PUBLICIDADE

Biden arrecada US$ 25 milhões em evento de campanha “histórico” com Obama e Clinton

O evento recorde ocorreu no momento em que Biden tentava apresentar sua vantagem financeira sobre Trump como um sinal mais amplo de força e momento eleitoral

Por Toluse Olorunnipa (The Washington Post)
Atualização:

Em uma demonstração de força que a sua campanha chama de “a arrecadação de fundos políticos de maior sucesso na história americana”, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, arrecadou mais de US$ 25 milhões durante um evento em Nova York na quinta-feira com a participação dos ex-presidentes Barack Obama e Bill Clinton.

PUBLICIDADE

Mais de 5 mil pessoas compareceram ao evento com ingressos esgotados no Radio City Music Hall de Nova York, segundo a campanha de Biden, com convidados pagando entre US$ 225 e US$ 500 mil. A enorme conquista ocorre em um momento em que Biden e os seus aliados procuram apresentar a sua crescente vantagem financeira na corrida contra o ex-presidente Donald Trump como um sinal mais amplo de força e dinamismo.

Os maiores doadores do evento tiveram acesso a vantagens como uma foto com os três presidentes. A lendária fotógrafa Annie Leibovitz estava disponível para tirar retratos de doadores com Biden, Clinton e Obama.

O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton observa o ex-presidente americano Barack Obama cumprimentar o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em um evento de arrecadação em Nova York, Estados Unidos  Foto: Brendan Smialowski/AFP

Os três presidentes foram recebidos com uma ovação de pé e Clinton e Obama viraram-se para Biden para elogiá-lo antes de se sentarem.

Embora os assessores de campanha não tenham dito como determinaram que a arrecadação de US$ 25 milhões foi a maior arrecadação de fundos da história, o magnata de Hollywood Jeffrey Katzenberg, um dos colaboradores da campanha de Biden, descreveu o evento como “um verdadeiro reflexo do ímpeto” por trás da candidatura à reeleição de Biden.

“Este aumento histórico é uma demonstração de forte entusiasmo pelo presidente Biden e pelo vice-presidente Harris e uma prova da máquina de arrecadação de fundos sem precedentes que construímos”, disse ele em comunicado. “Ao contrário do nosso adversário, cada dólar que arrecadarmos irá chegar aos eleitores que decidirão esta eleição – comunicando o histórico do presidente, a sua visão para o futuro e deixando claro o que está em jogo nesta eleição.” Isso foi um tiro contra Trump, o presumível candidato republicano cuja arrecadação de fundos vai em parte para custear suas despesas legais.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, participa de um compromisso de arrecadação de campanha em uma conversa com Bill Clinton e Barack Obama, dois ex-presidentes americanos do Partido Democrata, com mediação do comediante Stephen Colbert, em Nova York, Estados Unidos  Foto: Alex Brandon/AP

Campanha

O evento encerra uma intensificação da atividade de campanha de Biden após seu inflamado discurso de Estado da União, no dia 7 de março, e é o mais recente esforço dos aliados do presidente para conter as preocupações sobre sua idade avançada e a queda nos índices de aprovação. Biden tem 81 anos e Trump tem 77.

Publicidade

Se os eleitores democratas em geral estão cautelosos quanto ao momento político de Biden, o evento repleto de estrelas em Nova York ofereceu um alegre contraponto ao sentimento de angústia. A arrecadação teve convidados musicais, incluindo Queen Latifah, Lizzo e Ben Platt. Mindy Kaling serviu como anfitriã e brincou afirmando que era bom estar em uma sala “com tantas pessoas ricas”. Uma festa pós-festa para 500 convidados VIP foi co-organizada pela primeira-dama Jill Biden e a DJ D-Nice.

No evento principal da noite, o comediante Stephen Colbert moderou uma conversa entre Biden, Obama e Clinton. O programa gerou polêmica – depois que os três presidentes subiram ao palco, manifestantes pró-Palestina começaram a gritar e a interromper o evento antes de serem expulsos. Uma grande multidão de manifestantes também se reuniu em frente ao local para expressar o seu descontentamento com a forma como Biden lidou com a guerra em Gaza, alguns deles em confronto com a polícia.

