Apagão em SP: Enel descumpre prazo e mais de 30 mil endereços continuam sem luz após mais de 4 dias

Interrupção do serviço de energia segue afetando clientes após temporal na última sexta-feira. Concessionária diz atuar com 3 mil técnicos para restabelecer fornecimento. Desde segunda-feira, 6, atividades foram suspensas na PUC-SP

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Mais de quatro dias depois do temporal da última sexta-feira, 3, mais de 30 mil endereços continuavam sem luz em São Paulo na manhã desta quarta-feira, 8, de acordo com boletim divulgado pela Enel Distribuição São Paulo, um dia após o prazo dado pela companhia para restabelecer a energia em 24 municípios atendidos pela companhia na região metropolitana de São Paulo, incluindo a capital paulista. Se a situação permanecer, às 16 horas completará 5 dias com imóveis sem luz.

PUBLICIDADE

“A Enel Distribuição São Paulo informa que resta normalizar o fornecimento de energia para cerca de 30.200 clientes que foram impactados pelo vendaval na última sexta-feira, o que representa 1,43% do total de consumidores afetados. A companhia reforça que está atuando com mais de 3 mil técnicos nas ruas e que têm trabalhado de forma incansável para reconstruir trechos inteiros da rede elétrica, garantindo a energia para todos”, disse em nota.

Na última sexta-feira, 3, um temporal com ventos de mais de 100 km/h provocou a queda de centenas de árvores na cidade, derrubando o fornecimento de energia elétrica em grande parte da capital - mais de 2 milhões de endereços chegaram a ficar sem luz.

Mais de 2 milhões de endereços ficaram sem luz após as chuvas de sexta-feira; regiões sul e oeste foram as mais afetadas Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Prefeitura de São Paulo informou nesta quarta-feira, 8, que entrará na Justiça contra a Enel diante do alegado descumprimento de acordo da empresa com a gestão municipal. A concessionária de energia elétrica tinha previsto o restabelecimento total de luz até esta terça-feira, 7, o que não ocorreu. Cerca de 30 mil endereços seguem sem energia nesta quarta-feira, 8.

De acordo com a Prefeitura, a Procuradoria-Geral do Município de São Paulo entrará com uma ação civil pública contra a Enel “por descumprimento de acordo da empresa com a capital paulista e de outras normas legais”. A concessionária não comentou nesta manhã a medida da Prefeitura, mas anteriormente havia informado que trabalha com 3 mil técnicos para restabelecimento do serviço.

Promotoria do Consumidor propôs à Enel, na terça-feira, que indenize os 2,1 milhões de imóveis afetados pelo apagão. Os representantes do Ministério Público de São Paulo (MPSP) buscam um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a concessionária, mas cogitam o ajuizamento de uma ação civil pública no caso de uma negativa ao pagamento de danos morais e materiais. A concessionária tem um prazo de 15 dias para responder. Os valores ainda estão em discussão.

As fortes chuvas deixaram ao menos oito pessoas mortas no Estado. Mais de 40 municípios, incluindo a capital paulista, tiveram ocorrências por queda de árvores. Foram mais de 2 mil chamados para ocorrências de acordo com as defesas civis e o Corpo de Bombeiros em todo o Estado.

Publicidade

Protesto

Moradores da zona sul sem energia elétrica fizeram um protesto na avenida Giovanni Gronchi, na região do Morumbi, nesta terça-feira. Um policial foi baleado durante a manifestação. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública, a bala atravessou a perna do PM, que foi levado ao hospital para atendimento médico. Não foi informado o seu estado de saúde.

Ainda de acordo com a SSP, a Polícia Militar acompanhava o protesto quando a avenida começou a ser bloqueada após os moradores colocarem fogo em objetos. Os policiais se protegeram atrás de escudos e relataram que alguns manifestantes portavam “coquetéis molotov”.

Na capital paulista, funcionários da limpeza, agentes das subprefeituras e equipes de iluminação pública e de reparos em semáforos continuam nas ruas para restabelecer a normalidade na capital paulista. Os consumidores podem pedir indenizações caso tenham tido prejuízo com a falta de energia.

Aulas e eventos permanecem suspensos na PUC-SP

A Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) decidiu manter nesta quarta-feira, 8, a suspensão das atividades acadêmicas regulares, assim como eventos presenciais no câmpus Monte Alegre, em Perdizes, zona oeste de São Paulo, em razão da falta de energia que permanece afetando a instituição de ensino.

“Dada a persistência da falta de energia no câmpus Monte Alegre e a imprevisibilidade de seu restabelecimento, seguirão suspensas nesta quarta-feira as atividades acadêmicas (regulares e eventos) presenciais”, publicou nas redes sociais.

Conforme a PUC-SP informou anteriormente, o retorno das atividades administrativas também depende do restabelecimento da energia elétrica. Desde segunda-feira, 6, atividades foram suspensas em razão da falta de luz.

Procurada, a Enel Distribuição São Paulo ainda não se manifestou sobre a falta de luz que atinge a PUC-SP. O espaço permanece aberto para manifestação.

Publicidade

Conforme a PUC-SP informou anteriormente, o retorno das atividades administrativas também depende do restabelecimento da energia elétrica. Desde segunda-feira, 6, atividades foram suspensas em razão da falta de luz.

Para falar com a Enel

O consumidor pode entrar em contato com a Central de Relacionamento da Enel São Paulo pelo 0800 72 72 120. Também pode falar com a central de emergência pelo 0800 72 72 196. Para pessoas com deficiência auditiva, o telefone é o 0800 77 28 626. Salve também a ‘Elena’ nos contatos (21 99601-9608), assim é possível conseguir realizar serviços. Ela consegue ajudar a registrar falta de luz, solicitar segunda via, consultar débitos, solicitar ressarcimento e também tirar dúvidas sobre outros serviços.

Ouvidoria da Enel São Paulo

Este é um canal de relacionamento para solucionar ou responder reclamações que a pessoa ainda não conseguiu resolver pelos outros canais de atendimento.

  • Por teleatendimento: 0800 72 73 110 (atendimento em dias úteis, das 8 horas às 18 horas).
  • Por carta: enviar em envelope fechado mencionando ‘Ouvidoria’ para o endereço: Avenida das Nações Unidas, 14401, Conjunto 1 ao 4, Torre B1, 17º andar, Vila Gertrudes, São Paulo-SP, CEP: 04794-00.
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.