PUBLICIDADE

Perplexity: Conheça a startup que usa IA nas buscas e quer tirar o trono do Google

Empresa mostra que é possível fazer com um mecanismo de busca criado do zero com inteligência artificial

Por Kevin Roose

THE NEW YORK TIMES - Durante toda a minha vida adulta, sempre que tinha uma pergunta sobre o mundo ou precisava localizar algo online, recorria ao Google para obter respostas.

PUBLICIDADE

Recentemente, porém, tenho me afastado do Google com um novo mecanismo de pesquisa baseado em inteligência artificial (IA) (não, não é o Bing, que está morto para mim depois de ter tentado acabar com meu casamento no ano passado).

Chama-se Perplexity. O mecanismo de busca de um ano de idade, cujos fundadores trabalharam anteriormente em pesquisa de IA na OpenAI e na Meta, tornou-se rapidamente um dos produtos mais comentados no mundo da tecnologia.

Especialistas em tecnologia elogiam o Perplexity nas mídias sociais, e investidores como Jeff Bezos (que também foi um dos primeiros investidores do Google) têm investido muito dinheiro na startup. A empresa anunciou recentemente que havia levantado US$ 74 milhões em uma rodada de financiamento liderada pela Institutional Venture Partners, que avaliou a Perplexity em US$ 520 milhões.

Startup Perplexity mostra o que é possível fazer com um mecanismo de pesquisa criado do zero com IA Foto: Yann Kebbi/The New York Times

Muitas startups tentaram e não conseguiram desafiar o Google ao longo dos anos (um concorrente em potencial, a Neeva, fechou as portas no ano passado depois de não conseguir ganhar força). Mas o Google parece menos invencível atualmente. Muitos usuários reclamaram que os resultados de pesquisa do Google ficaram entupidos de sites com spam e de baixa qualidade, e algumas pessoas começaram a procurar respostas em lugares como Reddit e TikTok.

Intrigado com a propaganda, recentemente passei várias semanas usando o Perplexity como meu mecanismo de pesquisa padrão, tanto no computador quanto no celular. Testei tanto a versão gratuita quanto o produto pago, o Perplexity Pro, que custa US$ 20 por mês e dá aos usuários acesso a modelos de IA mais avançados e a determinados recursos, como a capacidade de carregar seus próprios arquivos.

Centenas de pesquisas depois, posso dizer que, embora o Perplexity não seja perfeito, ele é muito bom. E, embora não esteja pronto para romper totalmente com o Google, agora estou mais convencido de que os mecanismos de pesquisa com IA, como o Perplexity, podem afrouxar o controle do Google sobre o mercado de pesquisa ou, pelo menos, forçá-lo a se recuperar.

Publicidade

Também tenho medo de que os mecanismos de pesquisa com IA possam destruir meu emprego e que todo o setor de mídia digital possa entrar em colapso em decorrência de produtos como eles. Mas estou me adiantando.

Onde o Perplexity se destaca

À primeira vista, a interface de desktop do Perplexity se parece muito com a do Google: uma caixa de texto centralizada em uma página de destino esparsa.

Mas assim que você começa a digitar, as diferenças se tornam óbvias. Quando você faz uma pergunta, o Perplexity não lhe apresenta uma lista de links. Em vez disso, ele vasculha a Web para você e usa a IA para escrever um resumo do que encontrou. Essas respostas são anotadas com links para as fontes que a IA usou, que também aparecem em um painel acima da resposta.

Testei o Perplexity em centenas de consultas, incluindo perguntas sobre eventos atuais (“Como Nikki Haley se saiu nas primárias de New Hampshire?”), recomendações de compras (“Qual é a melhor ração para um cão idoso com dor nas articulações?”) e tarefas domésticas (“Por quanto tempo um ensopado de carne fica bom na geladeira?”).

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

A cada vez, eu recebia uma resposta gerada por IA, geralmente com um ou dois parágrafos, com citações de sites como NPR, The New York Times e Reddit, além de uma lista de sugestões de perguntas complementares que eu poderia fazer, como “É possível congelar um ensopado de carne para que ele dure mais?”.

Um recurso impressionante do Perplexity é o “Copilot”, que ajuda o usuário a restringir uma consulta fazendo perguntas de esclarecimento. Quando pedi ideias sobre onde organizar uma festa de aniversário para uma criança de dois anos, por exemplo, o Copilot perguntou se eu queria sugestões para espaços ao ar livre, espaços internos ou ambos. Quando selecionei “interno”, ele me pediu para escolher um orçamento aproximado para a festa. Só então ele me apresentou uma lista de possíveis locais.