Manifestantes protestam contra as políticas do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para a guerra em Gaza do lado de fora de seu evento de arrecadação de campanha, em Nova York, Estados Unidos  Foto: Leonardo Munoz/AFP

Efeito Obama

A campanha de Biden começou a confiar mais em Obama para aumentar a sua angariação de fundos nos últimos meses, depois de o antigo presidente ter vindo à Casa Branca no ano passado para expressar preocupações sobre a campanha. Em um almoço privado com Biden, Obama instou o presidente americano a reforçar o seu aparato de campanha e a agir de forma mais agressiva para bloquear a marcha de Trump até à Casa Branca.

A campanha de Biden afirmou que os esforços de arrecadação de fundos que apresentam Obama ou sua assinatura já geraram US$ 15,4 milhões para os democratas. Obama participou de uma campanha de arrecadação de fundos “Conheça os Presidentes” em dezembro, que arrecadou quase US$ 3 milhões, disseram.

Obama e Biden consideram que bloquear o regresso de Trump à Casa Branca é a chave para garantir os seus próprios legados políticos.

“Dados os riscos desta eleição, o presidente Obama fará tudo o que puder para apoiar a reeleição do presidente Biden”, disse Eric Schultz, um porta-voz de Obama, em um comunicado. “Nossa estratégia será baseada em gerar impacto, especialmente onde e quando a voz dele puder ajudar a mover o ponteiro.”

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, caminha ao lado do ex-presidente americano Barack Obama no Aeroporto John F. Kennedy, em Nova York  Foto: Alex Brandon/AP

Arrecadação de Trump

Embora alguns assessores de Trump tenham reconhecido a necessidade de aumentar a arrecadação de fundos – a campanha de Trump arrecadou 20 milhões de dólares em Fevereiro, em comparação com os 53 milhões de dólares de Biden – eles consideraram o evento Biden-Obama-Clinton como uma reunião de políticos do establishment.

Publicidade

“As três pessoas que foram responsáveis pela morte, destruição e miséria em todo o mundo”, postou o porta-voz de Trump, Steven Cheung, no X em resposta à postagem de Biden sobre o evento.

O próprio Trump minimizou indiretamente a disparidade monetária, acusando Biden, sem provas, de o ter como alvo por razões políticas, incluindo em processos judiciais que afetaram as suas finanças. Trump disse no início desta semana que os democratas estavam determinados a usar o sistema legal para “tentar tirar o máximo possível do seu dinheiro”.

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump participa de uma coletiva de imprensa em Nova York, Estados Unidos  Foto: Frank Franklin II/AP

Trump tem se gabado de que muitas sondagens o mostram à frente de Biden em disputas importantes e a nível nacional. Embora Biden tenha melhorado em algumas pesquisas recentes, a posição consistentemente forte de Trump nas sondagens tem sido uma fonte constante de ansiedade dos Democratas.

Ainda assim, Trump decidiu recentemente reformular a liderança no Comité Nacional Republicano, quando a sua campanha ficou atrás de Biden na frente financeira. A campanha de Biden relatou na semana passada US$ 71 milhões em dinheiro em mãos no final de fevereiro, mais que o dobro dos US$ 33,5 milhões relatados pela campanha de Trump. O republicano gastou milhões de dólares nos seus problemas jurídicos, que incluem acusações criminais e julgamentos civis.

Os assessores de Biden procuraram destacar esse contraste como prova de que a sua campanha está em andamento enquanto a de Trump está naufragando. A equipe de Biden anunciou planos para abrir mais de 100 escritórios este mês e lançou uma campanha publicitária de primavera de US$ 30 milhões nos principais estados.

O evento de 25 milhões de dólares em Nova Iorque poderá reforçar ainda mais a capacidade de Biden de vender a sua mensagem aos eleitores. Além dos 5 mil participantes, milhares de doadores assistiram ao programa online.

Publicidade

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.