais: Vídeo que circulou nas redes sociais mostra uma grande quantidade de chamas e explosões em uma mata à noite, enquanto ao fundo são ouvidos gritos e sirenes policiais. Publicações compartilharam a gravação dizendo que as imagens mostram ataques de mísseis e drones do Irã à base aérea de Negev, em Israel, mas isso não é verdadeiro.

Qual a origem do vídeo?

A filmagem foi feita durante a ocorrência de um incêndio florestal em Achupallas, Viña del Mar, no Chile. O conteúdo foi publicado no X (ex-Twitter) em 3 de fevereiro por um veículo de comunicação independente do país.

PUBLICIDADE

Como informou o Estadão, as autoridades chilenas decretaram toque de recolher em cidades da região de Valparaíso, entre elas o balneário de Viña del Mar, por conta das queimadas que mataram pelo menos 112 pessoas no país. Os incêndios florestais são considerados a maior emergência natural no Chile desde o terremoto de 2010.

A agência de checagem venezuelana Cazadores de Fake News localizou o vídeo original dos incêndios e disse que não se tratava dos ataques iranianos contra Israel. A alegação também foi desmentida pelo jornalista Shayan Sardarizadeh, da BBC, que informou que o vídeo tinha sido usado pela TV estatal do Irã como “prova” do impacto dos mísseis.

Irã promove ataque contra Israel, mas maioria é interceptada

Na noite de sábado, 13, o Irã realizou um ataque aéreo com mais de 300 drones e mísseis para atingir alvos em Israel. De acordo com a defesa israelense, quase 99% das ameaças foram interceptadas e sem causar mortes. O ocorrido marcou o início de um conflito direto entre os dois países e a escalada militar mais grave no Oriente Médio desde a Guerra do Golfo, em 1991.

Publicidade

A base da força aérea de Nevatim, no deserto de Negev, citada na publicação analisada, foi um dos locais atingidos, mas sofreu apenas danos leves e continuou funcionando, segundo o contra-almirante Daniel Hagari, porta-voz-chefe das Forças Armadas de Israel. Ele disse que “o Irã pensou que paralisaria a base. Ele falhou”. O local teve a segurança reforçada diante das ameaças iranianas, pois abriga os avançados caças americanos F-35.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas convocou uma reunião de emergência neste domingo, 14, para discutir os ataques do Irã a Israel. Por sua vez, o encontro acabou sem consenso depois que aliados dos israelenses, como Estados Unidos, França e Reino Unido, e dos iranianos, como Rússia e China, não concordaram sobre uma resolução. O secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou que o Oriente Médio está à beira de um confronto em larga escala.

Como lidar com posts do tipo: Em meio a conflitos e guerras, é comum que o número de desinformação cresça nas redes sociais diante da repercussão do assunto. No caso analisado, um vídeo de baixa resolução e que mostra um momento de caos, com chamas e gritos, foi retirado de contexto e usado para “denunciar” os ataques do Irã contra Israel. Para checar conteúdos, usa a busca reversa para checar as imagens ou procure por informações confiáveis na imprensa profissional.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.