O Perplexity também permite que os usuários pesquisem em um conjunto específico de fontes, como artigos acadêmicos, vídeos do YouTube ou publicações no Reddit. Isso foi muito útil quando eu estava procurando como alterar uma configuração no aquecedor de água da minha casa (coisa empolgante, eu sei).

Publicidade

Uma pesquisa no Google resultou em vários links pouco úteis para tutoriais DIY (”faça você mesmo”, em tradução do inglês), alguns dos quais eram anúncios mal disfarçados de empresas de encanamento. Tentei fazer a mesma consulta no Perplexity e restringi minha pesquisa a vídeos do YouTube. O Perplexity encontrou o vídeo de que eu precisava para o meu modelo exato de aquecedor de água, extraiu as informações relevantes do vídeo e as transformou em instruções passo a passo.

Perplexity também é muito bom em admitir quando não sabe algo

Nos bastidores, o Perplexity é executado no modelo GPT-3.5, da OpenAI, juntamente com seu próprio modelo de IA — uma variante do modelo de código aberto Llama 2, da Meta. Os usuários que fazem upgrade para a versão Pro podem escolher entre vários modelos diferentes, incluindo o GPT-4 e o Claude, da Anthropic (usei o GPT-4 na maioria de minhas pesquisas, mas não vi muita diferença na qualidade das respostas quando escolhi outros modelos).

O Perplexity também é muito bom em admitir quando não sabe algo. Às vezes, ele dava uma resposta parcial à minha pergunta, com uma advertência do tipo: “Não há mais detalhes nos resultados da pesquisa”. A maioria dos produtos de bate-papo com IA que já usei não tem esse tipo de humildade, e suas respostas soam confiantes mesmo quando estão dizendo bobagens.

Onde o Google ainda reina

Durante meus testes, achei o Perplexity mais útil para pesquisas complicadas ou abertas, como resumir artigos de notícias recentes sobre uma empresa específica ou me dar sugestões de restaurantes para encontros à noite. Também achei útil quando o que eu estava procurando (instruções para renovar o passaporte, por exemplo) estava enterrado em um site lotado e difícil de navegar.

Mas voltei a usar o Google em alguns tipos de pesquisa - geralmente, quando estava procurando pessoas específicas ou tentando acessar sites que eu já sabia que existiam. Por exemplo: Quando digitei “Wayback Machine” na barra de pesquisa do meu navegador, fui redirecionado para o Perplexity, que exibiu um ensaio de um parágrafo sobre a história do Internet Archive, a organização que mantém a Wayback Machine. Tive que procurar um pequeno link de citação para chegar ao site da Wayback Machine, que era o que eu queria em primeiro lugar.

Se o Google quis fazer isso melhor do que nós, basicamente terão que matar próprio modelo de negócios deles

Aravind Srinivas, CEO da Perplexity

Algo semelhante aconteceu quando solicitei ao Perplexity instruções de direção para uma reunião de trabalho. O Google teria me dado instruções passo a passo a partir da minha casa, graças à sua integração com o Google Maps. Mas o Perplexity não sabe onde moro, então o melhor que pôde me oferecer foi um link para o MapQuest.

Os dados de localização são apenas uma das muitas vantagens que o Google tem sobre o Perplexity. O tamanho é outra vantagem - a Perplexity, que tem apenas 41 funcionários e está sediada em um espaço de trabalho compartilhado em São Francisco, EUA, tem 10 milhões de usuários ativos mensais, um número impressionante para uma startup, mas um grãozinho comparado aos bilhões do Google.

Publicidade

A Perplexity também não tem um modelo de negócios lucrativo. No momento, o site não tem anúncios e menos de 100 mil pessoas pagam pela versão premium, disse Aravind Srinivas, CEO da empresa (Srinivas não descartou a possibilidade de mudar para um modelo baseado em anúncios no futuro). E, é claro, o Perplexity não oferece versões do Gmail, Google Chrome, Google Docs ou qualquer uma das dezenas de outros produtos que tornam o ecossistema do Google tão inescapável.

Perplexity chega com IA para competir com Google Foto: Dado Ruvic/Reuters

Srinivas me disse em uma entrevista que, embora acreditasse que o Google fosse um concorrente formidável, ele achava que uma startup pequena e focada poderia assustá-lo.

“O que me deixa confiante é o fato de que, se eles quiserem fazer isso melhor do que nós, basicamente terão que matar seu próprio modelo de negócios”, disse ele.

E quanto às alucinações?

Um problema com os mecanismos de busca baseados em IA é que eles tendem a ter alucinações ou inventar respostas e, às vezes, se desviam de seu material de origem. Esse problema assombrou vários híbridos de pesquisa com IA, inclusive o lançamento inicial do Bard pelo Google (e que agora se chama Gemini), e continua sendo uma das maiores barreiras para a adoção em massa.

Em meus testes, constatei que as respostas do Perplexity eram, em sua maioria, precisas - ou, para ser mais preciso, eram tão precisas quanto as fontes em que se baseavam.

Encontrei alguns erros. Quando perguntei ao Perplexity quando seria a próxima partida de tênis de Novak Djokovic, ele me deu os detalhes de uma partida que já havia terminado. Em outra ocasião, quando carreguei um arquivo PDF de um novo artigo de pesquisa sobre IA e pedi à Perplexity que o resumisse, recebi um resumo de um artigo totalmente diferente, publicado há três anos.

Srinivas reconheceu que os mecanismos de pesquisa baseados em IA ainda cometem erros. Ele disse que, como o Perplexity era um produto pequeno e relativamente obscuro, os usuários não esperavam que ele fosse tão confiável quanto o Google - e que o Google teria dificuldades para incorporar a IA generativa em seu mecanismo de busca porque precisava manter sua reputação de precisão.

Publicidade

“Digamos que você use nosso produto e que tenhamos um bom desempenho em oito de cada dez consultas. Você ficaria impressionado”, disse Srinivas. “Agora, digamos que você use o produto do Google e ele obtenha apenas sete de 10. Você pensaria: ‘Como o Google pode errar em três consultas?’”.

“Essa assimetria é a nossa oportunidade”, acrescentou.

Uma vitória para os usuários, uma perda para os editores

Embora eu tenha gostado de usar o Perplexity, e provavelmente continuarei a usá-lo em conjunto com o Google, admito que fiquei com um frio na barriga depois de vê-lo produzir resumos concisos e impecáveis de notícias, análises de produtos e artigos de instruções.

Grande parte da economia atual da mídia digital ainda depende de um fluxo constante de pessoas que clicam em links do Google e recebem anúncios nos sites dos editores.

Mas com o Perplexity, geralmente não há necessidade de visitar um site - a IA faz a navegação para você e fornece todas as informações necessárias na página de respostas.

A possibilidade de que os mecanismos de pesquisa acionados por IA possam substituir o tráfego do Google - ou estimular o Google a colocar recursos semelhantes em seu mecanismo de pesquisa, como começou a fazer com seu experimento de “experiência geradora de pesquisa” - é, em parte, o motivo pelo qual muitos editores digitais estão apavorados no momento. Também é parte do motivo pelo qual alguns estão reagindo, inclusive o The Times, que processou a OpenAI e a Microsoft por violação de direitos autorais no ano passado.

Depois de usar o Perplexity e ouvir falar de produtos semelhantes que estão sendo desenvolvidos por outras startups, estou convencido de que os preocupados têm razão. Se os mecanismos de pesquisa de IA podem resumir de forma confiável o que está acontecendo em Gaza ou dizer aos usuários qual torradeira comprar, por que alguém visitaria o site de um veículo de mídia novamente? Por que jornalistas, blogueiros e avaliadores de produtos continuariam a colocar seu trabalho online se um mecanismo de busca de IA vai simplesmente engoli-lo e regurgitá-lo?

Publicidade

Levei esses temores a Srinivas, que respondeu com uma evasiva diplomática. Ele admitiu que a Perplexity provavelmente enviaria menos tráfego para sites do que os mecanismos de pesquisa tradicionais. Mas disse que o tráfego remanescente seria de melhor qualidade e mais fácil de ser monetizado pelos editores, pois seria o resultado de consultas melhores e mais direcionadas.

Tenho ceticismo em relação a esse argumento e tenho receio com o que o futuro reserva para escritores, editoras e pessoas que consomem mídia online.

Portanto, por enquanto, terei que pesar a conveniência de usar o Perplexity contra a preocupação de que, ao usá-lo, eu esteja contribuindo para a minha própria desgraça.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.